segunda-feira, 9 de março de 2020

Vieira de Sousa, a journey through the history of its Colheita Tawny Ports

EN/PT

2010, 2003, 1994, 1985, 1974, 1963, 1950 and the "90th Anniversary António Vieira de Sousa very old Port", a Tawny Port over 90 years old

Vieira de Sousa, a family with its roots in the Douro

back to business...


PtoPwine archive
    Vieira de Sousa's most recent phase started in 2008, at the iniciative and responsability of the 5th family generation. In fact, this family project was a natural cycle to a family with a long tradition in a noble Douro wine region and in Port wine production and ageing. It was Luísa and Maria Borges great great-grandfather, José Silvério Vieira de Sousa who originally created the "Vieira de Sousa" brand in the 19th century. In his turn, António Vieira de Sousa Borges, the father of this new generation, always produced Port wine, which he insisted on not selling, but keeping, maintaining and increasing his own private stock. It is precisely some of this Port wines that are now revealed and that we will discover.
    The long family tradition was also the essential support of this new course of the "Vieira de Sousa" company, after many years as suppliers of important Port wine companies (among which Taylor's and Churchill's...) and that in 2008 makes the decision to take over the Port wine production and bottling business under its own brand, which was subsequently followed by the production of D.O.C. Douro wines.

    With an important heritage of Quintas family inherited and whose vineyards are the source of the house wines: Quinta da Água Alta which is also the most important for Port wine production, to which it contributes about 60% of the grapes, located in Gouvinhas, on the right bank of the river Douro (just above the hillside of the neighbouring Quinta do Crasto), it is a property with special characteristics, with a predominant south exposure with vineyards at various altitudes with an amplitude that goes from the bank closer to the river to the cooler areas at the top of the mountain, from 120 to 400 meters high. From the vineyards located at a lower altitude come the grapres destined mainly for Tawny Port wines and the grapes from the vineyards located at higher altitudes are the structure of the Vintage and LBV's, which allows from the start, a very good base for selecting grapes with very different characteristics - Quinta do Fojo Velho, in the Pinhão river valley (upstream from Vale de Mendiz), formerly part of Quinta do Fojo - Quinta da Fonte, in Celeirós do Douro - and Quinta do Roncão Pequeno, located in Roncão valley, Casal de Loivos, Pinhão.

    Altogether all the properties constitute a total of about 60 hectares of vineyards, with very different locations, characteristics and specificities, a combination of terroirs that allows in each harvest a wide base for selecting the right grapes best suited to the desired wine profile and category.

    The oldest Tawny Colheitas were vinified at Quinta da Água Alta and Quinta do Fojo.

To understand the Colheita Tawny Port (or Single Harvest Tawny Port)


PtoPwine archive

    From the beggining, the definition of a Colheita Tawny... is a style of Port wine, a special category of high quality red Port wine
from a single harvest or vintage and that is why it takes on the expression of the specific year in which it was born (it is not constituted from a blend of wines). It ages in used wood casks that can have variable capacities, for a minimum period of 7 years. In practice these ageing periods are generally much longer and the wines gradually assume the characteristics of a Tawny Port, the result of prolonged ageing in wood. As a rule, the older they are, the more complex, richer and with an increasing aroma and flavor intensity. The ageing process in fundamental and as we will see, this Port wine category comprises a very diverse universe of wines, that can vary greatly according to the greater or lesser ageing periods, whether we are looking at a youger wine or a wine with many years or even decades of wood ageing.

    At the outset, an unfounded ideia is the more aged the wine the better. Thinking that older Colheita Ports are superior to younger ones and the temptation to evaluate them by comparing wines from different harvests but most of all with different ageing periods is wrong because each has its own profile, individuality and character.

Vieira de Sousa Colheita Tawny Port


PtoPwine archive

    The Colheita Tawny Ports of this traditional Douro house, with the exception of the 2010 Colheita, that has already been produced by Luísa Borges, were the responsability of previous generations, the father, great father and great great grandfather of Luísa and Maria Borges, in the historical tradition of a very portuguese wine category.


    Colheita Tawny Ports are wines that are an expression of the year they were born, as commented by Luísa Borges, producer and the responsible for the Vieira de Sousa oenology "these are wines that are perfect in their imperfection", unlike Tawny Port with an indication of age, which is a Port wine style that seeks to mantain an identical profile over the years through the art of blending wines of different ages.

    As mentioned above, an important part of the current Vieira de Sousa Tawny Port wine stock was constituted by the persistence of António Vieira de Sousa Borges who, over the years, when making the decision not to sell it, was building and expanding it over many years of Port wine storage and ageing. Now, the novelty is that some of these wines will be bottled and launched in 2020, enriching the "Vieira de Sousa" Port wine portfolio, the 1950 Colheita Tawny (aged for 70 years), and the most recent 2003 and 2010 Colheita Tawny.

    Currently, the production of Port wine at Vieira de Sousa constitutes approximately 60% of the total production and one of the main markets for this special category of quality Port wines is Denmark. It produces various categories of Port wine and rightly now it has decided to start revealing and making known these special wines that are part of its heritage and that the gloom of the wine cellar hides, where in addition to the Colheita Tawnies presented, there are more wines in stock from other harvests. Now exploring the Tawny Port wine stock available...

     Another important note, at Vieira de Sousa, as a rule, the Colheita Tawny are wines that do not form part of the Tawny with indication of age blends.

    The Tawny Port long ageing periods occur in the wine cellar old big wood barrels or "tonéis" (with capacities approximately 5000 to 6000 liters, i.e., about 10 to 11 casks) of portuguese chestnut wood but also other types of wood such as oak and exotix woods. The 1950 Colheita ages in a single 700 liter cask and the very old Tawny "90th Anniversary" comes from a single 250 liter cask. All Tawny Port wine have aged in the Douro wine cellar, which is important to take into account, since as a result of the different temperature and humidity conditions when compared to the cooler and higher humidity conditions characteristic of the wine lodges located in Vila Nova de Gaia, the heat and drier conditions of the Douro region gives a different and specific prodile to the wines, generally a greater concentration and toasted notes.

