sábado, 30 de novembro de 2019

Douro, the 2019 harvest report

PtoPwine archive
River Tedo valley, Cima Corgo Douro sub-region

A regular year, favorable to the vine cycle...

    Good wine is never or rarely the same every year, because the wine years are always different and the wine must be the result and an expression of the characteristics of the wine year, and also of the specifics of the place where it is born and of man who produces it. To understand and better appreciate it, we should keep in mind and consider all these aspects as much as possible. In the present text we are dedicated to the 2019 wine year following the notes registered throughout the year.

    The previous 2018 harvest ended in mid-October (somewhere between the 2nd and the 3rd week), with the arrival of the first autumn rains. A rainy November followed, and in general an equally rainy autumn, very important to restore the soil water supplies. December also began with some precipitation.

Winter
    Late autumn and early winter presented mild temperatures for the season. Late December and early January with dry, cold and frosty weather. 
    February continued with dry weather without or almost no rain, it was a hot month with high temperatures for this time of year, with very little rain and already a drought situation.

    Winter and spring were dry and with mild temperatures - May turned out to be a warm month and the exception to the rule - however, the climatic conditions were good for the vineyard maturation progress.

    Even before the beginning of spring, news of early buds in the vines start to appear in some parts of the Douro, the moment that marks the beginning of the vine's vegetative cycle, a consequence of mild temperatures and a mild winter, with temperatures higher than usual which anticipated and accelerated the start of the vine cycle.

    At the beginning of March the drought situation and little rain continued.

Spring
    At the end of March, early spring is marked by temperatures well above average recorded in all Douro sub-regions.

    There is new life on the vineyards with the bursting of the first vine leaves.

    At the beginning of April, in the middle of spring, suddenly there was a moment when the weather situation reversed and the temperatures dropped below average and there was finally some but insufficient rainfall all over the Douro region.
    Also in April, the "Prodouro" (Professional Wine Growers Association) and IVDP (Douro and Port Wine Institute) advised and announced anti-mildew prevention and treatment measures.

    Then followed May, in warm weather within average temperature values. Maximum temperatures of 30ºC where recorded throughout the Douro.

    In general, hitherto dry weather and mild temperatures with little or no rainfall, low humidity levels, and unlike previous years there was no unexpected irregular or extreme weather phenomena affecting production (such as heavy and sudden rainfall and hailstorms, extreme heat, scalding and vine dehydration) especially in the grape flowering phase, which this year occured in good weather condtions.

    During the month of May, with high temperatures and low rainfall, the pressure of the vine diseases was very low, there were no notable mildew attacks, which in turn led to less intervention in the vineyard and the advantage of reducing the required vine treatments.


"Good conditions for flowering, thus bringing a very interesting productive potential". (Fancisco Olazabal, Quinta do Vale Meão winemaker)

PtoPwine archive
River Tedo valley, Cima Corgo Douro sub-region (2)

Summer

    In early summer the weather remained dry with temperatures within average. Later in June, with high and above average maximum temperatures (37,2ºC recorded in Vilariça, in Douro Superior sub-region) and also a high temperature range.

    The "veraison" phase took place in mid-July with lush vineyards with a notorious vitality, a sign and prognostic of increased productivity.

    In midsummer in a widespread drought situation, there was rain in late August (there was an "orange warning" in the Vila Real district with heavy rain and thunderstorm forecast, in general without any noteworthy consequences in the vineyards) with some intensity in some areas of the Douro, such as Pinhão and S. João da Pesqueira, that turned out to be beneficial to the vineyards and this along with mild summer temperatures contributed to the grape and wine quality, with a regular, slow and smooth ripening, balanced musts and controlled alcohol levels. There was no extreme heat phenomena and generally these weather conditions were beneficial and persisted until the beginning of the harvest.

    The harvest began in late August and erly September, with high temperatures and with continued widespread drought, hot weather during the day and cooler nights. The red grapes began to be harvested in the second week of September.

    The news of the harvest beginning even refered to an increase of production of around 30% considering the very low yields of the previous 2017 and 2018 harvests, thus not only returning to average production values but surpassing it. 
    In harvest time the recurring pressure of labour shortages and the difficulty of hiring workers to work in the vineyards is felt (not only during harvest but  throughout the whole wine year), a chronic problem and one of the principal present and future Douro region issues.

    During harvest, temperatures were moderate, warm weather during the day and cooler nights allowed uniform maturation and generally providing good acidity. There were no climatic unforeseen events which allowed to follow harvest according to planed without any changes or weather surprises.

    In the middle of the harvest, on 21 and 22 September, there was little rain throughout the Douro, but without consequences in the quality of the grapes, returning then the hot and dry weather.

    The harvest ended by mid-October in the vast majority of cases coinciding with the first autumn rains. And so the work in the cellars and in the tasting rooms began.


PtoPwine archive
Quinta de la Rosa, Cima Corgo Douro sub-region, arrival of the first red grapes.

    Concluding, it was a year without major climatic extremes, conditions that favored the vine cycle and grape maturation. The vintage report published by the Symington Family Estates refers the good quality of the wines produced, "impressive" in the word used.
    The main characteristcs of this year's wines are balance, freshness and good acidity, but to the detriment of body and structure. There was also an increase in the volumes produced as already mentioned. Dispite the comments of a "superior year" and a "very good quality", we have also heard that vineyards with a lot of vitality and very productive are rarely synonymous with Vintage Port quality and 2019 does not seem to be an exceptional year in the particular case of Vintage Port wines.

©Hugo Sousa Machado


Previous reports:




Douro, relatório da vindima 2019

PtoPwine archive
Vale do rio Tedo, sub-região do Cima Corgo.


























       Um ano sem sobressaltos, favorável ao ciclo da vinha...      
   O bom vinho nunca é igual todos os anos, precisamente porque os anos raramente são iguais e o vinho deve ser também o resultado e a expressão das características do ano vitícola, assim como do lugar onde nasce e do homem que o produz. Para melhor o compreender e apreciar, devemos ter presente e perceber tanto quanto possível todos estes diferentes aspectos. Neste texto consideramos o ano vitícola 2019 seguindo os apontamentos registados ao longo do ano.

    A vindima de 2018 terminou em meados de Outubro, entre a 2.ª e 3.ª semana do mês, coincidindo com as primeiras chuvas de Outono, a que se seguiu um mês de Novembro chuvoso e, em geral, um Outono igualmente chuvoso, que foi muito importante para repôr as reservas de água nos solos. Dezembro começou também com alguma precipitação.

Inverno
    Fim do Outono e início do Inverno com temperaturas amenas para esta época do ano, depois um final de Dezembro e início de Janeiro 2019 com tempo seco, frio e geada.
    Fevereiro continuou sem ou quase sem chuva e com as temperaturas acima da média, foi um mês de Fevereiro quente, com pouca chuva e já numa situação de seca.

    O Inverno e a Primavera foram secos e com temperaturas amenas - Maio acabou por ser um mês mais quente e a excepção a esta regra - contudo, as condições foram favoráveis ao progresso do ciclo vegetativo da vinha.
    Ainda antes da chegada da Primavera, surgem notícias de abrolhamento precoce em alguns pontos do Douro, o momento que marca o início do ciclo vegetativo da videira, consequência de um Inverno com temperaturas amenas, superiores ao habitual, que antecipou e acelerou o início do ciclo na vinha.

    No início de Março, manteve-se a situação generalizada de seca e muito baixa precipitação.

Primavera
    No final do mês de Março, o começo da Primavera é marcado por temperaturas acima da média registadas em todas as sub-regiões da região demarcada do Douro.

    Vida nova na vinha com o rebentamento das primeiras folhas.

    Em plena Primavera, no início de Abril, subitamente, houve um momento em que a situação climatérica se inverteu, a temperatura baixou para valores inferiores à média e a chuva apareceu em toda a região, embora tenha sido insuficiente.
    Ainda em Abril, a Prodouro (Associação de Viticultores Profissionais) e o IVDP (Instituto dos Vinhos do Douro e Porto), anunciam e aconselham medidas de tratamento anti-míldio.

    Depois, em Maio, tempo quente e temperatura de acordo com os valores médios para esta época do ano. Registaram-se temperaturas máximas de 30º C por toda a região do Douro.

    Em geral, até aqui tempo seco e temperaturas amenas, nenhuma ou precipitação insuficiente, pouca humidade e, ao contrário do que sucedeu em anos anteriores, não ocorreram fenómenos climatéricos inesperados, irregulares ou extremos que prejudicassem a produção (como as chuvas intensas e repentinas, as tempestades de granizo, o calor extremo com os fenómenos de escaldão das uvas ou a desidratação das videiras), sobretudo na fase crítica da floração das uvas, que ocorreu este ano em condições climatéricas muito favoráveis.

    Durante o mês de Maio, com temperaturas altas, baixa precipitação e pouca humidade, a pressão das doenças da vinha foi muito baixa, não houve ataques de míldio ou oídio dignos de nota, o que por sua vez levou a uma menor intervenção na vinha com a redução dos tratamento habituais necessários.


"boas condições para a floração, trazendo assim um potencial produtivo bastante interessante.". (Francisco Olazabal, Enólogo responsável da Quinta do Vale Meão)

PtoPwine archive
Vale do rio Tedo, sub-região do Cima Corgo (2).

Verão
    O tempo seco manteve-se no começo do Verão, com as temperaturas a acompanhar os valores médios para a época. Mais no final de Junho, com o tempo seco e temperaturas máximas altas e superiores à média (registou-se 37,2ºC na Vilariça no Douro Superior) e com uma elevada amplitude térmica.

   A fase do "pintor" aconteceu a partir de meados de Julho nas vinhas exuberantes e com uma notória vitalidade, um prenuncio do aumento da produtividade.

    Em pleno Verão e numa situação de seca generalizada, houve chuva no final de Agosto (foi decretado "alerta laranja" para o distrito de Vila Real com previsão de chuva e trovoada, contudo, sem consequências dignas de registo nas vinhas) com intensidade em algumas zonas do Douro (Pinhão e São João da Pesqueira), que acabou por ser benéfica para as videiras e que, com um Verão de temperaturas amenas contribuiu para a qualidade das uvas e do vinho, com maturações regulares, lentas e suaves, mostos equilibrados e teores alcoólicos controlados. Não houve ocorrências de calor extremo e prolongado nas vinhas e em geral as condições climatéricas foram benéficas e assim se mantiveram até ao início das vindimas.

    A vindima teve início em final de Agosto e começo de Setembro, com as temperaturas altas e uma situação meteorológica de seca que se manteve, com tempo quente mas com noites mais frescas. As uvas tintas começaram a ser vindimadas na segunda semana de Setembro.

    As notícias do começo das vindimas no Douro chegaram a fazer referência a um aumento da produção que podia atingir 30%, considerando as produções muito baixas das últimas vindimas de 2017 e 2018, superando agora os valores médios de produção.
    Em época de vindimas volta a recorrente pressão da falta de mão-de-obra e a dificuldade em contratar trabalhadores para a vindima (não só durante o período de vindima mas também para os restantes trabalhos na vinha ao longo do ano), um problema crónico e um dos assuntos mais sérios na actualidade e futuro da região do Douro.

    Durante a vindima as temperaturas foram moderadas, com tempo quente durante o dia e as noites com temperaturas mais frescas, o que permitiu em geral maturações uniformes e uma boa acidez. Não ocorreram imprevistos climatéricos, o que permitiu seguir os planos de vindima sem alterações nem sobressaltos.

    Registe-se ainda que, a meio da vindima, nos dias 21 e 22 de Setembro, houve alguma chuva por todo o Douro, sem consequências na qualidade das uvas, voltando depois o tempo quente e seco.

    A vindima terminou na maioria dos casos, em meados de Outubro, com a chegada das primeiras chuvas de Outono. E assim se iniciaram também os trabalhos nas adegas e nas salas de prova.

PtoP archive
Quinta de la Rosa, sub-região do Cima Corgo, chegada das primeiras uvas tintas.

    Em resumo, foi um ano vitícola sem grandes extremos nem fenómenod climatéricos imprevistos, o que favoreceu o ciclo da vinha e as maturações. O relatório de vindima publicado pela Symington Family Estates refere a boa qualidade dos vinhos produzidos, "impressionante" é o termo utilizado.

    As principais características dos vinhos deste ano são equilíbrio, frescura e boa acidez, mas em prejuízo do corpo e da estrutura. Houve também um aumento dos volumes produzidos como já notamos. Apesar dos comentários que referem "um ano superior" e de "muito boa qualidade", também ouvimos comentar entre os produtores que vinhas com excesso de vitalidade e grandes produções raramente são sinónimo de qualidade para vinhos do Porto Vintage. Neste caso particular do vinho do Porto Vintage, não parece tratar-se de uma ano excepcional.

©Hugo Sousa Machado

Relatório anteriores:





quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Noble & Murat revisited, the 2017 Vintage Port, 2014 LBV and the Reserve Port

EN/PT
PtoPwine archive


    The challenge was to get to know the N&M portfolio news...
    Back at the Noble & Murat center of activity at Quinta do Bragão in the Pinhão river valley, on its right bank, in Celeirós do Douro, Cima Corgo Douro sub-region. A traditional wine cellar and a producer commited to viticulture and winemaking traditional methods, where we had the opportunity to get to know and taste the house exclusive recent Port wines.

    Vineyard winemakers
   The vineyards above all, the vineyards are always the most important element and are always first. In the words of António Borges Taveira (Noble & Murat manager along with Alexandre Antas Botelho) "grapes are the basis of everything, if they are not good, nothing can be extracted from them.". This is the main principle and the great concern of this producer, i.e., the respect for the vineyard and to explore the potentialities of particular terroirs, with specific characteristics and their own identity, which allows each year and each harvest to select the best vineyard expression and the best every vineyard or plot of vineyard has to offer.

    A discreet producer, confident of an accumulated experience and methods practised, with a commitment to high quality special category Port wine and the growing consistency with each new wine accompanying the successive enlargement of the house portfolio.

    Here, viticulture and winemaking are thought from the top, from the Vintage Port wine category, from top to bottom, in other words, grape selection and winemaking processes are thought of as if production was always for a Vintage Port. The low yelding old vineyards, the grape selection and the traditional winemaking processes are identical for all the Port wines produce here. The whole process of producing and vinifying Vintage and LBV Ports is precisely the same. Later, overtime and following, monitoring and assessing the wine evolution, there will be a decisive moment when the decision will be taken as to which Port wine category the wine is intended for.


                                                               PtoPwine archive
Old vineyards at Quinta do Bragão

    In the vineyard as in the cellar, the work is traditional, handcrafted

    Each vineyard is individually harvested and vinified in very small quantities. The winemaking methods are intirely traditional, the wine is fermented 100% with the grape bunch stems, that will give the final wine the so-called "green tannins", allows temperature control absorbing the heat of the must during fermentation and gives the fundamental acidity and structure to the final wine. Only natural yeasts are used ("wild fermentation"), without compromise and according to Alexandre Antas Botelho, allows to reach the terroir and the wine year dimension and the consequent authenticity and the pronouced wine character.

    The grapes are exclusively foot trodden in small granite (and schist) "lagares" (traditinal stone treading tanks) with extended teams of about 24 men which, considering the smal size of the "lagares", has a decisive influence on the final wine quality, maximizes extractions, to a fair extent and without exaggeration, contributing to the necessary wine complexity and structure. The size of the "lagares" versus the number of men is very important to the final result. After the harvest, 5 to 6 vinifications are made in these "lagares" with variable capacities, from 4.500 to 5.500 liters the largest and 2.500 to 4.000 liters the smallest, that purposely never reach its full capacity, they are filled up 50% to 60% of its total capacity.

    Fermentations are longer, to get more extraction and also for the purpose of imparting more natural alcohol to the wine and the need to add less wine brandy during fortification, and give the drier style characteristic of Noble & Murat Port wines.
    Still concerning the Port wine vinification, the must (the solid matter remaining after the "lagar" is emptied) is pressed and the resulting press wine is added to the wine that came out of the "lagar", before the fortification process with wine brandy. This press wine is another important element for the final color and structure of the wine produced, since part of the tannins and all aromas originate from the grape skins.
    This is followed by a two year period in large portuguese cheestnut wood vats ("tonéis"), the Port wine ageing wod par excellence.


PtoPwine archive
The large wood vats ("tonéis") at Quinta do Bragão and Noble & Murat winery

    The origin of the 2017 Vintage Port

    The Vineyards
    The latest Noble & Murat 2017 Vintage Port has its origin in a final blend of wines from a selection of grapes from three different old vineyards:

    1. An old vineyard from the Tedo river valley, located on Quinta de Castelo Borges (neighbouring upstream Quinta de Nápoles), with several indigenous mixed grape varieties, with no predominant variety (a field-blend);

    2. Another old vineyard from the Tedo river valley, on its right bank, located at 140 meters altitude, a vineyard exclusively from Touriga Nacional grape variety, originated from its own clone that gives it its unique characteristics;

    3. An old vineyard from Quinta do Bragão, located in the Pinhão river valley, with several mixed grape varieties with no predominant grape variety.
    (as a curiosity, "the Sandeman 1931 Vintage Bragão", was made with grapes from the current old vineyard next to the quinta main house, which is nowadays also one of Noble & Murat Port wine components).

    An important note, in 2017 the vineyard yields were far below than usual.

    Noble & Murat 2017 Vintage Port
   According to António Borges Taveira and Alexandre Antas Botelho, of the monitoring the wine evolution, the decision on a vintage year only became absolutely clear and unambiguous in early 2019.
    Tasted in cask sample, and meanwhile already bottled. It has a deep dark color, an exuberant aroma but with a good balance, many evident black fruit and also vegetable notes, full, concentrated and creamy, with good tannins, fresh and with a good natual acidity, and the dry style that is the producer's hallmark, especially in the aftertaste. Persistent. It will naturaly evolve over many years and it will became more complex with time in bottle.

    One more note about the dry style of these wines, and the producer's opinion that excess Port wine sweetness can hide less serious vintages, since such excess can at first give a false sense of structure. In a drier style Port wine, when the structure exists, its obvious, we can feel it, it is there.

    The Vintage Port production, especially a year with the characteristics of 2017 (see: Douro, the 2017 harvest report ), is always of very small quantities (2.500 bottles "en primeur").


PtoPwine archive

    More Noble & Murat portfolio news

    Noble & Murat 2014 Late Bottled Vintage Port 
    Tasted a cask sample and meanwhile already bottled. Was commented that 2014 was a better year than the previous 2013 (2012 was the last LBV Port produced by Noble & Murat), at some point there was the need to decide on the release of an LBV or a Vintage Port, and the decision was LBV that, however, has a Vintage Port structure, if not for the bottle label designation. As was clear during the 2014 LBV tasting, it would not be displaced the designation "Vintage", quite the opposite.
    It is a traditional style LBV, unfiltered, with a very dark color, black fruit aromas and peppery, with a very good aromatic persistence characteristic of a Vintage Port, it has a good structure and body and good acidity and a drier style, with a sweetness level below usual, good tannin persistence, a very  well made elegant LBV Port.

    Noble & Murat Reserve Port
    Bottled unfiltered, maintaining the traditional style. A Reserve Port that was made from a basis of the best 2012 LBV Port that wasn't bottled as LBV and to which other components were added to obtain the final blend. Aged about 8 years in large wood vats. It is an excellent Reserve Port and a good introduction to the house portfolio Port wine range. It was thought of as a more immediate ready to drink and versatile Port. From this point, its natural evolution in wood casks would be to a "Colheita" Tawny Port (or Single Harvest Tawny Port).
    It has a very dark red color, naturally a more open color when compared to the previous LBV and Vintage Port tasted. It was commented by António Borges Taveira that by the evolution it presents "it is a wine that is not a Tawny, but it is no longer a ruby Port". With intense fruit and floral aromatic notes, fine and fresh, with soft tannins and a drier style (medium-dry according to the IVDP report that aproved the wine) and a good persistence. Undoubtedly, serious and well designed premium Reserve Port, proving that this Port wine special category generally comprises wines with very different quality levels. 
    As written above, it was bottled unfiltered and will surely evolve in bottle for a few more years. 

    The bottle label indicates "Lot no. II/XII", as a reference to the wine year blend that originated it.


                                                 PtoPwine archive

At the 2017 Vintage Port tasting. On a hot summer afternoon it takes a frapé to keep Vintage Port at a correct temperature, between 16º to 18ºC. 

The current Noble & Murat Port wine portfolio:

Noble & Murat Reserve Port
Noble & Murat LBV Port 2012 and 2014
Noble & Murat Vintage Port:
2015 (6.600 bottles),  2016 (3.300 bottles) and 2017 (2.500 bottles "en primeur")
Noble & Murat 20 Year Tawny Port

    The main Nobel & Murat markets
   Dispite its recent history, production is currently mainly destined for export, around 60% of total production, and the main markets are the U.S. and Denmark. The remaining 40% is destined to the national portuguese market.
    The next big objective is to reach the british market.


Noble & Murat
(António Borges Taveira and Alexandre Antas Botelho)
+351 96 327 42 50
noble.murat@gmail.com


©Hugo Sousa Machado

May also interest:

Noble & Murat revisitada, o Porto Vintage 2017, o LBV 2014 e o Porto Reserva

    O desafio era conhecer as novidades do portfolio da Noble & Murat...
    De volta à Noble & Murat e ao seu centro de actividade na Quinta do Bragão, no vale do rio Pinhão, na margem direita do rio, em Celeirós do Douro, na sub-região do Cima-Corgo. Uma adega tradicional e um produtor com um compromisso assumido com métodos tradicionais de viticultura e vinificação, onde tivemos a oportunidade de ficar a conhecer as novidades do portfolio exclusivo de vinhos do Porto desta cada.

    Vinificadores de vinhas
    Antes de tudo, as vinhas. As vinhas estão sempre em primeiro lugar e são o mais importante. Nas palavras de António Borges Taveira (responsável da Noble & Murat juntamente com Alexandre Antas Botelho), "as uvas são a base de tudo, se não forem boas, não se extrai nada delas.". Este é o grande princípio deste produtor, o respeito pela vinha e a exploração das potencialidades de terroirs particulares, com características específicas e identidade própria, o que permite em cada ano e em cada colheita seleccionar a melhor expressão das vinhas e o que de melhor cada vinha ou parcela de vinha tem para oferecer. 

    Um produtor discreto, confiante na grande experiência acumulada e nos métodos praticados, com um compromisso com vinhos do Porto de qualidade e a construção crescente de uma consistência que acompanha o sucessivo alargamento das propostas do portfolio de vinhos do Porto apenas de categorias especiais.

    A produção de vinhos é pensada a partir do topo, a partir da categoria dos vinhos do Porto Vintage, de cima para baixo, isto é, vinhas, uvas, processos de vinificação e vinhos são pensados como se o vinho a produzir fosse sempre um Porto Vintage, as vinhas velhas de produções baixas, a selecção das uvas e os processos de vinificação são idênticos para todas as categorias de vinhos do Porto da casa. Todo o processo de produção dos Vintages e LBV's é exactamente igual. Depois, mais tarde, do acompanhamento e da avaliação da evolução dos vinhos ao longo do tempo, haverá um momento em que será tomada a decisão do tipo de vinho a produzir.

    Na vinha e na adega, o trabalho é tradicional, artesanal
    Cada vinha é vindimada e vinificada individualmente, em quantidades muito pequenas. Os métodos de vinificação são inteiramente tradicionais, o vinho é fermentado 100% com engaço, que confere o chamado "tanino verde", permite o controlo da temperatura, absorvendo o calor do mosto durante a fermentação e confere a fundamental acidez e estrutura. São utilizadas exclusivamente leveduras naturais ("wild-fermentation"), sem cedências, o que de acordo com Alexandre Antas Botelho, permitirá traduzir a dimensão do terroir e do ano vitícola e a consequente autenticidade e caractér do vinho.

    As uvas são exclusivamente pisadas a pé em pequenos lagares de granito (e xisto), com equipas de cerca de 24 pisadores que, considerando a pequena dimensão dos lagares, constituí uma influência decisiva na qualidade final dos vinhos, maximizando as extracções na justa medida e sem exageros, conseguindo a necessária complexidade e estrutura nos vinhos.  A dimensão dos lagares versus quantidade de pisadores é muito importante no resultado final: após a vindima são realizadas 5 a 6 vinificações nos lagares, com capacidades variáveis, 4.500 a 5.500 litros os maiores e, 2.500 a 4.000 litros os mais pequenos, sem nunca se encherem completamente, apenas até 50 a 60% da sua capacidade total.

   As fermentações são mais prolongadas, para maior extracção e com a finalidade de conferir mais álcool natural e a consequente necessidade de acrescentar menos aguardente viníca durante o processo de fortificação do vinho, e que conferem o estilo mais seco característico dos vinhos do Porto da Noble & Murat.
    Ainda na vinificação do vinho do Porto, outro factor importante é o resultado da prensagem do mosto, que é adicionado ao lote antes da fortificação com aguardente viníca. Este vinho de prensa é decisivo para a côr e para a estrutura final dos vinhos, uma vez que parte dos taninos e todos os aromas têm origem na película das uvas.
    Segue-se a fase de estágio de dois anos, em velhos tonéis de madeira de castanho português, a madeira por excelência do envelhecimento do vinho do Porto.

    A origem do Porto Vintage 2017
    As vinhas

    O mais recente  Noble & Murat Vintage Port 2017 tem origem num lote final de vinhos provenientes de uma selecção de uvas de 3 vinhas velhas diferentes:

    1. Vinha velha do vale do rio Tedo, localizada na Quinta de Castelo Borges (vizinha da Quinta de Nápoles), com várias castas de variedades autóctones misturadas ("field-blend"), sem variedade prodominante;

    2. Vinha velha do vale do rio Tedo, na margem direita do rio, localizada a uma altitude de 140 metros, uma vinha exclusivamente de Touriga Nacional, com origem num clone próprio que confere a esta vinha características especifícas;

    3. Vinha velha da Quinta do Bragão, no vale do rio Pinhão, com várias castas autóctones misturadas e sem variedade predominante. 
    (como curiosidade, o Sandeman Vintage Bragão 1931, teve origem nas uvas da actual vinha velha junto à casa da quinta, e que hoje é também um dos componentes dos vinhos do Porto da Noble & Murat).

    Noble & Murat Vintage Port 2017
   De acordo com António Borges Taveira e Alexandre Antas Botelho, do acompanhamento da evolução dos vinhos, o raciocínio sobre o ano vintage apenas se tornou absolutamente inequívoco no início de 2019.

    Provado em amostra de casco, entretanto já engarrafado. Com uma côr muito carregada, escuro. De aroma exuberante mas com bom equilíbrio, muitos frutos negros e notas vegetais. É concentrado, cheio, cremoso, com bons taninos, com boa frescura e acidez natural, e o estilo seco que é a marca do produtor, sobretudo no final de boca. É persistente. Naturalmente vai evoluír durante muitos anos e tornar-se mais complexo com o tempo de envelhecimento em garrafa.

     Um nota ainda sobre o estilo seco destes vinhos, uma vez que o produtor defende que os excessos de doçura podem esconder vintages menos sérios, dado que este excesso pode, num primeiro momento dar uma falsa sensação de estrutura. Num vinho do Porto mais seco, a estrutura quando existe, sente-se, está lá.

    A produção, especialmente de um ano com as características de 2017 (vêr: douro, o relatorio da vindima 2017  ), é sempre de quantidades muito pequenas (2.500 garrafas "en primeur").

    As outras novidades do portfolio

    Noble & Murat Late Bottled Vintage Port 2014
    Provado em amostra de casco, entretanto já engarrafado. Foi comentado que 2014 foi um ano com uma qualidade superior a 2013 (o último LBV produzido pela casa tinha sido da colheita de 2012), a determinado momento houve a necessidade de decidir o destino final do vinho, o lançamento de um Porto Vintage ou LBV. Acabou por ser um LBV que, contudo, tem o perfil e a estrutura de um Vintage, não fosse a designação do rótulo. Como foi óbvio na prova, não desmerece, muito pelo contrário, o qualificativo "Vintage".
    É um LBV de estilo tradicional, não filtrado, com uma côr escura, com aromas de frutos negros, apimentado, com muito boa persistência aromática, com boa estrutura e corpo, e com o que constituí o perfil característico da casa, isto é, boa acidez e um estilo seco, com uma doçura abaixo do habitual. Boa persistência de taninos. É um LBV elegante.

    Noble & Murat Reserve Port
   Um vinho do Porto de categoria superior, engarrafado sem filtragem, mantendo um estilo tradicional. Um Porto Reserva que é constituído pela melhor vinificação do Porto LBV de 2012 ao qual foram acrescentados outros componentes. Estagiou cerca de 8 anos em tonel. É um excelente Porto como entrada de gama e como introdução às restantes propostas da casa. Foi pensado como um vinho do Porto mais imediato, versátil e pronto a beber. A sua evolução natural com o prolongamento do envelhecimento em casco seria um Tawny Colheita.
    De um vermelho muito escuro, com uma côr mais aberta quando comparado com o LBV e Vintage. Foi comentado por António Borges Taveira que, pela evolução que apresenta, "é um vinho que não é um tawny, mas também já não é um ruby". Um vinhos com intensidade de notas frutadas e florais, fino, fresco, com taninos macios e num estilo mais seco (meio-seco, de acordo com o relatório do IVDP), com uma boa persistência, guloso. Um Porto reserva sério e bem concebido, a comprovar que a categoria "reserva" nos Vinhos do Porto, em termos gerais, compreende vinhos de uma qualidade muito díspar.
    Foi engarrafado sem colagem nem filtragem e certamente evoluirá em garrafa durante mais alguns anos.

    O rótulo indica "Lote n. II/XII", uma referência ao lote do ano que está na origem do vinho.


O portfolio actual da Noble & Murat:

Noble & Murat Reserve Port
Noble & Murat LBV Port 2012 e 2014
Noble & Murat Vintage Port:
2015 (6.600 garrafas), 2016 (3.300 garrafas) e 2017 (2.500 garrafas "en primeur")
Noble & Murat 20 Year Tawny Port

    Os principais mercados
    Apesar da história recente da empresa, actualmente a produção destina-se maioritariamente à exportação, aproximadamente 60% do total. Os principais mercados são os E.U.A., Holanda e a Dinamarca, destinando-se os restantes 40% ao mercado nacional.
    O próximo grande objectivo é o mercado britânico.


Noble & Murat
(António Borges Taveira e Alexandre Antas Botelho)
+351 96 327 42 50
noble.murat@gmail.com
©Hugo Sousa Machado

Também pode interessar:

















    
 











   



segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Douro 2019 harvest field work 2

    The last days of the 2019 harvest at the Wine & Soul winery (the producer of "Pintas" Port wine and "Pintas", "Guru", "Quinta da Manoella" and "Manoella" DOC Douro wines), in Vale de Mendiz, Pinhão river valley (Cima Corgo Douro sub-region) and the last days of the house team ininterrupted and arduous work since last August.

                                                                                                                                         PtoPwine archive
The "remains of the day".
After emptying the lagares (granite treading tanks), the remaining solid masses (a mixture of wine, grape skins and pips) are ready for the final pressing process.

                                                                                                                                         PtoPwine archive
                                                                                                     
Preparing the old and reliable traditional basket wine press, determinant for the quality of the wine extracted.
                                                                                                           
                                                                                                                                         PtoPwine archive
The recent Port wine produced, in stainless steel vats awaits the transfer to the port  wine cellar large wood vats, at Quinta da Manoella.

                                                                                                                                         PtoPwine archive

Some of the french oak "Seguin Moreau" barrels dry after being washed, and prepared to start a new cicle ageing the Wine & Soul DOC Douro red wines.

©Hugo Sousa Machado

May also interest:





sábado, 12 de outubro de 2019

4 questions to the "PortRebels"

EN/PT
with "PortRebels" permission, Melle Meivogel photography
    They are an example of the perfect antidote against the persistent misconception and the still prevalent prejudice that associates the image of Port wine mainly with formal occasions or special events and annual festive seasons or with a certain kind of conservative environments and also a style of wine that is only drunk at the end of meals, in short, "the wine of honour, for congratulations and toasts". It´s time to definitively review and update these persistent wrong ideas, because Port wine reality today is simply very different.

    Let's meet and get to know a little more about the enthusiastic "PortRebels", dedicated to spreading the Port wine word in the Netherlands... undoubtedly a high and noble cause...

    Also good news is the book "PortRebels Port book", which is currently being prepared and will be published in english, wich we are looking forward to in the very near future. It will certainly be a very interesting work with a new and particular look "from the outside" of the region and country, about Port wine and the Douro.

PtoPwine:  Who are the "PortRebels" and your main activities?
PortRebels:  We are three rebellious women from the Netherlands - Jindra, Marga and Annemieke - who blog about Port wine. Our goal is to dust off the old granny image people have of Port wine. Ultimately we want to enthusiast younger people for this interesting wine and its region - the Douro.
    The last few years we organized successful Port tastings. They all had a special twist. With every tasting we tried to match the Port wine with the interest of the younger public. So, we had dj's or live music playing, tasty bites, Port cocktails and of course the best Port wines - from rosé Port to exclusive Vintage. With an average of 80 guests per tasting it felt like a good way of attracting young people into the Port wine world.

    On our website, we blog about our tastings and visits to the quintas in the Douro. It is not a typical wine tasting blog, because we try to attract a new public. With a balance between detailed wine information and fun stories about the families, the quintas and of couse about ourselves.

    Right now we are focusinh on writing our PortRebels Port Book to inform and enthusiast the reader on the basis of short stories on the various wineries all packed in a great book full with appealing imagery. It is not a standard history and Port variants book, but a glimpse into the surprising world of Port on the basis of the actual daily practice. A fresh book for those who are looking for taste and authenticity.

PtoPwine:  How did your interest and enthusiasm for Port wine began?
PortRebels:  Like many other people we have visited Porto as tourists and enjoyed several special Port wines in cute little cafés. Back in the Netherlands we noticed that friends, family and even cafés and restaurants know little about Port wine. That was why four years ago we got together, each bringing our favourite Port wine and started brainstorming about building our blog PortRebels. With the goal of challenging a younger public to try Port wine instead of wine or beer. Since then our interest in Port wine only grew and grew  and luckily we could interest a lot of people to join us.
with "PortRebels" permission, Melle Meivogel photography
PtoPwine: What is your favorite Port wine style and/or the perfect Port? Why?
PortRebels: Because we are three women, all having a different taste, we do not have one favorite. Two of us prefer ruby style Port wines, especially Vintage Port wine. Myself, I love tasting 30 year old tawny Port wines. The different layers and nutty taste always surprises me. The most extraordinary Port experience we had was during our last trip to the Douro, when several quintas let us taste their oldest Port wines with ages up to 150 years old. That was an amazing experience, tasting a piece of history.

    What we all three agree upon is that the 20 year old white Ports should get more attention. Those can be spectacular, with in general a less sweet taste. Therefore an interesting Port wine for a potential new Port lover.

PtoPwine: What are your impressions of the Douro region and Porto?
PortRebels: The Douro is one of the most beautiful wine regions in the world. You can visit big commercial Port wine quintas that give you a fresh, well organized tour. But if you like, you can also visit smaller quintas and talk to the "nose" and winemaker yourself. We have visited many quintas and every one of them is an adventure, but there are four who were extra special. 
    First, there is Quinta do Vallado where we spoke to Francisco Ferreira about how to develop a Port wine as a winemaker. Also he told us about Dona Antónia Adelaide Ferreira, a very rebellious influential woman in Port history. At Quinta de Santa Eufémia we felt part of the family, had a terrific lunch together, stayed overnight and got special insights on the Port wine industry. A special mention for the sisters Luísa and Maria Vieira de Sousa. Together they run a very successful quinta, their 20 white Port wine is worth making a detour for. Last but not least our visit to Martha's, where we met Rita and her family. Martha's makes exceptional tawnies, with a specific family owned taste. In the 30 year old tawny you can search for a little color of green as a result of the excelent blending process.


4 perguntas às "PortRebels"
with "PortRebels" permission, Melle Meivogel photography
    São o exemplo do perfeito antídoto contra o persistente equívoco e preconceito que associa a maioria das vezes a imagem do vinho do Porto apenas a ocasiões ou acontecimentos formais ou a um vinho que se bebe apenas no final das refeições ou então a um certo tipo de ambientes antiquados, "o vinho de honra, de parabéns e de brindes". É tempo de definitivamente revêr e actualizar estas ideais feitas, porque o vinho do Porto hoje é simplesmente muito diferente desta imagem.

    Vamos ficar a conhecer um pouco melhor as entusiásticas "PortRebels", que se têm dedicado a espalhar a palavra do vinho do Porto no seu país de origem, a Holanda. Sem dúvida uma causa nobre e elevada...

    São também boas notícias, a preparação do livro "PortRebels Port book", que será editado em inglês e do qual aguardamos mais novidades num futuro próximo, será concerteza um trabalho muito interessante com um novo e particular olhar "de fora" da região e do país, sobre o Douro e o vinho do Porto.

PtoPwine: Quem são as PortRebels e quais as vossas principais actividades?    
PortRebels: Somos três mulheres rebeldes holandesas, Jindra, Marga e Annemieke, que escrevem sobre vinho do Porto no blog PortRebels. O nosso objectivo é desempoeirar a imagem envelhecida que as pessoas têm do vinho do Porto. Em última análise, queremos entusiasmar os mais jovens para este interessante vinho e para a sua região - o Douro.
    Nos últimos anos organizamos degustações bem sucedidas com vinho do Porto. Todas tiveram um toque especial e em cada degustação tentamos aproximar o vinho do Porto dos interesses do público mais jovem. Tivemos dj's ou música ao vivo, petiscos saborosos, cocktails com Porto e, claro, os melhores vinhos do Porto - do Porto rosé aos Vintages mais exclusivos. Com uma média de 80 convidados em cada prova, parece-nos uma boa maneira de atrair os mais jovens para o mundo do vinho do Porto.

    No nosso site escrevemos sobre as nossas provas e visitas às quintas no Douro. Não é o típico site com descrições de provas de vinhos, porque a finalidade é tentar atraír um público mais novo. Com um equilíbrio entre informações detalhadas sobre vinhos e histórias divertidas sobre os produtores, as suas famílias, as quintas e, claro, sobre nós mesmas.

    Actualmente estamos concentradas na preparação do nosso "PortRebels Port book", para informar e entusiasmar o leitor com base em histórias curtas sobre vários produtores, num conjunto composto num óptimo livro com imagens atraentes. Não se trata de uma variante dos livros sobre o vinho do Porto e sua história, mas um vislumbre do mundo surpreendente do Porto, com base na prática real e diária. Um livro novo para quem procura gosto e autenticidade.

PtoPwine: Como teve início o vosso interesse e entusiasmo pelo vinho do Porto?
PortRebels: Tal como muitas outras pessoas, visitámos a cidade do Porto como turistas e desfrutamos de vários vinhos do Porto especiais em pequenos e bonitos cafés. De volta à Holanda, apercebemo-nos que amigos, família e até mesmo cafés e restaurantes têm pouco conhecimento sobre vinho do Porto. Foi por isso que há 4 anos atrás nos reunimos, cada uma com o seu vinho do Porto preferido e começamos então a pensar na criação do nosso blog PortRebels. Com o objectivo de desafiar um público mais jovem a experimentar um vinho do Porto em vez de simplesmente um vinho de mesa ou cerveja. Desde então, o nosso interesse pelo vinho do Porto só aumentou e felizmente podemos interessar muita gente para se juntar a nós.
    with "PortRebels" permission, Melle Meivogel photography
PtoPwine: Qual o vosso vinho do Porto favorito ou o Porto perfeito? e porquê?
PortRebels: Porque somos três, todas com um gosto diferente, não temos um favorito. Duas de nós preferem vinho do Porto do estilo ruby, especialmente vinho do Porto vintage. Eu gosto de provar vinhos do Porto tawny com 30 anos de idade. As diferentes camadas de aromas e sabores de frutos secos surpreendem-me sempre.
    A experiência mais extraordinária com vinho do Porto que tivemos foi durante a nossa última viagem à região do Douro, onde vários produtores nos deixaram provar os seus mais antigos vinhos do Porto tawny com idades até 150 anos. Foi uma experiência incrível, foi saborear um pedaço de história.

    Mas o que todas nós concordamos é que os vinhos do Porto brancos com 20 anos de idade devem ser olhados com mais atenção. Podem ser espectaculares e, em geral, com um sabor menos doce. Portanto, um vinho do Porto muito interessante para um potencial novo interessado neste estilo de vinho.

PtoPwine: Quais são as vossas impressões sobre a região do Douro e o Porto?
PortRebels: O Douro é uma das mais belas regiões vinícolas do mundo. É possível visitar grandes quintas comerciais, que proporcionam um passeio refrescante e bem organizado. Mas se preferirmos também podemos visitar quintas mais pequenas e falar directamente com quem produz o vinho. Visitamos muitas quintas e cada uma delas é uma aventura, mas houve quatro que foram especiais.
    Em primeiro lugar, a Quinta do Vallado, onde falamos com Francisco Ferreira, sobre como produzir um vinho do Porto como enólogo. Também nos falou sobre Dona Antónia Adelaide Ferreira, uma mulher rebelde com uma influência muito grande na história do vinho do Porto. Na Quinta de Santa Eufémia sentimo-nos como parte da família, tivemos um almoço incrível, passamos a noite e ficamos com conhecimentos especiais sobre a indústria do vinho do Porto. Uma referência especial para as irmãs Luísa e Maria Vieira de Sousa. Juntas, elas administram uma quinta muito bem sucedida. Vale a pena fazer um desvio para conhecer o seu vinho do Porto branco com 20 anos de idade. Por último, mas não menos importante, a nossa visita à "Martha's", onde nos encontramos com Rita e a sua família. A "Martha's" faz tawnies excepcionais, com um gosto específico. Nos seus tawnies de 30 anos podemos procurar um pouco dos laivos esverdeados, resultado do excelente processo de lotação.

©Hugo Sousa Machado

May also interest / também pode interessar: