terça-feira, 16 de junho de 2020

From the Douro region, a testimony by Mateus Nicolau de Almeida

from Ervedosa do Douro: on the background, Pinhão, the geographical center of the Douro wine region.      PtoPwine archive
   
    The testimony of Mateus Nicolau de Almeida, wine producer in the Douro and the fifth generation of the Nicolau de Almeida family to produce wine in the Douro. A text that helps us understand the region, its long history and the specifics of the Douro terroir, the history of winemaking in the Douro and of Port wine, the climate and the recent new approaches to viticulture... A text that accompanied the exhibition "Douro, an Alchemy between Air, Land and River", that took place in "La Cité du Vin", in Bordeaux, between October 2018 and January 2019:
   "There are at least three distinct "Douros" with different climates. These are Baixo Corgo, Cima Corgo and Douro Superior. These three sub regions each have different climates. Baixo Corgo is the closest to the Atlantic, and oceanic influences make themselves known in temperature and rainfall, despite being shielded by the Marão mountais. It has a Mediterranean and Atlantic climate with lots of rain and moderate temperatures compared with the rest of the region. As we travel up the river to the east we come to the Cima Corgo with a truly Mediterranean climate, where temperatures increase and rainfall is reduced. Next comes Douro superior, a Mediterranean-continental climate influenced by Spain's Meseta Central and experiencing temperature variations of nearly 50ºC: between two or three degrees below zero in winter and 50ºC in summer. Rainfall is significantly lower - less than half than in Baixo Corgo, for example. These characteristics create different regions, wines and even populations and cultures. All of this falls under the single designation of origin that is Douro. I have therefore produced wines made in the same way in each of the three subregions.

    The soil is made up of schist (with some granite mixed in), but the main difference between these three regions is without a doubt, the climate. It is incredible how much the climate changes in such a short time frame over such a short distance. This is a characteristic of the Portuguese regions: its temperature, climate and soils change very quickly, creating different types of wine, traditions and cultures. For example, in the Alto Douro, almond and olive trees are still cultivated alongside the vines, and Baixo Corgo is still planted with vineyards that owe their existence to the Cistercian monks.

    During that era the entire region was controlled by these monks from Burgundy summoned by King Afonso I, meaning that the creation of this wine region is inextricably linked with the foudation of Portugal. The Douro had strong links with Burgundy, and although there had been vineyards in roman times (representing Douro's first major winemaking revolution two thousand years ago), it was the Cistercian monks who developed their knowledge further. You might say that the region was to a certain extent controlled by Cistercian monks, particularly in Baixo Corgo near Lamego, although there was a Cistercian monastery - the Convento de Santa Maria de Aguiar - in Douro Superior. They almost seem to have delineated the region at the time.

    However, their stronghold was without a doubt Baixo Corgo, with the monasteries of Santa Maria de Salzedas, São João de Tarouca and São Pedro das Águias. This means that a thousand years ago, very good wines were already being produced in Cambres across from Régua, which of course altered local traditions.

    When Douro wine began being appreciated by northern European countries, primarily England bur also Germany, Norway, Belgium and France among others, numerous merchants came to Porto interested in the wine trade, and rapid growth up to the 1940's made us UK main wine supplier.

    The revival of dry wine production in the Douro, which experienced a great upsurge in the 1990's, prompted numerous producers to make their own wine rather than just selling their grapes. In addition, there were merchants based in Porto who had come to live in the Douro, as was the case for me.

    My work in the Douro is a form of deconstruction, or a quest for the Douro's own particular terroir which is made up of three factors: climate, the biggest external factor, covers a large (hence the three subregions), within which I make a wine produced the same way in each subregion. For soil, if I focus in further, I work only with the Alto Douro subregion: the same climate and the same grape variety, Rabigato, in various schist soils. These are more similar to each other, but there are small changes such as a stream that passed by a plot of land thousand of years ago meaning that it is deeper than a more stony plot on the slope, or another with a more blue, grey ot brown shade, or a vein of quartz through the middle of the schist. All of this is within the schist itself. I never work with granite because I want to work on the basis of the Douro, which is schist.

    In the mid-19th century, two important things, happened at once: the expulsion of the monastic orders who had knowledge and expertise in agriculture and winegrowing (including treatises which simply disappeared overnight), and the industrial revolution, which was later and less forceful here in Portugal. These two factors relegated 1000 years of agriculture and working mehods, which were forgotten to a certain extent. In some ways there seems to have been a sort of tabula rasa with the majority of previous knowledge being "forgotten", starting again with a very recent form of knowledge that was not so land-based. The industrial revolution speed everything up (work in both the vineyard and winery) without leaving time to feel things or stop and think. The winemaking mehods I am experimenting with are ancestral methods.

    And now we have the third point: after the climate and soil, come the humans, the producer, the person. People can have an enormous impact on wine: winemaking methods, the winemaking stages, grape varieties. It is important to remember that it is humans who created the grape varieties. I think that the Douro has the greatest concentration of different grape varieties being cultivated anywhere in Europe: there are over a hundred different varieties being used here. For example, old vineyards are a mixture of different varieties, a very Portuguese method of cultivation unique to the Douro, creating numerours different wines. This is humans at work.

from Quinta da Costa de Baixo: on the background, on the other side of the river Douro, the mouth of the river Tedo and Quinta do Tedo, and furher on the background, the Quinta de Nápoles (Niepoort).             PtoPwine archive

   
    In terms of the human impression of my work, I make different experimental wines: I turn my winery into a laboratory and start to see what I can change, winemaking techniques I can use, what type of wine that will produce, what wine will speak to people, what kind of information it will convey, and if this information will be as precise as it can be. Here in the Douro Superior, this is an area which allows the kind of work that I do as it has less of winemaking tradition and thus the tradition carries less weight, horizons are broader, we can look for new things, and the landscape also changes, creating new perspectives. In fact, this is an area that is in itself a little like a laboratory. As it was for my father and grandgather. And I would say, that makes it a more profitable region.

    The harvest is something very special, but financially not the best deal, so I ask myself why we make wine in the Douro? Why do so many people come to the Douro to invest here, knowing that these are investments made for future generations? This particular piece of land in climate and geographical terms (mountais and valleys) with its rocks is not soil - we have to make our own soils by breaking up the stones to create soil and plant vines to live there. What I mean to say is that there are plenty of easier places, aren't there?

    However beyond the telluric apeal of the entire Douro valley, we have the very special product that is wine. The vintage attracts people and almost leaves them in a trance. The wine harvest is not the same as harvesting olives or wheat, I don't know why! It is chaotic, as if Bacchus - god or madness - is possessing people, leaving them completely euphoric. This does not happen in other types of cultivation. Wine growing prompts very strong sentiments, whether picking or crushing the grapes. We drink wine and we work hard. It is non-stop work for 2, 3, 4 or 5 weeks, when people forget the world around them and are lost in an erotic stupor. It is the culmination of a year's work. This is a huge job that has to be completed at a specific time, or all the effort will be wasted. And will be lost. It is the moment when everything is fermenting, sparkling. Suddenly the wine start to swell, these masses which appear simply dead. There is the tragic moment when grapes are picked: tacking them away from their mother, placing them in the press, fiting on the top and suddenly a volcano explodes - fermentation. All of these vapours create intoxication and sensuality. And there we have Bacchus! No one is left unmoved. Here in the Douro we use a special method of vinification in the press, a sort of stone tank where the grapes are harvested during daytime and trampled day and night.

    This is a very unique step in the grape transformation process. The majority of the grapes that allow Port wines to be produced, in particular fine "vintages" grow in the Cima Corgo and Baixo Corgo regions but not realy in the Douro Superior. In order to make robust Port wines that last for years in the bottle, you need a powerfull setting able to extract all of the grape's components. As ripening conditions are very good in the Douro, this enables excellent extraction.

    Extraction undertaken by humans in a virtually military operation, rows of people with their arms linked, march silently over the grapes. A single man at the front sets the rythm using words that sometimes seem almost initiatory. This is one of the greatest moments of the harvest; treading in the evening when the cicadas fall silent and the women stop singing, speaking or laughing to support the harshness of the heat and the work. It is a unique moment which gives the region a new aura.

    Douro wine and Port wine are identical, with the same base and the same origins. Port wine started at we now call Douro wine - a dry wine but one with a higher alcohol content than other dry wines. It had aroud 15 - 16%, so could handle this natural alcohol. It was the wine of Citercian monks: white, claret or straw. The wines also began to become reds in the late 19th century, intense red wines. Before this period there was no interest in very dark wines. Mediterranean residents always preferred lighter or even white wines and have never appreciated very intense wines. Like the Romans, they liked more refined wines. Intense wines emerged to satisfy the taste of northern European costumers. This is the point at which we started using the word tinto to describe wine, which was previously red or white. The word red was also used in other languages, rouge, red, rosso. Tinto is only used in Portuguese and Spanish. Port wine was one of these - and we started to call it Port wine - as it was shiped form the city of Oporto. Consumers, in particular the English, wanted not only more intense but ones with a higher alcohol content. When we realized that some grapes made wines with lots of natural sugar that was not entirely fermented and that this style was popular, we started producing this type of wine. In fact, this means that Port wine is a type of wine from the Douro region. Behind it all they are the same thing, the same region. If the "Douro" appellation contained three appellations such as Baixo Corgo, Cima Corgo and Douro Superior, there would be consensus, as it refers to differences to climate and soil. However, the difference between the wines is just historic casuality. In a way I regret that Douro wine, which has a long tradition, cannot use the name "port". Douro wine can benefit from the "port brand", which has a strong international reputation. Both are fundamentaly the same, just one is dry and the other not. Dry means without sugar or any added spirit. Dry wines are still being made, but have fallen out of favor over the past 200 years. They were only revitalized and began to be appreciated again more recently, in the late 20th century. It should be noted that a dry wine is much more delicate because it is not protected by the alcohol content. Alcohol was primarily used to protect port wine. Spirit was added to stop it turning into vinegar when on board during the journey. The dry wines instead stayed here and were never shiped away, but rather destined for us to drink. That is why we in the Douro still call dry wine "drinking wine". Dry wines also had another, rather funny name - they were know as virgin or pure wine because they had not been spoiled with spirit.

    I do not know what climate change will do. The only thing I'am sure about is that the seasons used to be more reliable. Now we have lost our rythm. We can have warm, dry winters, and the summers are sometimes too hot. I have been making wine for around fifteen years with no established history, and I can say that the past three years have been very difficult. And if you are not sure if it is going to rain you start thinking differently about fertilisation, irrigation and soil tilling. We live in uncertain times, something which is partly interesting because it forces us to think about how we do things, and in my case I have started to think about organic and biodynamic ways of producing vines and wines. 

    Biodynamic agriculture is well developed in Europe but has not yet begun in Portugal. Although you might view the Douro as being a biodýnamic region, it has something else important, namely, biodiversity and polyculture. I think we need to pay attention to the future, as vine monocultures are progressing, and that is dangerous. Mono cultures are always dangerous. I am increasingly working with polycultures: almonds, figs, olive trees and junipers that produce the berries for the spirit.

    I have developed organic agriculture as it is performed  elsewhere, although I know that no two areas are identical and not everything that is done in one location should be applied to another, even if staying within the Douro.
    We have to open our minds and look at what we have in our region, not copy but rather look into the terroir to find our solutions: work on treating vines with plant macerations, thinking about the surronding area and how to plant vines. There are some things that are done as part of biodynamic winegrowing which require reflection and understanding of the site. Today's high-speed world is not well suited to this kind of winemaking. However, I would say that it is inescapable, even compulsory. People are starting to realize that the insecticides and herbicides we put in our land are poisons. For example, an organic vine has no furher needs once in the winery, whereas a treated vine undergoes a chaotic fermentation process that is neither linear nor easy.

    It is important that this reagion develops in this direction, the clearest path stretching ahead of us.".

Foz Côa, 8 August 2018.

Do Douro, o testemunho de Mateus Nicolau de Almeida

  
de Ervedosa do Douro: ao fundo, o Pinhão, o centro geográfico da região vinhateira do Douro.       PtoPwine archive
    O testemunho de Mateus Nicolau de Almeida, produtor de vinho no Douro e a quinta geração da da família Nicolau de Almeida a produzir vinho no Douro. Um texto que nos ajuda a compreender a região e a sua história e as especificidades do terroir duriense, a história do vinho no Douro e do vinho do Porto, o clima e as mais recentes abordagens na viticultura... um texto que acompanhou a exposição "Douro DWR, 3 solos entre o Céu e a Terra", que esteve patente na "La Cité du Vin", em Bordéus, entre Outubro de 2018 e Janeiro de 2019:

    "Existem, pelo menos, três "douros" muito distintos, que diferem por causa do clima. Existe o Baixo Corgo, o Cima Corgo e o Douro Superior. Essas três sub-regiões existem devido à diferença climática: no Baixo Corgo estamos mais próximos do Atlântico, mesmo que separado pelas montanhas do Marão, a influência do mar faz-se sentir ao nível da temperatura e da chuva. É um clima mediterrânico-atlântico, em que chove bastante com temperaturas amenas quando comparadas com o resto da região. E conforme vamos subindo o rio, indo para oriente, temos o Cima Corgo, que é um clima puro mediterrânico - aumentam as temperaturas e a chuva diminuí. Depois passamos para o Douro Superior, um clima Mediterrânico-Continental com a influência da Meseta espanhola, e amplitudes térmicas de quase 50ºC; entre 2 - 3 graus negativos no Inverno a 50 positivos no verão. A precipitação é muito menor, menos de metade do que no Baixo Corgo, por exemplo. Só isto, origina regiões diferentes, vinhos diferentes e mesmo populações e culturas diferentes. Isto tudo dentro da mesma denominação de origem Douro. Daí eu ter feito vinhos vinificados exactamente da mesma forma nas três sub-regiões.

    O solo, em geral, é de xisto (com alguns granitos pelo meio), mas a grande diferença destas três sub-regiões é sem dúvida o clima. É incrível como em tão curto espaço, em tão curta distância, o clima muda tanto. Trata-se de uma característica do território português; muda muito rápido de temperatura, de clima e também de solo, originando diferentes tipos de vinho, de tradições, de culturas. Por exemplo, no Douro Superior, para além da vinha cultivou-se sempre a amêndoa, a oliveira, mas não é assim no Baixo Corgo; por causa da influência dos monges cistercienses esteve sempre mais ligado à vinha.

    Apesar de toda a região estar na altura controlada por estes monges, vindos da Borgonha pela  - pela mão de D. Afonso Henriques o que quer dizer que a construção desta região vitícola está intimamente ligada à fundação de Portugal. Há efectivamente uma grande ligação entre o Douro e a Borgonha, e, apesar de já existirem vinhas no tempo dos romanos - responsáveis pela primeira revolução vínica no Douro há 2000 anos - forma os monges cistercienses que aprofundaram esse conhecimento. Digamos que havia uma espécie de controlo da região pelos monges de Cister, sendo que a maior parte estava concentrada no Baixo Corgo, perto de Lamego, apesar de no outro extremo, no Douro Superior, também existir um mosteiro cisterciense, o Convento de Santa Maria de Aguiar. Até parece que delimitaram a região já naquela altura!

    Mas sem dúvida que o seu grande poiso foi o Baixo Corgo, com os mosteiros de Santa Maria de Salzedas, de São João de Tarourca e de São Pedro das Águias. Estamos a falar de há cerca de um milénio atrás, produzirem vinhos que já eram muito bons, lá nos terrenos de Cambres, em frente à Régua, o que naturalmente vai alterar as tradições das pessoas.

    Quando o vinho do Douro começou a ser apreciado pelos países do norte da Europa, principalmente a Inglaterra, mas também a Alemanha, a Noruega, a Bélgica, a França, entre outros, vieram muitos comerciantes para o Porto fazer o negócio do vinho, que era algo que crescera brutalmente até, nos anos 40 do séc. XX, sermos o principal fornecedor de vinho de Inglaterra.

    O recomeço da produção de vinhos secos no Douro, cujo grande boom aconteceu nos anos 90, fez com que muito mais produtores começassem a produzir o seu próprio vinho, em vez de venderem as uvas. E também houve comerciantes estabelecidos no Porto que vieram viver para o Douro, como foi o meu caso.

    O meu trabalho aqui no Douro está a ser uma espécie de desconstrução, ou a procura do terroir duriense, que é composto por três factores: o Clima, o factor externo maior, que abrange uma maior área, daí as três sub-regiões, sendo que eu faço um vinho de cada sub-região, vinificando da mesma forma. Depois o Solo, no caso restrinjo a área, trabalho só na região do Douro Superior: o mesmo clima com a mesma casta - rabigato - trabalhando em vários solos de xisto. São parcelas muito próximas umas das outras, mas que devido a pequenas alterações - um ribeiro que passa perto de uma parcela há milhares de anos faz com que essa parcela tenha mais profundidade, do que uma na encosta com mais pedregosidade, ou uma outra com um xisto mais azul, mais cinzento ou mais castanho, ou uma com um veio de quartzo a passar no meio do xisto. Tudo dentro dos xistos. Eu não estou a trabalhar com o granito porque quero trabalhar a base do Douro que é o xisto.

    Em meados do séc. XIX, aconteceram duas coisas em simultâneo: a expulsão das ordens monásticas que tinham todo o conhecimento e savoir faire na agricultura e também na vinha, incluindo tratados, que desapareceu de um dia para o outro - e a revolução industrial que aqui em Portugal foi mais ligeira e mais tardia. Estes dois factores fizeram com que 1000 anos de agricultura e os seus métodos de trabalho fossem relegados, de certo modo esquecidos. Ás vezes parece-me que houve uma espécie de tábua rasa, muito do conhecimento anterior foi abolido, começando-se a trabalhar só com um tipo de conhecimento muito recente e que não está ligado à terra, ao tempo, à espera. A revolução industrial trouxe a aceleração de tudo: a aceleração dos trabalhos na vinha, a aceleração da adega, sem tempo para parar, para sentir as coisas, para parar. Os métodos de vinificação que estou a experimentar são métodos ancestrais.

    É assim que aparece o terceiro factor, depois do Clima e do Solo, o Humano, o produtor. O Homem pode alterar, e de que maneira, o vinho: o tipo de vinificação, o tipo de estágio, as castas. Importa lembrar que foi o homem que fez as castas. Penso que o Douro é, em toda a Europa, a região com mais castas permitidas para cultivo. São mais de cem castas diferentes com que aqui trabalhamos. Por exemplo, as vinhas mais velhas são misturas de castas, trata-se de uma cultura muito portuguesa e duriense, originando muitos vinhos diferentes. É o Homem a trabalhar.

    Quanto à impressão humana do meu trabalho, diga-se que faço diversos vinhos que são experimentais: transformo a adega num laboratório e começo a vêr o que posso alterar, que técnicas de vinificação usar, que tipo de vinho dará, como é que aquele vinho vai comunicar com as pessoas, que tipo de informação veicula e se será essa informação mais fidedigna. Aqui, no Douro Superior, é uma área que de certa maneira permite que se faça o tipo de trabalhos que eu faço, porque é uma área com menos tradição vitícola, e como a tradição tem menos peso, abrem-se mais os horizontes, procuram-se outras coisas: a paisagem também muda oferecendo outras perspectivas. Efectivamente, é uma zona que tem tido uma certa dimensão laboratorial. Assim foi com o meu avô e com o meu pai. Parece ser uma região que puxa esse lado.


da Quinta da Costa de Baixo: ao fundo na outra margem do rio Douro, a foz e a Quinta do Têdo, mais ao fundo, a Quinta de Nápoles.  PtoPwine archive
    A vindima é algo de muito especial, mas financeiramente não é o melhor negócio, por isso me pergunto: porque é que fazemos vinho no Douro? Porque é que há tanta gente que continua a vir para o Douro? A investir no Douro, sabendo que são investimentos para gerações futuras? Uma terra tão dura climática e geograficamente - montanhas, vales... -, cujo solo é rocha, não é terra. Somos nós que temos de fabricar o nosso próprio solo partindo a pedra para ter terra, para plantar uma planta pequenina, para a fazer viver. Ou seja, há sítios muito mais fáceis, não há?

    Mas, além disso, para lá do chamamento telúrico que existe em todo o vale do Douro, há o vinho, que é algo muito especial. A vindima chama as pessoas, põe-nas em transe. Vindimar não é a mesma coisa que apanhar azeitona ou ceifar trigo, sei lá! É algo caótico, parece que os deuses báquicos da loucura entram nas pessoas, elas ficam completamente eufóricas. Num outro tipo de cultura isso não existe. A cultura do vinho provoca-nos sensações muito fortes, seja a apanhar a uva, seja a pisá-la. Bebe-se vinho e trabalha-se muito. É um non-stop de trabalho durante 2, 3, 4, 5 semanas, e a um dado momento as pessoas esquecem o mundo que há ao redor, tudo anda ali à volta numa espécie de torpor erótico. É o culminar do trabalho de um ano inteiro. Trabalho imenso que tem de ser executado naquele momento preciso, sob pena de ficar tudo estragado. Tudo perdido. É a altura em que fica em fermentação, em ebulição. De repente, os vinhos começam a bulir, são massas que só aparentemente estão mortas. Há o momento trágico do corte da uva: tirar a uva da mãe, pô-la no lagar, pisá-la e de repente explode um vulcão, é a fermentação. Todos aqueles vapores conduzem a um estado de embriaguez  e sensualidade. Lá está Baco! A que ninguém fica indiferente. Aqui, no Douro, existe um método de vinificação especial em lagar, uma espécie de bacia em pedra, para onde se deitam as uvas apanhadas durante o dia, e que são pisadas no fim da tarde e noite.

    Essa pisa das uvas é muito singular. A boa pisa de uva, a que permite fazer os vinhos do Porto, principalmente os grandes "Vintage", está mais enraízada nas zonas do Cima e Baixo Corgo, não tanto no Douro Superior. Para se fazer vinhos do Porto fortes, que aguentem muitos anos em garrafa, é preciso uma pisa forte, capaz de extraír todos os componentes da uva. No Douro, como a maturação é muito boa, é possível uma grande extracção.

    É uma extracção feita por homens, num movimento quase militar, homens em fila abraçados uns aos outros, que marcham em cima das uvas em total silêncio. Numa ponta, um único homem comanda o ritmo, com uns dizeres que às vezes parecem iniciáticos. Este é um dos grandes momentos da vindima: a pisa à noite quando as cigarras já se calaram, as mulheres deixaram de cantar, de falar e de rir, para aguentar a dureza do calor e do trabalho. É um momento único que trás outra aura à região.

    O vinho do Douro e o vinho do Porto são a mesma coisa, têm a mesma base, a mesma origem. O vinho do Porto começou por ser aquilo a que hoje chamamos vinho do Douro, que é um vinho seco mas com mais álcool do que os vinhos secos normais. Tinha à volta 15-16 graus, por isso conseguia aguentar esse álcool natural. Era assim o vinho dos monges cistercienses: branco, clarete ou palhete. Os vinhos só começaram a ser tintos no final do séc. XIX, tintos carregados. Antes desse período, não havia interesse pelo vinho muito escuro. Os mediterrânicos preferiam sempre vinhos mais claros ou mesmo brancos. Os vinhos muito carregados nunca foram do gosto deles, incluíndo os Romanos, gostavam de vinhos mais finos. Os vinhos carregados surgiram para responder ao gosto dos clientes do norte da Europa. Foi a partir de então que começamos a chamar tinto ao vinho, que antes era vermelho ou branco. Aliás, nas outras línguas continua a usar-se a palavra vermelho, rouge, red, rosso. Só em português e espanhol se usa tinto. O vinho do Porto era isso. E começou-se a chamar vinho do Porto porque era expedido da cidade do Porto. Os consumidores, ingleses sobretudo, queriam não só os vinhos mais carregados mas também com mais álcool. Quando se percebeu que certas vindimas, cujo vinho tinha muito açúcar natural que não desdobrava completamente, e que era muito apreciado por eles, começou-se a trabalhar nesse tipo de vinhos. Quer isto dizer que o vinho do Porto é efectivamente um vinho de vinho da região do Douro, no fundo são a mesma coisa, a mesma região. Se existisse dentro da denominação de origem "Douro".três denominações do tipo "Baixo Corgo", "Cima Corgo" e "Douro Superior", estava bem, porque refere a diferenças climáticas e de solo. Mas a diferença de vinhos é uma mera causalidade histórica. Eu de certo modo tenho pena que o vinho do Douro, que tem uma longa tradição, não possa usar o nome "Porto". A "marca Porto", que é muito forte a nível internacional, podia ser aproveitada pelo vinho do Douro. No fundo, são a mesma coisa, sendo que um é seco e outro não. Seco, quer dizer sem açúcar e sem adição de aguardente. Efectivamente, os vinhos secos continuaram a ser feitos, mas só que caíram em desuso nos últimos 200 anos. Só recentemente, já no final do séc. XX, é que voltaram a ser trabalhados e as pessoas a apreciarem-nos. Diga-se que um vinho seco é muito mais delicado, porque não está protegido pelo álcool. O álcool usa-se sobretudo como forma de protecção do vinho do Porto. Para poder seguir viagem, para embarcar, adicionava-se aguardente que o impedia de virar vinagre. Enquanto que os secos ficavam por cá, eram para nosso consumo, nunca eram expedidos. Daí que no Douro ainda se chame ao vinho seco "vinho de consumo". Nas outras regiões diz-se vinho tinto, mas nós chamamos-lhe vinho de consumo. Aliás, os vinhos secos tiveram uma outra denominação bastante engraçada, chamavam-se vinhos virgens ou puros, por não terem sido violados pela aguardente.

    Não sei o que vão dar as alterações climáticas.  A única coisa que tenho como certo, é que as estações do ano já foram mais certas. Ou seja, sabia-se que numa cera altura ia fazer calor, noutra haveria chuva. As estações tinham um ritmo. E hoje em dia esse ritmo perdeu-se. Pode haver invernos quentes e sem chuva, o verão às vezes é demasiado quente. Eu, que faço os meus vinhos há cerca de quinze anos, e portanto não tendo ainda um grande historial, posso dizer que os últimos 3 anos foram muito complicados. E, se uma pessoa não tem a certeza que vai chover, então começa a pensar nas adubações, na rega e nos trabalhos de solo de maneira diferente. Vive-se numa incerteza que por outro lado também é engraçado, pois obriga-nos a pensar como fazer as coisas e, no meu caso, pôs-me  a pensar na maneira biológica e biodinâmica de fazer a vinha e o vinho.

    A agricultura biodinâmica, que está muito desenvolvida na Europa, é ainda incipiente em Portugal. Apesar de uma pessoa quando olha para o Douro, parecer ser um território biodinâmico, porque o Douro tem ainda algo importante, que é a biodiversidade e a policultura. Penso que temos de ter atenção ao futuro, porque a monocultura da vinha está a avançar e isso é perigoso. As monoculturas são sempre perigosas. Estou a trabalhar cada vez mais em policulturas - a amêndoa, o figo, a oliveira e os zimbros que dão bagas para fazer aguardente.

    Tenho estado a desenvolver a agricultura biológica, vendo como se faz noutros lugares, noutros países, embora eu saiba que não há dois territórios iguais, e nem tudo o que é aplicado num sítio pode ser aplicado no outro. como se vê dentro do próprio Douro.

    Temos de abrir a cabeça, vêr o que há na nossa região, não copiar mas procurar dentro do terroir que temos as soluções, trabalhar o tratamento da vinha com macerações de plantas, pensar no entorno, na forma de plantar a vinha. Há uma série de coisas que se praticam na viticultura biodinâmica que exige uma reflexão uma compreensão do sítio. O mundo rápido não é propício a isso, a este tipo de viticultura. Mas o caminho é esse, é inelutável, diria obrigatório. As pessoas já começam a perceber que os insecticidas e herbicidas que pomos na terra são veneno. Por exemplo, uma vinha que esteja em biológico, na adega não precisa que se faça nada, enquanto que uma vinha que tenha tratamentos tem um processo caótico de fermentação que não é linear nem nada fácil.

    É importante que esta região evolua nesse sentido, o sentido mais óbvio diante de nós.". 

Foz Côa, 8 de Agosto de 2018.


também pode interessar: 



terça-feira, 28 de abril de 2020

The 2017 classic Vintage Port

The 2017 Vintage Port comprehensive list, the brands, producer's and their notes 

EN/PT
PtoPwine archive

2017, "an absolutely mandatory Vintage Port declaration"

    The year "that could not fail to be declared as classic Vintage"Always an exciting event, a classic Vintage Port wine declaration and also a "back-to-back" declaration, i.e., two consecutive Vintage Port classic declarations considering the previous 2016 vintage.
    A brief introduction, before the complete Vintage Port wine list below, to record some fundamental notes that define the 2017 classic Vintage declaration... of what has been said and written, the facts and figures:
  • Yes, the 5th classic declaration of the XXI century was the widest ever, the numbers are; 102 Vintage Port wines declared and presented by 65 producers. However, in detail, one of the major groups in the sector, Sogrape (which represents the Port wine brands, Ferreira, Offley and Sandeman) did not accompanied the classic declaration with its main Vintage Port brands, but (very successfully) presented their Single Quinta Vintage Port wines with a special highlight for the "Sandeman Quinta do Seixo Vintage Port 2017", which was awarded the maximum score, 100pts,  by the influential american magazine "Wine Enthusiast".
  • Considering the previous 2016 classic declaration, we have two consecutive classic declarations or the so-called "back-to-back" declaration, an uncommon event in the long classic Vintage Port wine history, throughout the historical records, since 1756 we counted 13 "back-to-back" or consecutive general declarations and 4 records of 3 consecutive declarations (more information: the classic vintage port wine chart) and as a curiosity, the Symington Family Estates group declared two consecutive classic vintages for the first time in the particular Vintage Port records of this important house.
  • It was a year with unsual climatic characteristics, extremely hot and dry, there was a generalized drought situation, and the harvest was very antecipated to dates of which there is no memory in the Douro wine region (see the: Douro, the 2017 harvest report
  • Yields and production were very low, generally 30% less than average.
  • "Is tradition no longer what it was?" considering the set of the 2015, 2016 2017 Vintage declarations, we have 3 years with their own specific characteristics but with wines of extraordinary quality. 2015 had all the characteristics to be declared a classic vintage year but turned out not to be, it was a year similar in many ways to 2017 and that originated great Vintages (a year to consider for good purchases), and then 2016, a very demanding and difficult year for producers and the less obvious year to be declared and that turned out to be a classic vintage. In short 3 years that gave rise to Vintage Ports of exceptional quality.        It was suggested that, as a result of the current viticultural and oenological developments and refined techniques and the great improvement of the grape spirit used in the Port wine fortification process, the tradition of declaring 3 to 4 classic Vintage Ports per decade would be an outdated concept. However, this  opinion overlooks the commercial advantages of maintaining an image of classic Vintage Port as a unique, distinct and rare product, which would be called into question with a regular almost predicatble annual production, just as, in pratice this is ensured by the producer's second Vintage Port brands or Single Quinta Vintage Ports.
  • A new or modern Vintage Port wine profile, a trend that started to emerge with the 2011 Vintage declaration and that is increasingly evident, along with the traditional style Vintages, concentrated, extracted and closed wines, the progressive emergence of a new and "modern" Vintage Port profile, elegant, with a better balance between maturation and acidity and approachable when young, without however compromising its ageing capacity.
  • What's new?, we registered four new editions, the "Croft Quinta da Roêda Sérikos Vintage Port", from the old vineyards of this historic Douro quinta, the "Quinta dos Avidagos Vintage", the "Sequeira Vintage" and the "Soares Duarte Vintage". A note concerning the Quinta do Passadouro, that after its acquisition by Quinta do Noval last August 2019, and until the present publication had not presented a Quinta do Passadouro 2017 Vintage, so it was not included in the list below.
  • The main general characteristics that define the 2017 Vintage Ports: concentration, structure, density and, against all expectations, a very good balance.
    We are not far from reality if we say that we are currently witnessing the best Vintage Port in the long history of this extraordinary wine.

    Alphabetically, the 2017 classic Vintage Port list, the producer's and their notes:


Our thanks to all producer's who collaborated to the present publication.

A lista completa dos Porto Vintage 2017, os produtores e as suas notas  


Vintage Port tastings on hot summer days implies practical measures to maintain civilized temperatures, 16º to 18ºC / as provas nos dias mais quentes de verão implicam medidas práticas para manter os vinhos a temperaturas civilizadas, 16º a 18ºC. (PtoPwine archive).

2017, "uma declaração absolutamente obrigatória"
    O ano "que não podia deixar de ser declarado como Vintage clássico". Uma declaração clássica de Porto Vintage é sempre um acontecimento entusiasmante e também dois anos Vintage clássico consecutivos ou "back-to-back".
    Uma breve introdução, antes da lista dos Vintages declarados, para fixar algumas notas fundamentais que definem esta declaração clássica...o que se disse e escreveu, os factos e os números:
  • Sim, a 5.ª declaração declaração clássica de Porto Vintage do século XXI foi a mais alargada de sempre, os números são 101 Vintages declarados e apresentados por 65 produtores. No entanto, em detalhe, um dos grandes grupos do sector, a Sogrape (que representa as marcas de vinho do Porto, Ferreira, Offley e Sandeman), não declarou Vintage clássico com as suas marcas principais, mas apresentou os seus Single Quinta Vintage Port com sucesso e especial destaque para o "Sandeman Quinta do Seixo Vintage" ao qual a influente revista norte americana "Wine Enthusiast" atribuiu a pontuação máxima, 100pts.
  • Com esta declaração e com a declaração de 2016, temos duas declarações clássicas consecutivas ou declaração "back-to-back", um acontecimento pouco comum na longa história dos vinhos do Porto Vintage clássicos. Ao longo dos registos históricos desde 1756, contamos 13 declarações clássicas consecutivas ou "back-to-back" e 4 registos de 3 declarações consecutivas (mais informação: tabela actualizada dos vintages clássicos) e como curiosidade, um dos grandes grupos do sector, a Symington Family Estates declarou dois Vintage clássicos consecutivos pela primeira vez na longa história particular desta casa.
  • Um ano com características climatéricas particulares e excepcionais, extremamente quente e seco, em que ocorreu uma situação de seca generalizada e em que a vindima foi muito antecipada, para datas em que não há memória na região do Douro (vêr o: Douro, o relatório da vindima 2017).
  • O rendimento e a produção foram muito baixos, em geral uma redução de 30% em relação à média.
  • "A tradição já não é o que era?", considerando o conjunto dos vintages dos anos 2015, 2016 e 2017, temos 3 anos consecutivos com características próprias e vinhos de uma qualidade extraordinária. 2015, que tinha todas as condições para ser declarado como ano clássico, acabou por não ser, num ano parecido em muitos aspectos com 2017 e que originou grandes Vintages (um ano a considerar para boas compras). Depois 2016, um ano cheio de dificuldades e muito exigente para os produtores e o ano menos óbvio para ser declarado e que acabou por ser um ano clássico. Em suma, 3 anos de Vintages de qualidade excepcional.  Foi sugerido que, com as actuais condições de viticultura e enologia, o refinamento de técnicas, e com a grande melhoria da aguardente viníca utilizada na fortificação dos vinhos do Porto, seria possível produzir vinhos com qualidade para Vintage clássico praticamente todos os anos, assim a tradição de declarar 3 a 4 vintages clássicos por década seria um conceito ultrapassado. No entanto, esta opinião esquece a enorme vantagem comercial em manter a imagem e valorização do Porto Vintage clássico como um produto raro e único, um conceito que seria posto em causa com uma produção anual regular quase previsível, assim como, na prática, a produção mais regular é sempre assegurada com o lançamento de Porto Vintage com as segundas marcas dos produtores ou os Single Quinta Vintage Ports.
  • Um novo perfil "moderno" de alguns Porto Vintages: uma tendência que começou a surgir com a declaração clássica de 2011 e que é cada vez mais evidente a par do Vintages de estilo tradicional, mais extraídos e concentrados, mais fechados, o surgimento progressivo de Vintages com um perfil mais "moderno", mais elegantes e com maior equilíbrio entre maturação e acidez, mais abordáveis quando novos, sem contudo comprometer a capacidade de envelhecimento. 
  • Algumas novidades: quatro primeiras edições a registar, desde logo o especial "Croft Quinta da Roêda Sérikos Vintage" com origem nas vinhas velhas desta quinta histórica do Douro, o "Quinta dos Avidagos Vintage", o "Sequeira Vintage" e o "Soares Duarte Vintage". Uma nota acerca da Quinta do Passadouro, que depois da sua aquisição pela Quinta do Noval em Agosto de 2019, até à presente publicação não tinha apresentado o seu Vintage 2017, pelo que não está incluído na lista que é apresentada.
  • As principais características gerais dos Vintages de 2017: concentração, estrutura, densidade e, conta todas as expectativas, bastante equilibrados.
    Não estamos muito longe da realidade se dissermos que, actualmente assistimos aos melhores Porto Vintage da longa história deste extraordinário vinho.

PtoPwine archive
PtoPwine archive

Os nossos agradecimentos a todos os produtores que colaboraram na presente publicação.

©Hugo Sousa Machado

more information on previous Vintage Port declarations (links below):
mais informações sobre declarações anteriores Porto Vintage (nos links):