    It is always a privilege to participate in these special tastings, with wines that tell a story, the Colheita dates have been chosen and have a meaning that marks special moments in the Vieira de Sousa family history linked to the Douro for five generations and also moments of the company's life.
    An enriching and didactic tasting, where you can get a good perception of the wine ageing evolution phases and the transformations that time imprints on wine, all with their own markedly different characteristics.


PtoPwine archive

Some tasting notes


Vieira de Sousa 2010 Colheita Tawny
    Made from a mixture of grapes from Quinta da Água Alta and Quinta do Fojo, foot trodden in the traditional granite lagares. The wine year was quite fresh. Now it has 9 years of wood ageing, or more properly "tonel" ageing. It has a colour full of reddish tones, a wine still with a lot of evident fruit, ripe red fruit, liqueur notes and the presence of some tannins, still rounding up but it already shows a polished side, with a good structure. In addition to the aromas and flavours of red fruits, it has already some oxidative evolution with dried fruit sensations.

Vieira de Sousa 2003 Colheita Tawny
    With a 16 year ageing. It was also produced from a blend of grapes selected from the family's various quintas. The grapes were also foot trodden in traditional lagares. When compared to the previous 2010 Colheita, the colour shows a greater ageing, a more open red colour with some red brick nuances. A good general aromatic sensation, with a lesser presence of red fruits and with a more dried fruit side imposing, raisins and some vanilla notes. Gradually taking on a more evolved bouquet. Well integrated and fine in the mouth. 
    It will be bottled gradually and will continue to age in wood, maintaining the house Port wine heritage.

Vieira de Sousa 1994 Colheita Tawny
    A 24 year old cask sample. 1994 was a classic vintage Port year, a "monumental" vintage (the 1994 Taylor's and Fonseca vintage Ports were internationally recognized after Wine Spectator magazine attributed 100 points). It presents a colour that does not differ much from the 2003 Colheita, reddish with tawny nuances. It is slightly sweeter, but also more concentrated, robust and complex. A big aroma and flavour difference from the previous, with predominant walnut, hazelnut and dried fig notes, but also with a more earthy character, it will enter a more open phase. With a long finish.

Vieira de Sousa 1985 Colheita Tawny
    A 34 year old cask sample. 1985 was a classic vintage Port year, that originated wines of exceptional quality. It presents a more open colour with brownish and already with some greenish tones characteristic of its ageing. A fresher wine with some original dryness (the ageing period causes the sweetness to fall gradually), the wine isn't less sweeter but the sweeter sensation is less present because the tannin ends up drying it. This dryness also gives it more elegance. With the distinctive aromas and flavours of dried fruit, such as hazelnuts and walnuts, and also some caramel and spice notes, intense and full-bodied. A pleasant and prolonged aftertaste. 
Note: these wines from older harvests fermented longer.

Vieira de Sousa 1974 Colheita Tawny
    A 45 year old cask sample., from a Quinta da Água Alta wine cellar wood "tonel". At this stage of its evolution the wine is less expressive and impressive. It shows less colour than the 1963 Colheita, it has greenish tones that appear when the glass is swirled. With the dried fruit standing out and with spice notes, a spicy tannin, and also with a somewhat earthy flavour note. A wine less concentrated that the age apparently would suggest.

Vieira de Sousa 1963 Colheita Tawny
    A 56 year old cask sample. 1963 was a great classic vintage Port year. The wine has a tawny colour. Following the tasted wines there's a notable difference, a greater impact of concentration and complexity, a robust wine with very good aromatic notes, dried fruit, dried figs, some candy and a very good and exotic aromatic touch of anise. With a very good final persistence.

Vieira de Sousa 1950 Colheita Tawny
    With an extraordinary 69 year old ageing in a single 700 liter cask. The Colheita Tawny that marks half a century. There is only a very limited quantity of this Colheita, just one cask in the Celeirós do Douro wine cellar. The long ageing caused a distinctive colour darkening, which is mahogany brown and presenting the characteristic green tones of a very long wood ageing. It is a wine with a great aromatic complexity, dried fruits aromas, walnuts, dried figs and dates, notes of roasted coffee beans, spicy, full, with a very good sructure, elegant and unctuous. It is interesting to accompany the gradual increase in greasiness and complexity with the greatest ageing periods. Very intense and delicious with a very long and persistent finish.

90th Anniversary António Vieira de Sousa Very Old Port
    A tribute of the current generation to António Vieira de Sousa vision and persistence which allowed the new "Vieira de Sousa" company phase. An important Port wine for the firm's image and prestige.
    A very old Tawny Port wine with more than 90 years old aged in a single 250 liter cask in a rare and very limited edition of 90 cristal 0,5l numbered bottles. It is the result of a blend, without any correction or rectification before bottling. It has 10.1º Baumé and 8.32 g/l of total acidity. It has a brilliant dark brown colour with greenish reflections. Very impressive, it is a wine that immediately imposes itself by its great concentration, an essence, compared to the previous 1950 Colheita is clearly more unctuous and with a lively acidity that gives its freshness. Dense and engaging with extraordinary intense and impressive aromas and flavours, very rich and complex, it stands out in addition to the many notes  of dried fruits, notes of roasted coffee, brown sugar or Madeira honey cake and spices, such as i would say cloves. With an impressive final persistence (the empty glass is impregnated with its aromas for a very long time).
    One of those Port wines from the old traditional and historic Douro, unique and exceptional, that will remain in the memory of those who taste it. 


PtoPwine archive


(Porto, Hotel Crowne Plaza, 16th Nov2019)

©Hugo Sousa Machado

Vieira de Sousa, uma viagem pela história dos Tawny Colheita

2010, 2003, 1994, 1985, 1974, 1963, 1950 e o "90th Anniversary António Vieira de Sousa" um Tawny com mais de 90 anos...

Vieira de Sousa, uma família com raízes no Douro

de volta ao negócio...


published with "Enóphilo" permission
    A fase mais recente da firma "Vieira de Sousa" teve início em 2008, por iniciativa e da responsabilidade da 5.ª geração da família. Na realidade, este projecto familiar foi uma evolução natural numa família com uma longa tradição numa região nobre do Douro vinhateiro e na produção e envelhecimento de vinho do Porto. Foi o tetravô de Luísa e Maria Borges, José Silvério Vieira de Sousa que originalmente criou a marca "Vieira de Sousa" no séc. XIX. Por sua vez, António Vieira de Sousa Borges, o pai desta nova geração, sempre produziu vinho do Porto, que fazia questão de guardar e não vender, mantendo e aumentando um stock particular. São precisamente alguns destes vinhos que são agora revelados e que vamos descobrir.
    A longa tradição familiar foi também o suporte essencial deste novo rumo da firma "Vieira de Sousa", depois de muitos anos como fornecedores de importantes empresas de vinho do Porto (entre as quais contavam-se a Taylor's e a Churchill's...) e que em 2008 decide tomar em mãos o negócio de produção e engarrafamento de vinho do Porto com marca própria, a que depois se seguiu a produção de vinhos D.O.C. Douro.

    Com um importante património de quintas herdadas da família e que estão na origem dos vinhos da casa: a Quinta da Água Alta, que é também a mais importante para a produção de vinhos do Porto, para os quais contribuí com cerca de 60% das uvas, localizada em Gouvinhas, na margem direita do rio Douro (logo acima na encosta da vizinha Quinta do Crasto), é uma propriedade com características especiais, com uma exposição predominante a sul, e com vinhas a várias altitudes, numa amplitude que vai da margem mais junto ao rio até zonas mais frescas no alto da montanha, desde os 120 até aos 400 metros. Das vinhas a menor altitude junto ao rio saem as uvas para os vinhos do Porto Tawny e as uvas das vinhas localizadas a maior altitude são a estrutura dos Vintages e LBV's da casa, o que permite desde logo uma boa base de selecção de uvas com caracteríticas muito diferentes - a Quinta do Fojo Velho, no vale do rio Pinhão (a montante de Vale de Mendiz), outrora parte da Quinta do Fojo - a Quinta da Fonte, em Celeirós do Douro - a Quinta do Rocão Pequeno, localizada no vale do Roncão, em Casal de Loivos, Pinhão.

    No conjunto estas propriedades constituem um total de cerca de 60 hectares de vinhas, com localizações muito diversas e também por isso com características muito diferentes, uma conjugação de terroirs que permite em cada colheita uma importante base alargada para escolha das melhores uvas adequadas ao perfil pretendido para cada vinho a produzir.

    Os Tawny Colheita mais antigos foram vinificados na Quinta da Água Alta e na Quinta do Fojo.

Para compreender os Tawny Colheita

    Do início, a definição de um Porto Tawny Colheita... é um estilo que constituí uma categoria especial de vinho do Porto tinto, de elevada qualidade e de uma só colheita ou vindima e que por isso assume a expressão do ano que está na sua origem (não é constituído a partir de um lote de vinhos). Envelhece em barricas de madeira usada e por um período minímo de 7 anos. Na prática estes períodos de estágio são geralmente mais longos e os vinhos assumem progressivamente as características próprias de um vinho do Porto Tawny, o resultado de estágios prolongados em madeira. Quanto mais envelhecidos, mais complexos, ricos e com maior intensidade de aromas e sabores. O processo de envelhecimento é fundamental e como se perceberá esta categoria integra um universo de vinhos que pode ser muito diverso, de acordo com os períodos de estágio mais ou menos longos.
    Desde logo, uma ideia que é errada, é pensar que os vinhos mais velhos e com muitos anos ou décadas de envelhecimento são melhores e superiores quando comparados com vinhos mais novos e com poucos anos de estágio. Na realidade a tentação de os avaliar comparando tawnies de diferentes colheitas mas sobretudo, com períodos de envelhecimento muito diferentes, é errada. Cada um tem o seu perfil, o seu carácter, as suas características e a sua individualidade.

Os Tawny Colheita Vieira de Sousa

    Os tawnies desta casa tradicional do Douro, com excepção do Tawny Colheita 2010, produzido por Luísa Borges, foram produzidos ou são da responsabilidade de anteriores gerações, do pai, do avô e do bisavô de Luísa e Maria Borges, na tradição dum estilo muito português de vinho do Porto.

    Os Tawny Colheita são vinhos que caracterizam o ano e, como comentou Luísa Borges, produtora e responsável pela enologia da Vieira de Sousa: "são vinhos que na sua imperfeição, são perfeitos.", ao contrário dos vinhos do Porto Tawny com indicação de idade onde se procura sobretudo manter um perfil que se pretende idêntico ao longo dos anos, através da arte da lotação de vinhos de várias idades.

    Como referimos, o actual stock de vinhos do Porto da "Vieira de Sousa" foi constituído pela persistência de António Vieira de Sousa Borges que, ao tomar a decisão de não vender o vinho do Porto que detinha, o foi constituindo e alargando ao longo de anos de armazenamento. Agora a novidade, é que vão ser engarrafados e lançados no mercado, em 2020, alguns destes vinhos, completando o portfolio de vinhos do Porto: o Tawny Colheita 1950 (com 70 anos de envelhecimento) e os mais recentes Tawny Colheita  2003 e 2010.

    Actualmente, a produção de vinhos do Porto da "Vieira de Sousa" constituí aproximadamente 60% da produção total e um dos principais mercados é a Dinamarca. Produz vinhos do Porto de várias categorias e muito justamente tomou agora a decisão de começar a revelar e dar a conhecer estes vinhos especiais que integram o seu património e que a penumbra da adega de vinhos do Porto esconde, onde para além dos Tawny Colheita aqui apresentados, existem outros de outras vindimas, explorando agora os stocks de vinho do Porto de que dispõe.

    Outra nota importante, na "Vieira de Sousa", por regra, os Tawny Colheita são vinhos que não integram os lotes dos Tawny com indicação de idade.

    Os longos estágios em madeira dos tawnies, ocorrem nos velhos tonéis da casa (com capacidades aproximadas, de 5000 a 6000 litros, i.e., cerca de 10 a 11 pipas) de castanho português, mas também outras madeiras como carvalho e madeiras exóticas. O Tawny Colheita 1950 envelhece numa pipa de 700 litros de capacidade e o Tawny muito velho "90th Anniversary" provém de um casco de 250 litros. Todos os vinhos do Porto Tawny envelhecem no Douro, o que é importante considerar, uma vez que, em consequência das diferentes condições de temperatura e humidade, quando comparamos as temperaturas mais frescas e a maior humidade dos armazéns de vinho do Porto em Vila Nova de Gaia com as temperaturas mais altas e secas da região do Douro que conferem aos vinhos um perfil diferente e próprio, em geral, uma maior concentração e notas tostadas de aroma e sabor.

    É sempre um privilégio participar nestas provas especiais, com vinhos que contam uma história e aqui as datas das colheitas têm um significado que assinala momentos especiais na história da família Vieira da Sousa, ligada ao Douro à cinco gerações, e também a momentos da vida da empresa.
    Uma prova enriquecedora e didáctica em que ficamos com uma boa percepção das várias nuances das fases de evolução, do envelhecimento e as transformações que o tempo imprime aos vinhos, todos com as suas características próprias.

Os apontamentos de prova

Vieira de Sousa Tawny Colheita 2010
    Feito a partir de uma mistura de uvas da Quinta da Água Alta e da Quinta do Fojo, pisadas a pé nos tradicionais lagares de granito, num ano vitícola que foi bastante fresco. Tem agora nove anos de casco ou mais propriamente de tonel. Com uma côr ainda marcada por tons avermelhados, ainda com bastante fruta evidente, fruta vermelha madura, licorado, com a presença de algum tanino, um Porto ainda a arredondar mas já com algum polimento, com boa estrutura, para além dos aromas e sabores de frutos vermelhos tem já alguma evolução oxidativa com a presença de notas de frutos secos.

Vieira de Sousa Tawny Colheita 2003
   Com 16 anos de envelhecimento. Foi também elaborado a partir de um lote de uvas de várias quintas da família, com pisa a pé em lagares de granito, passou para tonel desde o primeiro momento, onde ainda se mantém. Ao lado do Colheita 2010, nota-se algum caimento de côr próprio de um maior envelhecimento, com uma côr avermelhada com tons côr de tijolo. Uma boa sensação aromática, com menor presença de frutos vermelhos e com um lado de frutos secos mais marcado, notas de uva passa e baunilha. Gradualmente começa a assumir um bouquet mais evoluído. Bem integrado e fino na boca.
    Irá ser lançado aos poucos e também continuará o seu estágio em madeira mantendo a tradição da casa.

Vieira de Sousa Tawny Colheita 1994
    Em amostra de casco com 24 anos de envelhecimento. 1994 foi um ano de Porto vintage clássico, um ano "monumental" (em que os Porto vintage da Taylor's e Fonseca foram reconhecidos internacionalmente pela atribuição de 100 pontos pela revista Wine Sepctator). Apresenta uma côr que não difere muito da côr do Colheita 2003, avermelhada com nuances aloiradas. É ligeiramente mais doce, mas também mais concentrado, robusto e complexo. No conjunto dos aromas e sabores sente-se uma grande diferença relativamente ao anterior, com a presença dos frutos secos, como nozes, avelãs e figos, mas com um carácter mais terroso. Vai entrar numa fase mais aberta. Com um final longo.

Vieira de Sousa Tawny Colheita 1985
    Com 34 anos de envelhecimento, em amostra de casco. 1985 foi um ano de Porto vintage clássico, com vinhos de qualidade excepcional. Com uma côr mais aberta com tonalidades acastanhadas e esverdeadas características do envelhecimento. Um vinho mais fresco, com alguma secura original (durante o estágio em madeira, a doçura caiu aos poucos), o vinho não é menos doce, mas a doçura sente-se menos porque o tanino acaba por secar a doçura. A maior secura confere-lhe também elegância. Com os aromas e sabores marcantes dos frutos secos com nozes e avelãs, também com notas caramelisadas e de especiarias. É intenso e com um agradável e prolongado final de boca.
Nota: os vinhos das colheitas mais antigas tinham fermentações mais longas.

Vieira de Sousa Tawny Colheita 1974
    Com 45 anos de envelhecimento em amostra de casco. Proveniente de um tonel da adega da Quinta da Água Alta. Nesta fase da sua evolução é o vinho menos expressivo e menos impressionante. Com menos côr do que o Colheita 1963, com tons esverdeados que surgem quando o copo é agitado. Com os frutos secos a sobressair e com um tanino picante, apimentado, com um sabor algo terroso, um vinho menos concentado do que a idade à partida poderia sugerir.

Vieira de Sousa Tawny Colheita 1963
    Um Colheita com 56 de envelhecimento e provado em amostra de casco. 1963 foi um grande ano para o Porto vintage clássico. Com uma côr tawny, aloirada. Relativamente aos vinhos anteriores há uma diferença notória, um grande impacto de concentração e complexidade. Um vinho robusto, com muito boas notas aromáticas, notas de frutos secos, figos secos, mel e algum rebuçado, com um toque de aniz muito original e exótico. Com muito boa persistencia final.

Vieira de Sousa Tawny Colheita 1950
    Com um extraordinário envelhecimento de 69 anos numa pipa de 700 litros. O Tawny Colheita que marca meio século. Existe uma quantidade muito limitada, apenas uma pipa deste vinho na adega de Celeirós do Douro. O longo envelhecimento provocou um escurecimento da côr, que é agora castanho mogno, apresentando também os tons esverdeados característicos dos longos estágios em madeira. Um vinho com uma grande complexidade aromática, com frutos secos, nozes, figos secos e tâmaras, com notas torradas, especiado, rico, elegante e untuoso (é interessante acompanhar o aumento gradual da untuosidade e complexidade com os anos de envelhecimento em madeira). Com um final muito longo e intenso.

90th Anniversary António Vieira de Sousa Very Old Port
    Uma homenagem da actual geração a António Vieira de Sousa e à sua visão e persistência que permitiram o actual projecto "Vieira de Sousa". Um vinho sempre importante para a imagem e prestígio da casa.
    Um vinho do Porto Tawny muito velho, com mais de 90 anos de envelhecimento numa pipa com 250 litros de capacidade, numa edição rara e muito limitada de 90 garrafas de cristal de 0,50L, numeradas. É um vinho de lote, sem qualquer correcção ou rectificação antes do engarrafamento. Com 10.1º Baumé e 8.32g/L de acidez total. Com uma côr castanho escuro brilhante com reflexos esverdeados, impressionante, é um vinho que se impõe desde logo pela grande concentração, uma essência, quando comparado com o Colheita 1950, é claramente mais untuoso e com uma acidez vivaz que lhe dá frescura. Um vinho denso e envolvente, com um aroma extraordinariamente intenso e impressivo, muito rico e complexo, onde sobressaem para além das muitas notas de frutos secos, açúcar mascavado e bolo de mel da Madeira, notas de café, especiarias, diria cravinho. Com uma persistência final que impressiona (o copo depois de vazio fica impregnado com os aromas durante muito tempo).

    Um daqueles vinhos do Porto do velho Douro, de uma casa histórica do Douro, único e excepcional, que fica na memória de quem o prova.
(Porto, Hotel Crowne Plaza, 16th Nov2019)

©Hugo Sousa Machado









domingo, 26 de janeiro de 2020

What´s new in the Pinhão river valley

EN/PT

The Wine & Soul wine tourism, in Vale de Mendiz


PtoPwine archive
In the center of the village of Vale de Mendiz, the Wine & Soul iconic wine cellar wall.

    In fact, it isn't exactly a novelty for those more attentive and demanding connoisseurs and oenophiles, but well worth noting here, as it is an essential place in the region quality wine tourism itineraries and in the Douro and Port wine route. Located in the heart of the Pinhão river valley, Wine & Soul's latest challenge and certainly also a necessary complement to reinforce the company's identity, communication and image.

    Wine & Soul is a small wine producer from the Douro, an independent family company created in 2001 by the couple of producers and oenologists Sandra Tavares da Silva and Jorge Serôdio Borges who, dispite its recent history, are currently responsible for the prestigious and internationally recognized wines and very rightly with its own place among the best wines made in the Douro region and the country.

PtoPwine archive
The Wine & Soul visit center and office, in the first floor of the building next to the wine cellar.
    
    In those early years, Wine & Soul acquired an old Port wine warehouse in the center of Vale de Mendiz village in the middle of the Pinhão river valley, about 6km away upstream from Pinhão village (following the N322-3 national road). The building is today the company main center of activity and, over the years, it has been carefully recovered, renovated and extended integrating today the D.O.C. wine cellar (the Port wine cellar is located today at Quinta da Manoella not too far upstream in the valley), the wine making center and the house of the lagares, the house office and now, after an adequate restoration and adaptation of the space in the first floor of the building adjacent to the wine cellar, this new area for receiving visitors.

    This new phase that started at the end of July 2019, with the creation of the room designed to receive visitors and guests and all those interested in discovering and expanding their knowledge or getting to know the producer, the detail of the areas and procedures related to wine production, and of course to know and taste the house wines, the special characteristics of the vineyards and the importance and influence of the surrounding extraordinary landscape, feel the wine ambiances and to know the peculiarities of the viticulture and oenology. As a complement and always dependent on prior reservation there is the possibility of light meals being prepared and served to accompany the house wines.


PtoPwine archive
What really distinguishes...
    From the first moment, a different attitude is perceived, the opposite of the typical type of touristic impersonal visits so common among the big wine producers of the region (but not only) with its monochordic tone guides and monologues artificially communicated, the tourist groups and the limited counted time of visits... anyway, very distant from these scenarios, which are more and more the rule, here one feels that the aim is to propose a more personalized and dedicated experience, didactic and enriching, with its own time and without urgency, but a natural commitment to bring visitors closer and promote a more emotional connection with the house, the brand, the excellent wines that are born here and the Douro wine region.

    For now, with just over 5 months since opening to visitors, the comment of Paula Santos Silva, the responsible for the Wine & Soul enotourism, refers the experience has been very positive and the visitors are mostly foreigners visiting the region, about 90%, but also house costumers, wine distributors in other countries and sommeliers mainly from the U.S.A., the U.K and Scandinavia who make a point of getting to know the special origin of the wines.

    But Wine & Soul has other projects planned for the future: now under approval and soon in Pinhão, a house for guest accomodation,, and at Quinta da Manoella the preparation of the quinta house for visits and Port wine specific tastings is planned.

PtoPwine archive
The view over the Pinhão valley

Where?

Wine & Soul: headquarters, wine cellar and visitor reception center
Avenida Júlio de Freitas, Vale de Mendiz
5085-101 Pinhão
info@wineandsoul.com
enoturismo@wineandsoul.com
Telf.: +351 254 738 076  mob.: +351 93 616 14 08
geographic coordinates: latitude 41º13'18.06''N and longitude 7º31'59.61''O
wineandsoul.com


PtoPwine archive

O que há de novo no vale do Pinhão?
O enoturismo da Wine & Soul, em Vale de Mendiz

    Na realidade não será propriamente uma novidade para os conhecedores e enófilos mais atentos e exigentes, porém um acontecimento digno de registo por se tratar de um local incontornável nos itinerários do enoturismo de qualidade na região e nas rotas dos vinhos do Douro e Porto. No coração do vale do rio Pinhão, o mais recente desafio da Wine & Soul e certamente também um complemento necessário para reforçar a identidade, a comunicação e a imagem da empresa.

    A Wine & Soul é um pequeno produtor do Douro, uma empresa familiar criada em 2001, pelo casal de produtores e enólogos Sandra Tavares da Silva e Jorge Serôdio Borges e que, apesar da história recente, são actualmente responsáveis pela produção de vinhos de prestígio reconhecidos internacionalmente e muito justamente com um lugar próprio entre os melhores vinhos que se fazem na região do Douro e no país.

    Nesses primeiros anos, a Wine & Soul adquiriu um velho armazém de vinho do Porto, no centro da povoação vinhateira de Vale de Mendiz, localizada em pleno vale do rio Pinhão, a cerca de 6km. a montante da vila do Pinhão (seguindo pela estrada nacional N322-3). Este edifício constituí hoje o principal centro de actividade da empresa e, ao longo dos anos tem vindo a ser progressiva e cuidadosamente recuperado, renovado e alargado, integrando hoje o centro de vinificação, a adega dos vinhos D.O.C. Douro da casa (por sua vez a adega dos vinhos do Porto está localizada na Quinta da Manoella, não muito distante a montante no vale), a casa dos lagares, os escritórios e agora este novo espaço para receber visitantes e convidados, após a recuperação e adequação do espaço no 1.º piso do edifício contíguo à adega.

    Esta nova fase, iniciada em finais de Julho de 2019, com a abertura deste espaço especifico destinado a receber os visitantes e todos os interessados em alargar os conhecimentos, descobrir ou conhecer um pouco melhor este produtor e provar os seus vinhos, os espaços e os procedimentos ligados à produção dos diferentes vinhos da casa, as vinhas e as suas características específicas e a influência da extraordinária paisagem natural envolvente, os ambientes do vinho e os pormenores da viticultura e enologia. Como complemento, e sempre com reserva prévia, existe a possibilidade de serem servidas refeições leves como pretexto para acompanhar a prova dos vinhos da casa.

PtoP archive
O que distingue realmente...
    Desde o primeiro momento que se percebe uma atitude diferente, o oposto do género típico de visitas mais turísticas e impessoais características dos grandes produtores (mas não só), do tom monocórdico dos guias e dos monólogos decorados e debitados artificialmente, dos grupos e da pressa do tempo contado... enfim, longe destes cenários que são cada vez mais a regra, aqui percebe-se uma experiência mais pessoalizada e dedicada, didáctica e enriquecedora, com tempo e sem urgências, com um empenho natural em aproximar os visitantes e promover uma ligação mais emocional com a casa, com os vinhos que aqui nascem e a região.

    Por agora, com pouco mais de 5 meses passados desde a abertura, o comentário de Paula Santos Silva, responsável pelo enoturismo, refere que a experiência tem sido muito positiva e que os visitantes têm sido na grande maioria estrangeiros de visita à região, cerca de 90%, mas também clientes da casa, distribuidores dos vinhos da empresa noutros países e sommeliers (dos E.U.A., Reino Unido e Escandinávia) que fazem questão de conhecer a origem dos vinhos aqui produzidos.

    Mas prevê-se que os projectos da Wine & Soul não fiquem por aqui, existem outros planos para o futuro: brevemente no Pinhão, encontra-se em fase de aprovação um local para alojamento de hóspedes, uma "Guest House", na Quinta da Manoella está pensado a preparação do local para visitas e provas especificas dos vinhos do Porto da casa. 

PtoP archive

Onde?

Wine & Soul: o centro de actividade, centro de visitas e adega
Rua Júlio de Freitas, Vale de Mendiz
5085-101 Pinhão
info@wineandsoul.com
enoturismo@wineandsoul.com
Telf.: 254 738 076  Telm.: 96 616 14 08
Coordenadas geográficas: latitude 41º13'18.06''N e longitude 7º31'59.61''O
PtoPwine archive

©Hugo Sousa Machado




sábado, 30 de novembro de 2019

Douro, the 2019 harvest report

PtoPwine archive
River Tedo valley, Cima Corgo Douro sub-region

A regular year, favorable to the vine cycle...

    Good wine is never or rarely the same every year, because the wine years are always different and the wine must be the result and an expression of the characteristics of the wine year, and also of the specifics of the place where it is born and of man who produces it. To understand and better appreciate it, we should keep in mind and consider all these aspects as much as possible. In the present text we are dedicated to the 2019 wine year following the notes registered throughout the year.

    The previous 2018 harvest ended in mid-October (somewhere between the 2nd and the 3rd week), with the arrival of the first autumn rains. A rainy November followed, and in general an equally rainy autumn, very important to restore the soil water supplies. December also began with some precipitation.

Winter
    Late autumn and early winter presented mild temperatures for the season. Late December and early January with dry, cold and frosty weather. 
    February continued with dry weather without or almost no rain, it was a hot month with high temperatures for this time of year, with very little rain and already a drought situation.

    Winter and spring were dry and with mild temperatures - May turned out to be a warm month and the exception to the rule - however, the climatic conditions were good for the vineyard maturation progress.

    Even before the beginning of spring, news of early buds in the vines start to appear in some parts of the Douro, the moment that marks the beginning of the vine's vegetative cycle, a consequence of mild temperatures and a mild winter, with temperatures higher than usual which anticipated and accelerated the start of the vine cycle.

    At the beginning of March the drought situation and little rain continued.

Spring
    At the end of March, early spring is marked by temperatures well above average recorded in all Douro sub-regions.

    There is new life on the vineyards with the bursting of the first vine leaves.

    At the beginning of April, in the middle of spring, suddenly there was a moment when the weather situation reversed and the temperatures dropped below average and there was finally some but insufficient rainfall all over the Douro region.
    Also in April, the "Prodouro" (Professional Wine Growers Association) and IVDP (Douro and Port Wine Institute) advised and announced anti-mildew prevention and treatment measures.

    Then followed May, in warm weather within average temperature values. Maximum temperatures of 30ºC where recorded throughout the Douro.

    In general, hitherto dry weather and mild temperatures with little or no rainfall, low humidity levels, and unlike previous years there was no unexpected irregular or extreme weather phenomena affecting production (such as heavy and sudden rainfall and hailstorms, extreme heat, scalding and vine dehydration) especially in the grape flowering phase, which this year occured in good weather condtions.

    During the month of May, with high temperatures and low rainfall, the pressure of the vine diseases was very low, there were no notable mildew attacks, which in turn led to less intervention in the vineyard and the advantage of reducing the required vine treatments.


"Good conditions for flowering, thus bringing a very interesting productive potential". (Fancisco Olazabal, Quinta do Vale Meão winemaker)

PtoPwine archive
River Tedo valley, Cima Corgo Douro sub-region (2)

Summer

    In early summer the weather remained dry with temperatures within average. Later in June, with high and above average maximum temperatures (37,2ºC recorded in Vilariça, in Douro Superior sub-region) and also a high temperature range.

    The "veraison" phase took place in mid-July with lush vineyards with a notorious vitality, a sign and prognostic of increased productivity.

    In midsummer in a widespread drought situation, there was rain in late August (there was an "orange warning" in the Vila Real district with heavy rain and thunderstorm forecast, in general without any noteworthy consequences in the vineyards) with some intensity in some areas of the Douro, such as Pinhão and S. João da Pesqueira, that turned out to be beneficial to the vineyards and this along with mild summer temperatures contributed to the grape and wine quality, with a regular, slow and smooth ripening, balanced musts and controlled alcohol levels. There was no extreme heat phenomena and generally these weather conditions were beneficial and persisted until the beginning of the harvest.

    The harvest began in late August and erly September, with high temperatures and with continued widespread drought, hot weather during the day and cooler nights. The red grapes began to be harvested in the second week of September.

    The news of the harvest beginning even refered to an increase of production of around 30% considering the very low yields of the previous 2017 and 2018 harvests, thus not only returning to average production values but surpassing it. 
    In harvest time the recurring pressure of labour shortages and the difficulty of hiring workers to work in the vineyards is felt (not only during harvest but  throughout the whole wine year), a chronic problem and one of the principal present and future Douro region issues.

    During harvest, temperatures were moderate, warm weather during the day and cooler nights allowed uniform maturation and generally providing good acidity. There were no climatic unforeseen events which allowed to follow harvest according to planed without any changes or weather surprises.

    In the middle of the harvest, on 21 and 22 September, there was little rain throughout the Douro, but without consequences in the quality of the grapes, returning then the hot and dry weather.

    The harvest ended by mid-October in the vast majority of cases coinciding with the first autumn rains. And so the work in the cellars and in the tasting rooms began.


PtoPwine archive
Quinta de la Rosa, Cima Corgo Douro sub-region, arrival of the first red grapes.

    Concluding, it was a year without major climatic extremes, conditions that favored the vine cycle and grape maturation. The vintage report published by the Symington Family Estates refers the good quality of the wines produced, "impressive" in the word used.
    The main characteristcs of this year's wines are balance, freshness and good acidity, but to the detriment of body and structure. There was also an increase in the volumes produced as already mentioned. Dispite the comments of a "superior year" and a "very good quality", we have also heard that vineyards with a lot of vitality and very productive are rarely synonymous with Vintage Port quality and 2019 does not seem to be an exceptional year in the particular case of Vintage Port wines.

©Hugo Sousa Machado


Previous reports:




Douro, relatório da vindima 2019

PtoPwine archive
Vale do rio Tedo, sub-região do Cima Corgo.


























       Um ano sem sobressaltos, favorável ao ciclo da vinha...      
   O bom vinho nunca é igual todos os anos, precisamente porque os anos raramente são iguais e o vinho deve ser também o resultado e a expressão das características do ano vitícola, assim como do lugar onde nasce e do homem que o produz. Para melhor o compreender e apreciar, devemos ter presente e perceber tanto quanto possível todos estes diferentes aspectos. Neste texto consideramos o ano vitícola 2019 seguindo os apontamentos registados ao longo do ano.

    A vindima de 2018 terminou em meados de Outubro, entre a 2.ª e 3.ª semana do mês, coincidindo com as primeiras chuvas de Outono, a que se seguiu um mês de Novembro chuvoso e, em geral, um Outono igualmente chuvoso, que foi muito importante para repôr as reservas de água nos solos. Dezembro começou também com alguma precipitação.

Inverno
    Fim do Outono e início do Inverno com temperaturas amenas para esta época do ano, depois um final de Dezembro e início de Janeiro 2019 com tempo seco, frio e geada.
    Fevereiro continuou sem ou quase sem chuva e com as temperaturas acima da média, foi um mês de Fevereiro quente, com pouca chuva e já numa situação de seca.

    O Inverno e a Primavera foram secos e com temperaturas amenas - Maio acabou por ser um mês mais quente e a excepção a esta regra - contudo, as condições foram favoráveis ao progresso do ciclo vegetativo da vinha.
    Ainda antes da chegada da Primavera, surgem notícias de abrolhamento precoce em alguns pontos do Douro, o momento que marca o início do ciclo vegetativo da videira, consequência de um Inverno com temperaturas amenas, superiores ao habitual, que antecipou e acelerou o início do ciclo na vinha.

    No início de Março, manteve-se a situação generalizada de seca e muito baixa precipitação.

Primavera
    No final do mês de Março, o começo da Primavera é marcado por temperaturas acima da média registadas em todas as sub-regiões da região demarcada do Douro.

    Vida nova na vinha com o rebentamento das primeiras folhas.

    Em plena Primavera, no início de Abril, subitamente, houve um momento em que a situação climatérica se inverteu, a temperatura baixou para valores inferiores à média e a chuva apareceu em toda a região, embora tenha sido insuficiente.
    Ainda em Abril, a Prodouro (Associação de Viticultores Profissionais) e o IVDP (Instituto dos Vinhos do Douro e Porto), anunciam e aconselham medidas de tratamento anti-míldio.

    Depois, em Maio, tempo quente e temperatura de acordo com os valores médios para esta época do ano. Registaram-se temperaturas máximas de 30º C por toda a região do Douro.

    Em geral, até aqui tempo seco e temperaturas amenas, nenhuma ou precipitação insuficiente, pouca humidade e, ao contrário do que sucedeu em anos anteriores, não ocorreram fenómenos climatéricos inesperados, irregulares ou extremos que prejudicassem a produção (como as chuvas intensas e repentinas, as tempestades de granizo, o calor extremo com os fenómenos de escaldão das uvas ou a desidratação das videiras), sobretudo na fase crítica da floração das uvas, que ocorreu este ano em condições climatéricas muito favoráveis.

    Durante o mês de Maio, com temperaturas altas, baixa precipitação e pouca humidade, a pressão das doenças da vinha foi muito baixa, não houve ataques de míldio ou oídio dignos de nota, o que por sua vez levou a uma menor intervenção na vinha com a redução dos tratamento habituais necessários.


"boas condições para a floração, trazendo assim um potencial produtivo bastante interessante.". (Francisco Olazabal, Enólogo responsável da Quinta do Vale Meão)

PtoPwine archive
Vale do rio Tedo, sub-região do Cima Corgo (2).

Verão
    O tempo seco manteve-se no começo do Verão, com as temperaturas a acompanhar os valores médios para a época. Mais no final de Junho, com o tempo seco e temperaturas máximas altas e superiores à média (registou-se 37,2ºC na Vilariça no Douro Superior) e com uma elevada amplitude térmica.

   A fase do "pintor" aconteceu a partir de meados de Julho nas vinhas exuberantes e com uma notória vitalidade, um prenuncio do aumento da produtividade.

    Em pleno Verão e numa situação de seca generalizada, houve chuva no final de Agosto (foi decretado "alerta laranja" para o distrito de Vila Real com previsão de chuva e trovoada, contudo, sem consequências dignas de registo nas vinhas) com intensidade em algumas zonas do Douro (Pinhão e São João da Pesqueira), que acabou por ser benéfica para as videiras e que, com um Verão de temperaturas amenas contribuiu para a qualidade das uvas e do vinho, com maturações regulares, lentas e suaves, mostos equilibrados e teores alcoólicos controlados. Não houve ocorrências de calor extremo e prolongado nas vinhas e em geral as condições climatéricas foram benéficas e assim se mantiveram até ao início das vindimas.

    A vindima teve início em final de Agosto e começo de Setembro, com as temperaturas altas e uma situação meteorológica de seca que se manteve, com tempo quente mas com noites mais frescas. As uvas tintas começaram a ser vindimadas na segunda semana de Setembro.

    As notícias do começo das vindimas no Douro chegaram a fazer referência a um aumento da produção que podia atingir 30%, considerando as produções muito baixas das últimas vindimas de 2017 e 2018, superando agora os valores médios de produção.
    Em época de vindimas volta a recorrente pressão da falta de mão-de-obra e a dificuldade em contratar trabalhadores para a vindima (não só durante o período de vindima mas também para os restantes trabalhos na vinha ao longo do ano), um problema crónico e um dos assuntos mais sérios na actualidade e futuro da região do Douro.

    Durante a vindima as temperaturas foram moderadas, com tempo quente durante o dia e as noites com temperaturas mais frescas, o que permitiu em geral maturações uniformes e uma boa acidez. Não ocorreram imprevistos climatéricos, o que permitiu seguir os planos de vindima sem alterações nem sobressaltos.

    Registe-se ainda que, a meio da vindima, nos dias 21 e 22 de Setembro, houve alguma chuva por todo o Douro, sem consequências na qualidade das uvas, voltando depois o tempo quente e seco.

    A vindima terminou na maioria dos casos, em meados de Outubro, com a chegada das primeiras chuvas de Outono. E assim se iniciaram também os trabalhos nas adegas e nas salas de prova.

PtoP archive
Quinta de la Rosa, sub-região do Cima Corgo, chegada das primeiras uvas tintas.

    Em resumo, foi um ano vitícola sem grandes extremos nem fenómenod climatéricos imprevistos, o que favoreceu o ciclo da vinha e as maturações. O relatório de vindima publicado pela Symington Family Estates refere a boa qualidade dos vinhos produzidos, "impressionante" é o termo utilizado.

    As principais características dos vinhos deste ano são equilíbrio, frescura e boa acidez, mas em prejuízo do corpo e da estrutura. Houve também um aumento dos volumes produzidos como já notamos. Apesar dos comentários que referem "um ano superior" e de "muito boa qualidade", também ouvimos comentar entre os produtores que vinhas com excesso de vitalidade e grandes produções raramente são sinónimo de qualidade para vinhos do Porto Vintage. Neste caso particular do vinho do Porto Vintage, não parece tratar-se de uma ano excepcional.

©Hugo Sousa Machado

Relatório anteriores: