domingo, 29 de novembro de 2020

Douro, the 2020 harvest general report

(a versão PT aqui)

A very difficult, challenging and atypical year

The truth is that in the Douro wine region no two years are the same and there is no wine year that can be considered as "normal"

The granite lagares at Quinta do Passadouro winery, Vale de Mendiz, Pinhão river valley.

    The 2019 harvest ended in mid-October with the first autumn rains, that lasted through the months of November and December, that were very rainy months, an important fact for replenishing the soil water reserves, after months of drought and none or insufficient rainfall. In mid-December, a late autumn with rainy weather, heavy, persistent and intense rain across the Douro demarcated wine region, also in the Upper Douro sub-region that usually has lower average rainfall values. The "Elsa" depression and the intense rain, caused the river Douro water level to rise (which rose 11 meters in the Peso da Régua quay), the Pinhão village riverside area was flooded, and in the Vilariça valley, at the mouth of the river Sabor, there was flooded farmland.

    In general, temperatures remained in line with average values for this time of year.

Winter

    Winter marks the beginning of a new cycle in the vineyards, temperatures drop and the vines enter a phase of vegetative rest and dormancy - silence prevails in the vineyards at this time of year. In this cycle the vineyard renovation works begin with prunning the vines, which is decisive for their growth and development and for the final result of the harvest, for the quality of the wine and even for the longevity of the vine.

    The end of the year and the beginning of 2020 without rain and with dry weather, then in mid-January rain returned to the entire Douro region.

    It was, in fact, a very rainy winter which made it possible to replenish the soil water reserves and the available water. 

    Late January wiht temperatures above average, whuch lasted until the end of February in hot and dry weather. According to the IPMA (Portuguese Sea and Atmosphere Institute) seasonal bulletin, we had the warmest February since 1931 and by this time a drecrease in the percentage of water in the soil available to plants.

____________

"The 2020 vintage was undoubtedly a challenging vintage. Along with the delicate sanitary moment we are experiencing, which led us to establish several preventive measures to combat COVID-19 in order to avoid any problem that could jeopardize the normal course of the harvest, also the climatic year did not facilitate. 2020 turned out to be a hot and precocious year, with very low yields, in which grape varieties like Touriga Franca suffered more from the excessive heat. The problem of lack of water combined with the high temperatures felt, put the vineyards most exposed to stress causing the grapes to ripen quickly, forcing us to speed up the harvest so as not to let escape the desidered maturation window. It looks like a year that will bring wines with a lot of concentration ans structure, robust and with potential. It remains for us to wait and monitor its evolution.".

(Ricardo Pinto Nunes, Churchill's Winemaker and Production Director)

____________

Quinta do Passadouro winery, Vale de Mendiz, Pinhão river valley.

Spring

    It was a Spring with very difficult conditions, in which permanent monitoring, constant attention and a lot of work in the vineyards was necessary.

     In the first days of March there was some rain throughout the region.

    The first signs of life in the vineyards start to appear in early March, vines are beginning to burst, and in the Douro the vineyard landscape is reborn with nature blooming. At this stage the vineyard cycle is advanced, the bud break(1) registered on 3rd March and the appearance of the first leaves and shoot growth on the vines was 2 weeks early, the same happened with the vine flowering.

    From the moment the vines start to burst, the rest ends and work beggins on the vineyards that will only end at the end of the harvest.

    The last days of March and the beginning of Spring with hot days and then, surprisingly, on the last day of March, there was a temperatute drop and the cold painted the highest vineyards with snow, approximately at an altitude of 700 meters (in Mesão Frio, Vila Real and S. João da Pesqueira), a fact practically unrecorded at this time of year (an effect of climate change?), a situation that can damage the vines. These days there was news of some vineyards that suffered damage from frost (in the Cima Corgo Douro sub-region) with the consequent production reduction.

    At the beginning of April the works on the vineyards continue with the green prunning essential to ensure balance and control over the quality of the vine's production. In the middle of the month, the loose leaves and the first bunches begin to appear. This is followed by the control of the vigour and excessive vegetative growth and the first preventive treatment.

    An early May with temperatures well above average (some days with about 2ºC above average values) throughout the Douro wine region. In the middle of Spring, in mid-May, between the 7th and the 14th there was some precipitation in all the Douro sub-regions with consequences in the vineyards. The rainy Spring was one of the instability factors that would mark the wine year. 

    The unstable weather, heat, rain and humidity, all conditions met for the appearance of mildew and powdery mildew -  a wet Spring always means more work in the vineyards - which determined e greater need for treatments and a lot of work in viticulture, to prevent the spread of this fungal diseases and its treatment, and the inevitable cost increase and declines in production. This year there was a great pressure of mildew and powdery mildew in the vineyards throughout the Douro wine region.

    It was a year with a very low birth rate (which reflects the average number of grape bunches per branch left after prunning the vines) which was below average and the vine flowering occured in the last week of May. 

    This period was characterized by a great climate irregularity in the whole region, with high temperatures well above average in the last week of May (4 to 5ºC above average temperatures) and later in June (on the 12th) temperatures dropped and it rained across the Douro.

____________

"The 2020 harvest started very early, in the third week of August, both for the earliest white grapes and red grapes from warmer and drier areas. At the end of the first week there was a drying grape phenomenon, especially the Touriga Franca variety, which quickly led to a high concentration of sugars in the grape berries. In quantitative terms, there was a very sharp drop in production in both the Cima Corgo and Douro Superior. The Baixo Corgo sub-region which is significantly more fertile and humid, experienced slight declines in production. Regarding quality, whites are rich and expressive, while reds will need more time to show themselves.".

(Óscar Quevedo, Quevedo Port wine Producer)

____________

After pressing the masses (grape skins and pips that came out of the lagar) at Quinta de la Rosa, Pinhão.

Summer

    The formation of the grape bunches takes place, the berries growing and the bunches closing. On the 20th of June the first changes in color and texture of the berries, which annouce the veraison, according to the popular proverb "Santiago (on Santiago's day) paints the berry". There was an antecipation of 1 week to 10 days for some red grape varieties such as Tourga Nacional and Touriga Franca.

    The grape ripening marks a very important phase of the wine year, it is the beginning of the accumulation of sugars and the progressive loss of acidity in the grape berries, determinig factors for the wine quality. It is trough the sun that the grapes gain color, sugar and the various components that will determine the final wine aromas and flavors.

    Work continued on the vineyards with the guidance of the vine vegetation growth for aerating the grape bunches. 

    On the 22nd of June there was a change in climate, and increase in temperature and a low humidity level, an intensive, scorching and agressive sun which caused scald in the most exposed bunches (a phenomemon known in the region as the burning of Saint John (24th of June is Saint John's day)). This year this phenomenon was quite violent and even reached vineyards at a higher altitude, and along with the vine low birth rate, caused a drop in the quantity of production. Tinta Barroca and Touriga Franca were the grape varieties that suffered the most from these conditions.

Global warming, the effects of climate chage in the region

    The last days of June and July with very high temperatures all over the Douro region, well above average and very low humidity levels. In Pinhão, Quinta da Roêda (Croft) there was 8 consecutive days with maximum temperatures above 40ºC and also a very high minimum temperature, the hottest day with a recorded temperature of 42,73ºC. According to the IPMA data, July was the warmest month since 1931. In general, the data recorded for the country for the period from January to July 2020, aswell as the month of July, were the hottest of the last 90 years. Still the period between January and mid-September was the warmest since there are records (1850) and of the 17 warmest years recorded, 16 have occured since 2000 until now. What beggins to be a pattern of consistently hotter years is a concern for the region.

    In the 3rd week of July, the veraison's phase is ending.

    The harvest is approaching, in the first week of August the grape bunches are in full maturation stage, in search of the perfect sugar and acidity levels. At the beginning of August the weather remained dry and with high temperatures still above average, and in some parts of the Cima Corgo and Upper Douro sub-regions temperatures were above 40ºC.

____________

"...in climatic terms in was a very atypical and quite difficult year, despite having a rainy winter and spring that guaranteed us some water support in the soil, but we had a hot year, a July that was perhaps the hottest July in yhe last decades and the months of August and September continued to be hot, we had low birth on the vines, we had problems of flowering and development, we had to do more treatments, there was grape scalding, in short a number of factors that lead us to conclude that our estimate is that we have a reduction in production by about 25 to 30%, to be very positive...".

(Álvaro Martinho Lopes, viticulture responsible at Quinta das Carvalhas, Real Companhia Velha)

____________

The harvest

    At the beginning of August early vintage signs were confirmed, a harvest that started very early with white grapes, between the  middle and the last week of August.

    Between 17th and 20th of August, it was very important the rain that fell in some quantity throughout the region and that arrived at the right moment to releive the effects of excessive heat in the vineyards and to try to manage maturation, but it also had the consequence of accelerating the ripening process.

    The very hot days remained during harvest time, causing scalding in some vineyards, and at a first stage in some cases there was a difficulty in starting the harvest, since the excessive heat and the lack of water, caused some stops and irregularities in the ripening of grapes, and then right after, the need to harvest and quickly take the grapes to the wine cellars to avoid the rapid loss of acidity, the high levels of sugar and the increase of the potential alcohol content, the consequence of the grape berries dehydration, the main concern was trying to preserve some of the ideal balance between those essential elements that will always be reflected in the wines. 

    There was a need for permanent monitoring of maturation and constant adaptations and changes in the harvest logistics and more than ever it was very important trying to achieve a perfect coordination of viticulture and oenology.

    September continued with high temperatures and with rain recorded throughout the region between the 17th and the 20th.

    It was an early and very short harvest, which ended before the last days of September. Some examples, at Quinta de la Rosa, in Pinhão, it was probably the most antecipated and the shortest harvest recorded on this property. At Quinta da Roêda, also in Pinhão, it was the second earliest harvest recorded (after 2017). At Quinta dos Malvedos, located in a transition zone between the Cima Corgo and the Upper Douro, the harvest lasted less than three weeks. At Quinta das Carvalhas, in the Cima Corgo sub-region, there was an antecipation of the cycle in about 10 days, It was the most antecipated harvest in the last 20 years.

After the harvest

    It was undoubtedly an atypical year, very complicated and difficult, of low production, with a low birth rate and a low yield on the vines, a short harvest and a reduction in production of aroud 30% and even 40% in some properties.

    Despite the general considerations that are recorde here, we must not forget that the Douro is an immensely varied region, in its sub-regions, microclimates, vineyard locations, different altitudes and exposures, the different grape varieties, in short, very diverse terroirs, that always allow the existence of particular cases that escape a more general analysis and some of the factors that characterized the wine year.

    The weather instability in spring, in the months of April and May, which favoured the severe occurrence of mildew and powdery mildew started to be decisive and forced many vineyard treatments. The vine flowering was not ideal for the bunches to thrive and there was great heterogeneity with weaker yields than usual. Also, the excessive heat and the scalding ir caused in the grape bunches, that continued during the harvest, making it difficult to achieve good  balance in the grape maturation between acidity, sugar and pH.

    However, with a break in production, there was also a greater concentration and intensity in the wines produced, with a greater structure, as well as the higher sugar levels allowed longer fermentations and greater extrations, very important when we consider Port wines. From now on it remains for producers to follow the evolution of wines in the cellars.

    Despite all the difficulties there were grape varieties that revealed all their potential in agressive and extreme conditions, as was the case with Touriga Nacional, Tinto Cão, Tinta da Barca and Sousão, as well as the behaviour of the old vines, which, in general stood out and showed great capacity of adaptation and resistence to the adverse conditions of this wine year, with quality productions.

The harvest "remains", at Quinta de Nápoles, Tedo river valley.

Note:

(1) Bud break or budburst: the moment that marks the beginning of the vine vegetative cycle, with the emergence of the shoots.

© Hugo Sousa Machado

More information:

Douro, the 2020 harvest: a testimony 


 

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Douro, o relatório geral da vindima 2020

 Um ano com condições muito difíceis, atípico e desafiante

A verdade é que, no Douro não há dois anos iguais e não existe o que se possa considerar como um ano "normal".

Os lagares da Quinta do Passadouro, Vale de Mendiz, Vale do Pinhão.

    A vindima de 2019 terminou em meados do mês de Outubro, com a chegada das primeiras chuvas de Outono, que se prolongaram pelos meses de Novembro e Dezembro, que foram meses bastante chuvosos, facto importante para a reposição das reservas de água nos solos, depois de meses de seca e de nenhuma ou insuficiente precipitação.

    Em meados de Dezembro, tivemos um final de Outono com tempo chuvoso, chuva forte, persistente e intensa em toda a região demarcada do Douro, também no Douro Superior que em regra tem valores de precipitação mais baixos. A depressão "Elsa" e a chuva intensa provocaram a subida do nível das águas do rio Douro (que subiu 11 metros no cais da Régua), a zona ribeirinha da vila do Pinhão foi inundada e no vale da Vilariça, na foz do rio Sabor, houve terrenos agrícolas inundados.

    As temperaturas, em geral, mantiveram-se de acordo com os valores médios para esta época do ano.

Inverno

    O Inverno marca o início de um novo ciclo na vinha, as temperaturas baixam e as vinhas entram numa fase de repouso vegetativo, dormência e descanso - o silêncio impera nas vinhas nesta fase do ano. Com este ciclo começam também os trabalhos de renovação da vinha, a poda das videiras, determinante para o seu crescimento, desenvolvimento e para o resultado final da colheita, para a qualidade do vinho e mesmo para a longevidade das plantas.

    O final do ano e o início de 2020 sem chuva e com tempo seco, depois, em meados de Janeiro a chuva voltou a toda a região. Foi, na realidade, um Inverno muito chuvoso que permitiu repôr as reservas de água nos solos e a água disponível.

    Um final de Janeiro, com temperaturas superiores à média e que se prolongaram até final de Fevereiro, registou-se tempo quente e seco. De acordo com o boletim climatológico sazonal do IPMA (Instituto Português do Mar e da Atmosfera), o mês de Fevereiro foi o mais quente desde 1931 e como consequência houve também uma diminuição da percentagem de água no solo utilizável pelas plantas.

____________

"a vindima de 2020 foi, sem dúvida, uma vindima desafiante. Juntamente com o momento sanitário delicado que vivemos, e que nos levou a estabelecer diversas medidas preventivas de combate ao COVID-19 de forma a evitar qualquer problema que pudesse pôr em cauda o normal desenrolar da vindima, o ano climático também não facilitou. 2020 acabou por se revelar um ano quente e precoce, com produções bastante reduzidas, em que castas como a Touriga Franca sofreram mais com o excesso de calor. O problema da falta de água aliado às altas temperaturas sentidas, colocou as vinhas mais expostas em stress, fazendo com que as uvas amadurecessem rapidamente, obrigando-nos a correr atrás do tempo e acelerar a vindima de maneira a não fugirmos da janela de maturação pretendida. Parece-me um ano que trará vinhos com bastante concentração e estrutura, robustos e com potencial. Resta-nos esperar e acompanhar a sua evolução.".

(Ricardo Pinto Nunes, Director de Produção e Enólogo da Churchill's)

____________

Quinta do Passadouro, Vale de Mendiz, Vale do Pinhão

Primavera 

    Foi uma Primavera com condições muito difíceis, em que foi necessário um acompanhamento permanente, uma atenção constante e imenso trabalho nas vinhas.

    Nos primeiros dias de Março registou-se alguma chuva por toda a região do Douro.

    Surgem os primeiros sinais de vida nas vinhas no início de Março, há vida nas vinhas que começam a despontar e a paisagem de vinha no Douro renasce, com a natureza a florescer. Nesta fase, o ciclo da vinha está adiantado, o abrolhamento(1) registado a 3 de Março e o lançamento das primeiras folhas foi precoce em cerca de 2 semanas, o mesmo sucedendo com a floração.

    A partir do momento em que as videiras começam a despontar termina o descanso e recomeçam os trabalhos na vinha que só vão terminar com o fim da colheita.

    Os últimos dias de Março e um início de Primavera com dias quentes e depois, surpreendentemente, no último dia de Março, houve uma queda da temperatura com frio que pintou de neve os pontos acima dos 700 metros de altitude (Mesão Frio, Vila Real, S. João da Pesqueira), um facto praticamente sem registo anterior nesta altura do ano (um efeito das alterações climáticas?), uma situação que pode causar danos nas rebentações da vinha. Por estes dias surgem também notícias de algumas vinhas que sofreram estragos com a geada (na sub-região Baixo Corgo) com a consequente redução da produção.

    No início de Abril prosseguem os trabalhos na vinha com a poda em verde, indispensável para assegurar o equilíbrio e o controlo da qualidade de produção da vinha. Em meados do mês, as folhas soltas e os primeiros cachos começam a aparecer. Segue-se a despampa ou desladroamento(2) e o primeiro tratamento.

    O começo de Maio com temperaturas bem acima da média (cerca de 2ºC acima dos valores médios) por toda a região vinhateira. Em plena Primavera, em meados do mês de Maio, entre os dias 7 e 14, registou-se alguma chuva em toda a região com consequências na vinha. A primavera chuvosa foi um dos factores de instabilidade na vinha.

    O tempo instável, calor, chuva e humidade, todos os factores reunidos para o aparecimento do míldio e do oídio - uma Primavera molhada significa sempre mais trabalho nas vinhas - que determinou maior necessidade da tratamentos e muito trabalho na viticultura, para prevenir e evitar o alastramento destas doenças da vinha, com o inevitável aumento dos custos e também com quebra na produção. Foi um ano em que houve uma grande pressão do míldio e do oídio nas vinhas em toda a região.

    Foi também um ano com uma nascença muito baixa (traduz o número médio de cachos por gomo deixado na poda das videiras) inferior à média, em que a floração das vinhas ocorreu na última semana de Maio.

    Este período caracterizou-se por uma grande irregularidade do clima em toda a região, com temperaturas altas e bastante acima da média na última semana de Maio (4 a 5ºC acima da média) e depois em Junho (dia 12), temperaturas a descerem e chuva em todo o Douro.

____________

"a vindima de 2020 começou muito cedo, na terceira semana de Agosto, tanto para as uvas brancas mais precoces como para as uvas tintas de zonas mais quentes e secas. Logo ao fim da primeira semana começou a verificar-se um fenómeno de empassamento, sobretudo na Touriga Franca que rapidamente levou a uma concentração elevada de açúcares na uva. Em termos quantitativos verificou-se uma quebra muito acentuada na produção, tanto no Cima Corgo como no Douro Superior. Já a sub-região do Baixo Corgo, significativamente mais fértil e húmida, teve ligeiras quebras na produção. Relativamente à qualidade, os brancos apresentam-se ricos e expressivos enquanto os tintos precisarão de mais tempo para se mostrar.".

(Óscar Quevedo, produtor vinhos Quevedo)

_____________

Depois da prensagem, na Quinta de la Rosa, Pinhão


Verão

    Assiste-se à formação dos cachos, com os bagos a crescer e os cachos a fechar. A 20 de Junho, as primeiras alterações de côr e textura dos bagos que anunciam  o "pintor", de acordo com o provérbio popular "Santiago pinta o bago". Registou-se uma antecipação desta fase em cerca de 1 semana a 10 dias para algumas castas tintas como a Touriga Nacional e a Touriga Francesa.

    O amadurecimento da uva marca uma fase muito importante do ano vitivinícola, é o início da acumulação de açucares e perda de acidez no bago de uva, que são factores determinantes para a qualidade final do vinho. É através do sol que os cachos vão ganhando côr, açúcar e todos os diversos componentes que vão determinar os aromas e os sabores finais do vinho.

    Continuam os trabalhos na vinha com a orientação do crescimento da vegetação, ramos e folhas, para arejamento dos cachos.

    A 22 de Junho há uma mudança no clima, um aumento da temperatura e um baixo nível de humidade, sol intenso, abrasador e agressivo, que provocou escaldão nos cachos mais expostos (um fenómeno conhecido na região como "queima de São João"). Este fenómeno, que neste ano foi bastante violento e que também atingiu as vinhas a maior altitude, juntamente com a baixa nascença, provocou uma quebra na quantidade da produção. A Tinta Barroca e a Touriga Francesa foram as variedades que mais sofreram com estas condições.

Aquecimento global, os efeitos das alterações climáticas no ano vitícola

    Os últimos dias de Junho e o mês  de Julho, com temperaturas muito altas em toda a região demarcada do Douro, muito acima da média e com níveis de humidade muito baixos. No Pinhão, na Quinta da Roêda (Croft) registaram-se 8 dias seguidos com temperaturas máximas acima dos 40ºC e uma temperatura mínima também muito alta, o dia mais quente com uma temperatura de 42,73ºC. De acordo com o IPMA, Julho foi o mês mais quente desde 1931. Em geral, no país, os dados registados para o período de Janeiro a Julho, assim como para Julho de 2020, que foi o mais quente desde há 90 anos. O período entre Janeiro e meados do mês de Setembro foi o mais quente desde que existem registos (desde 1850) e dos 17 anos mais quentes registados, 16 ocorreram desde 2000 até agora. O que começa a ser um padrão consistente de anos mais quentes é uma preocupação para todo o Douro.

    Na 3.ª semana de Julho, a fase do pintor a terminar.

    A vindima aproxima-se, na primeira semana de Agosto os cachos estão em plena fase de maturação, em busca dos níveis de açúcar e acidez ideais. Neste início de Agosto, o tempo continuou seco e com temperaturas altas, acima de média, em alguns pontos das sub-regiões do Cima-Corgo e Douro Superior, registam-se temperaturas acima dos 40ºC.

____________

"... em termos climáticos foi um ano bastante atípico e bastante difícil, apesar de termos um inverno e uma primavera chuvosos que nos garantiu algum suporte hídrico nos solos, mas tivemos um ano quente, Julho talvez dos Julhos mais quentes das últimas décadas, e um Agosto e Setembro que ainda continuam a ser quentes, tivemos pouca nascença, tivemos problemas na floração e vingamento, tivemos que fazer mais tratamentos, houve queima de uvas, enfim uma série de coisas que nos leva a concluír que a nossa estimativa seja que nós tenhamos uma redução na produção na ordem dos 25 a 30% para ser bastante positivo...".

(Álvaro Martinho Lopes, Responsável pela viticultura da Quinta das Carvalhas, Real Companhia Velha)

____________

Vindima

    Confirmaram-se os sinais de vindima precoce do começo de Agosto, foi uma vindima que começou muito cedo, com as uvas brancas, entre meados e a última semana de Agosto.

    Entre 17 e 20 de Agosto foi muito importante a chuva que caiu em alguma quantidade em toda a região, e que em muitos casos chegou no momento certo para ajudar a aliviar os efeitos do calor excessivo na vinhas e para tentar conseguir algum equilíbrio nas maturações, todavia, teve também o efeito de acelerar o amadurecimento.

    Os dias muito quentes mantiveram-se durante a vindima causando escaldão em algumas vinhas e, numa primeira fase, dificuldade em iniciar a vindima, uma vez que o calor excessivo e a necessidade de água provocou algumas paragens e irregularidades nas maturações, numa segunda fase, a necessidade de vindimar e de levar rapidamente as uvas para as adegas para evitar a rápida perda de acidez, os níveis de açúcar mais elevados e o aumento da graduação alcoólica potencial, consequência de uma rápida desidratação dos bagos, tentando preservar algum equilíbrio ideal entre estes factores essências que se vão sempre reflectir nos vinhos.

    Houve uma necessidade de acompanhamento e avaliação permanente das maturações, de adaptações constantes na logística da vindima e idealmente uma coordenação perfeita entre viticultura e enologia.

    Setembro manteve-se com temperaturas altas, acima da média, e com registo de chuva em toda a região demarcada entre os dias 17 e 20.

    Foi uma vindima antecipada e muito curta, que terminou antes dos últimos dias de Setembro. Alguns exemplos, na Quinta de la Rosa, no Pinhão, foi provavelmente a vindima mais antecipada e mais curta registada nesta propriedade. Na Quinta da Roêda (Croft), também no Pinhão, foi a segunda vindima mais precoce registada (logo a seguir a 2017). Na Quinta dos Malvedos (Graham's), numa zona de transição entre as sub-regiões do Cima Corgo e Douro Superior, a vindima durou menos de três semanas. Na Quinta das Carvalhas (Real Companhia Velha), na sub-região do Cima Corgo, registou-se uma antecipação do ciclo em cerca de 10 dias e foi a vindima mais antecipada dos últimos 20 anos.

Depois da Vindima

    Foi indubitavelmente um ano bastante atípico e muito complicado e difícil, de baixa produção, com baixa nascença, cachos pequenos, uma vindima curta e com uma redução na produção de cerca de 30% e mesmo de 40% em algumas propriedades.

    Apesar das considerações gerais que aqui ficam registadas, nunca podemos esquecer que o Douro é uma região imensamente variada, em sub-regiões, microclimas, diferentes localizações das vinhas, diferente altitudes e exposições solares, as diferentes castas, enfim, diversos terroirs, o que permite sempre que existam casos particulares que escapem a alguns dos factores que caracterizaram o ano vitícola.

    Começou por ser determinante a instabilidade meteorológica na Primavera, nos meses de Abril e Maio, que favoreceram a ocorrência severa do míldio e oídio que obrigou a mais tratamentos na vinha. Depois, a floração não foi a ideal para os cachos vingarem e houve uma grande heterogeneidade nas maturações com produções mais fracas do que o habitual. Ainda, o calor excessivo e o escaldão que provocou nos cachos, e que se manteve durante a vindima dificultando o amadurecimento e o equilíbrio entre o açúcar, a acidez e o pH.

    Todavia, numa produção com grandes quebras, houve também maior concentração e intensidade dos vinhos produzidos, com mais estrutura, assim como os níveis de açúcar mais elevados permitiram fermentações mais longas e com maior extracção, no caso dos vinhos do Porto. Daqui em diante, resta acompanhar a evolução dos vinhos na adega.

    Apesar de todas as dificuldades, houve castas que revelaram todas as suas potencialidades nestas condições agressivas e extrema, desde logo a Touriga Nacional, Tinto Cão, Tinta da Barca e Sousão, assim como, destacou-se também, o comportamento das vinhas velhas que, em geral, revelaram grande capacidade de adaptação e resistência às condições adversas deste ano, com produções de qualidade.

Os "despojos" da vindima, Quinta de Nápoles, Vale do Tedo.

Notas:

(1) O abrolhamento da videira: o momento que marca o início do ciclo vegetativo da videira, que termina a época de repouso com o aparecimento dos primeiros rebentos ou a rebentação dos gomos.

(2) A despampa ou desladroamento tem como finalidade controlar o excesso de crescimento vegetativo da vinha e toda a rebentação inútil que dispersa os recursos naturais da planta, contribuindo para a qualidade final da uvas.

©Hugo Sousa Machado

Mais informação: 

Douro, a vindima de 2020: um testemunho