quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Douro 2021 harvest field work


 Rain appeared in all the Douro region on 7th September. Waiting for weather conditions to improve, it will take a few days to restart harvest works on the "Renova" vineyard at Quinta do Noval in the Pinhão river valley.

In the meantime, the vinification works continue as usual at the quinta old lagares house, exclusively for Port wines (here, the must fermenting in the lagar 5).


© Hugo Sousa Machado


domingo, 15 de agosto de 2021

The 2021 harvest "Benefício"

 EN/PT

The amount of Port wine to be produced in 2021 was set at 104.000 casks, and this year without a qualitaty reserve.


   As it happens every year, it was approved by the Interprofessional Council of the IVDP (the Institute body that represents the production and commercial sectors and also the consummer interests that are represented by the IVDP President) on 30th July and announced by the IVDP through the Annual Harvest Annoucement for the Douro Region 2021, the production of fortified must for the Douro Region for the next 2021 harvest: 104.000 casks (of 550 liters).

    The "Benefício" definition and attribution criteria, here: The Annual "Beneficio" and Port wine

    Compared to 2020, this figure represents over 2.000 casks and an increased percentage in Port wine production of 2%. It is a quantity that, in any case, represents a slight recovery of the 5,5% drop in 2020 considering the pre-pandemic defined quantity in 2019.

    However, unlike the exceptional measure approved and applied in 2020 to face the economic crisis effects in the Port wine sector related to the Covid-19 pandemic, in which a qualitative reserve of 10.000 casks was created and financed by the IVDP (which is blocked for three years and then over the next decade will gradually enter the market).

    In 2021, an exceptional measure of the same kind was not approved, despite the proposal to establish a 5.000 casks qualitative reserve, that would only reach the market over a longer period of ten years, preventig the risk of imbalance and price drop due to a market oversupply. This year, the Ministry of Agriculture refused this measure and the financial support for a constitution of a new qualitative reserve, a decision that was based on data of the first half of 2021, that show an increase in exports and also on the portuguese market.

Poças Júnior wine cellars, Vila Nova de Gaia
  

O Benefício para a vindima de 2021

Em 2021 a quantidade de vinho do Porto a produzir foi fixada em 104.000 pipas, e neste ano sem reserva qualitativa

    Como sucede todos os anos, foi aprovado pelo Conselho Interprofissional do IVDP (o orgão deste Instituto que representa a produção e o comércio, sendo os interesses dos consumidores representados pelo Presidente do IVDP) no passado dia 30 de Julho, e anunciado pelo IVDP, através do Comunicado de Vindima Anual para a Região do Douro 2021, a produção de mosto generoso na região demarcada do Douro para a vindima de 2021: 104.000 pipas (de 550 litros).

    A definição de "Benefício" e critérios de atribuição, aqui: O Benefício anual e o vinho do Porto

    Em relação a 2020, este valor representa mais 2.000 pipas, e um aumento percentual de 2% na produção de vinho do Porto. É um valor que, em todo o caso, traduz uma ligeira recuperação face à quebra de 5,5% em 2020, considerando os valores pré-pademia de 2019.

    No entanto, ao contrário da medida excepcional aprovada e em vigor em 2020, para fazer face à crise económica do sector provocada pela pandemia covid-19, em que foi constituída uma reserva qualitativa de 10.000 pipas financiada pelo IVDP (que ficará bloqueada durante três anos e depois, durante a próxima década, entrará gradualmente no mercado).

    Em 2021 não foram aprovadas medidas deste tipo, apesar de também ter sido proposta a constituição de uma reserva qualitativa de 5.000 pipas que só seria comercializada num prazo alargado de 10 anos, impedindo um risco de desequilíbrio e a quebra de preços por excesso de oferta no mercado. Neste ano, o Ministério da Agricultura recusou a medida e o apoio financeiro para a constituição de nova reserva qualitativa, que fundamentou com os dados do primeiro semestre de 2021, em que se registou um aumento na exportação assim como no mercado nacional.

©Hugo Sousa Machado

terça-feira, 27 de julho de 2021

Wiese & Krohn, Sucrs., Lda.

EN/PT

 Short facts about the city of wine (3.)

Photo of the Wiese & Krohn Port wine cellar interior, at the Gaia Entreposto, on rua de Serpa Pinto, n.º 149, taken on November 2012, just a few months before its final closure, following the company acquisition by the Fladgate Partnership group.

    The long history of Port wine is inseparable from the geographical areas that wrote it and that help us better understand it. First, the city of Porto, which gives its name to the wine and which is historically the Port wine business and trade center, then, Vila Nova de Gaia, or the Gaia Entrepostro, across the river Douro from Porto, which corresponds approximately to its historic center area and is associated with Port wine storage, ageing and export, and finally, upstream the Douro river, the Demarcated Douro wine region, the area linked with the wine production.

    Wiese & Krohn was founded in 1865, better known simply as "Krohn", as a small family business, founded by Theodore Wiese and Dankert Krohn, both of norwegian origin, they were originally dried cod traders, who, on the return trip to their country used their boats to transport Port wine, where it was sold, apparently successfully. In addition to selling Port wine in Norway, exports expanded to Scandinavian markets, Stockholm, Eindhoven, Copenhagen and Germany. Always with a great export vocation, later in the first years of the XX century, Port wine exports reached new markets, France, Belgium and the Netherlands.

    In short, moving a little further in time, in 1910, the Port wine company becomes fully portuguese owned, when Edmundo Falcão Carneiro, at the time acquired all the shares of the other company partners.

    Wiese & Krohn has invested and specialized over the years becoming renowned for its collection of quality tawny Port wines aged in cask for many years, especially Colheita or Single Harvest tawny Port category.


     In 1912, Wiese & Krohn had its warehouses in Vila Nova de Gaia, across the river from Porto, where was located the great concentration of historic Port wine warehouses of the main exporters, on rua de Serpa Pinto n.º 9 and n.º 149. In 1933, a deposit house and office was located in Porto, on rua da Fábrica, n.º 45, 1st floor (here in a photo taken nowadays).



Left: rua de Serpa Pinto, n.º 149, Vila Nova de Gaia. Right: rua da Fábrica, n.º 45, Porto.

    In1989 it acquired Quinta do Retiro Novo in the Douro Cima Corgo sub-region, in Sarzedinho, in the river Torto valley, which also includes its winemaking center.

    The company owned six warehouses in the Gaia Entreposto, and the warehouse on rua de Serpa Pinto, n.º 149 where Port wines were aged since 1880 was also the company's visitor center. What was really special and the charm of this small traditional warehouse was that we entered in an environment of discretion and mistery that surrounded the cellar interior spaces, since it was intentionally kept as faithfully as possible since the end of the XIX century, with a sense of authenticity that allowed whoever entered to travel back in time, without any kind of sophistication that so characterizes other wine cellars nowadays but that also ruins hopelessly the authenticity and atmosphere of these unique spaces.

    At the entrance we could read: "Welcome to Wiese & Krohn. In this cellar we age Port wines since the 19th century. Inside you will find an important part of our rarities, carefully stored in ideal conditions, light and temperature. Experience the traditional atmosphere of an historic cellar and end your visit with a tasting of our wines.":

    It remained an independent family business until the third generation of the Falcão Carneiro family and until June 2013, the date Wiese & Krohn was acquired and became a part of the Fladgate Partnership group universe (which also includes the Port wine brands: Taylor's, Croft, Fonseca Guimaraens, Skeffington and Romariz), which now counts on its precious Colheita/Single Harvest tawny Port stocks, with some Port wine ageing in casks since 1863 and 1896. However, the wine cellars where Port wine has aged for so long, on rua de Serpa Pinto, n.º 149, in Vila Nova de Gaia, were not part of the Fladgate Partnership's plans and have been permanently deactivated and closed. The historic building lost its former usefullness after more than a century, and is at the mercy of the real estate interests that so quickly have been mischaracterizing and destroying this special place which is the Gaia historic center, which became poorer. 


Wiese & Krohn, Sucrs., Lda

Breves factos sobre a cidade do vinho (3.)

    A longa história do vinho do Porto é indissociável dos espaços que a escrevem e que nos ajudam à sua melhor compreensão. Desde logo, a cidade do Porto que dá o nome ao vinho e que historicamente representa o centro de negócios e comércio do vinho do Porto, depois o Entreposto de Gaia, que corresponde aproximadamente à área do seu centro histórico e é o espaço associado ao envelhecimento, armazenamento e exportação e, mais a montante no rio Douro, a região demarcada do Douro que é a área de produção.

    A Wiese & Krohn foi fundada no ano de 1865, talvez mais conhecida apenas por "Krohn", uma pequena empresa familiar fundada por Theodore Wiese e Dankert Krohn, ambos de origem norueguesa, comerciantes de bacalhau que, na viagem de regresso ao seu país, utilizavam os seus barcos para transporte de vinho do Porto, onde o vendiam. Para além da Noruega, as exportações alargaram-se aos mercados escandinavos, Estocolmo, Eindhoven, Copenhaga e Alemanha. Sempre com uma grande vocação para a exportação, mais tarde, nos primeiros anos do século XX, as exportações chegariam a novos mercados como a França, Bélgica e Países Baixos.

    Resumindo, e avançando um pouco mais no tempo, em 1910, torna-se numa casa de vinho do Porto totalmente portuguesa, quando Edmundo Falcão Carneiro adquiriu naquela data a totalidade das quotas dos outros sócios da empresa.

    Esta casa de vinho do Porto, desde o seu início e ao longo dos anos, investiu, especializou-se e tornou-se conhecida e reputada pela qualidade da sua colecção de vinhos do Porto tawny envelhecidos em casco durante longos anos, sobretudo da categoria Porto Colheita.

    A Wiese & Krohn tinha os seus armazéns em Vila Nova de Gaia, onde se localizava a grande concentração de armazéns de vinho do Porto das principais casas exportadoras, localizados na rua de Serpa Pinto, n.º 9 (e n.º 149) e, em 1933, o depósito e escritórios no Porto, na rua da Fábrica, n.º 45, 1.º andar (aqui numa fotografia recente).

    Em 1989, adquiriu a Quinta do Retiro Novo, no Douro, em Sarzedinho, no vale do rio Torto, sub-região do Cima Corgo, que integra também o centro de vinificação da empresa.

    A empresa chegou a deter seis armazéns em Vila Nova de Gaia e o armazém da rua de Serpa Pinto n.º 149, onde envelheciam os vinhos do Porto desde 1880, era também o centro de recepção de visitantes da casa. O que tinha de verdadeiramente especial e o charme deste pequeno armazém tradicional era, aceder a um ambiente de discrição e mistério que envolve estes espaços, que foi mantido intencionalmente o mais fiel possível tal como era desde finais do século XIX, com um forte sentido de autenticidade que nos permitia viajar no tempo, um espaço sem qualquer tipo de sofisticação que tanto caracteriza outras caves hoje em dia, mas que arruína a autenticidade e o ambiente próprio destes locais únicos.

    Na entrada podia lêr-se: "Bem vindo à Wiese & Krohn. Nesta nossa cave envelhecemos vinhos do Porto desde o século XIX. No seu interior encontrará uma parte importante das nossas raridades, em condições ideais de luz e temperatura. Viva o ambiente tradicional de uma cave histórica e termine a sua visita com a prova dos nossos vinhos.".

    A empresa manteve-se familiar e independente até à terceira geração da família Falcão Carneiro, até Junho de 2013, data em que a Wiese & Krohn foi adquirida e passou a integrar o grupo The Fladgate Partnership (que integra também as marcas de vinho do Porto, Taylor's, Croft, Fonseca Guimaraens, Skeffington e Romariz),  que passou a contar com os seus preciosos stocks de vinho do Porto tawny Colheita, com  vinhos em casco datados de 1863 e 1896.

    No entanto, as caves da casa onde os vinhos do Porto eram envelhecidos, na rua de Serpa Pinto, em Vila Nova de Gaia, não fizeram parte dos planos deste importante grupo e foram desactivadas e encerraram. O edifício histórico, ao fim de mais de um século, perdeu a sua utilidade e está à mercê dos interesses imobiliários que tanto e tão chocantemente têm contribuído para a descaracterização e destruição deste local especial nos últimos anos. O centro histórico de Gaia ficou mais pobre.

©Hugo Sousa Machado

          more information here / mais informação aqui:

The shadows of the Gaia Entreposto

Calém or A.A. Calém & Filhos, Lda.: short facts about the city of wine (2)

Blackett & Ca., Lda.: short facts about the city of wine (1)


sexta-feira, 25 de junho de 2021

The XXXVII Rabelo Boat Regatta

 EN/PT

Crew and skipper of the winning vessel Fonseca "Panascal"

Crew and skipper David Guimaraens of the winning vessel Fonseca "Panascal"

     After a year interval (in 2020 the Regatta was not held due to restrictive measures to combat covid-19 pandemic), this year the city of wine early summer calendar featured once again the 37th edition Rabelo Boat Regatta which, as usual, took place on Saint John's day, 24th June 2021. It is always a good oportunity to see this historic boats in action. (more on Rabelo boats and the Regatta here).

    This year the regatta had a total of 11 participants, however, Symington Family Estates vessels did not participate (Cockburn's "Quinta dos Canais, Graham's, Dow's and Warre "Cavadinha").


    In a sunny early afternoon, with very good weather, the race started at 14:00. Following a course that starts at the mouth of the river Douro, in the "Afurada" area in front of the Douro Marina and goes up the river to the finish line between the Porto riverside and the Sandeman Port wine cellars in Vila Nova de Gaia. Every year the starting time is marked according to the river tides, since the Regatta takes place during high tide to avoid navigation against the current of this heavy and difficult to maneuver vessels.


    The race started with very light wind which, however, luckily was progressively increasing in intensity even in the first phase of the race and throughout the course of the Regatta.

The final classification was:

1st: Fonseca "Panascal"

2nd: Dalva "Gran Cruz"

3rd: Offley

(4th: Barros Porto - 5th: Porto Cruz - 6th: Taylor's "Distinto" - 7th: Rozès - 8th: Calém - 9th: Sandeman "Vau" - 10th: Porto Ferreira - 11th: Kopke)

  A XXXVII edição da Regata dos Barcos Rabelos

    Depois de um ano de interregno (em 2020 a Regata não se realizou por estarem em vigor medidas restritivas de combate à pandemia covid-19), este ano o calendário de início de verão da cidade do vinho voltou a contar com a realização da 37.ª edição da Regata dos Barcos Rabelos que, como é tradição, se realizou no dia de São João, 24 de Junho 2021. É sempre uma boa oportunidade para ver em acção estes barcos históricos. (mais sobre barcos rabelos e a regata aqui)

    Este ano a regata contou com um total de 11 embarcações participantes, no entanto, as embarcações da Symington Family Estates não participaram nesta edição (Cockburn's "Quinta dos Canais", Graham's, Dow's e Warre "Cavadinha").

    Num início de tarde com muito sol e bom tempo, a regata teve início às 14:00. Num percurdo que começa na foz do rio Douro, na zona da Afurada em frente à Douro Marina e sobe o rio Douro até à linha de chega entre a ribeira do Porto e as caves da Sandeman em Vila Nova de Gaia. Todos os anos a hora da largada é determinada em função das marés, uma vez que a regata se realiza durante a maré cheia para evitar a navegação contra a corrente destas embarcações tradicionais, que são pesadas e difíceis de  manobrar.

    Iniciou-se com vento muito fraco que, no entanto, felizmente foi aumentando de intensidade ainda na primeira fase da prova e depois ao longo do percurso da regata.

A classificação final foi:

1.º: Fonseca "Panascal

2.º: Dalva "Gran Cruz"

3.º Offley

(4.º: Barros Porto - 5.º: Porto Cruz - 6.º: Taylor's "Distinto" - 7.º: Rozès - 8.º: Calém - 9.º: Sandeman "Vau" - 10.º: Porto Ferreira - 11.º: Kopke)

©Hugo Sousa Machado

             more information here:

The XXXVI Rabelo Boat Regatta

Taylors 1692-2017 retracing history by sea

The XXXIII Rabelo Boat Regatta

sexta-feira, 16 de abril de 2021

Quinta de la Rosa LBV Port 2004. Le vin à la bouche!

 EN/PT

    A Late Bottled Vintage Port wine, bottled in 2008 and aged 17 years old (tasted in Jan2021).

    It's a very good example that an LBV Port can age very well in bottle for several years, the perfect example that some LBV's Port wines have a good ageing potential and gain complexity in bottle, especially those traditional style LBV's that are not filtered prior to bottling.

    It was bottled with a worthy solid cork stopper, a "full" or "driven" cork, as opposed to "bar top" cork stoppers that characterize the filtered modern style LBV Port wines.

What's left, the tasting notes and impressions...

    It was tasted at a "cellar temperature", i.e., slightly cooled at about 15 to 16ºC.

    And, yes, certainly it should have been decanted... but it was not, it was served with the necessary care and slow movements, until, at the end, the wine natural sediments began to appear and flow.

    It still kept an intense ruby color but with brown and brick colored tints on the brim. A good LBV Port wine in a good evolution phase (at its best stage?), the years in bottle refined it. It had a pleasant aromatic exuberance with predominante red fruit notes. With a good structure and harmonious, soft tannins, fine, flavor with notes of cherry, cherry jam, cranberry dried fruit, dried hibiscus, nice peppery. Delicate and with a good aromatic final intensity.


Quinta de la Rosa LBV Port 2004. Le vin à la boche!

    Um vinho do Porto LBV, Late Bottled Vintage, engarrafado em 2008, com 17 anos no momento da prova (Jan2021).

    É um bom exemplo de que um vinho do Porto LBV pode evoluír em garrafa durante vários anos,  a prova de que alguns LBV's têm um bom potencial de envelhecimento e ganhar complexidade com o estágio em garrafa, sobretudo quando se trata de LBV's de estilo tradicional, que não são sujeitos a filtragem prévia ao engarrafamento.

    Foi engarrafado com uma digna rolha de cortiça maciça "full" ou "driven cork" por oposição às rolhas "bar top" ou "stopper cork" que caracterizam os vinhos do Porto LBV filtrados de estilo moderno.

O que ficou, as impressões de prova...

    Foi provado à temperatura de cave, i.e., ligeiramente refrescado a uma temperatura de 15, 16ºC.
    E sim, com toda a certeza deveria ter sido decantado... mas não foi, foi antes servido com movimentos lentos e o cuidado necessário até, no final, começar a aparecer  o depósito natural do vinho.

    Com uma côr ruby ainda escura e intensa, mas com um anel com laivos acastanhados e atijolados. Um LBv numa boa fase de evolução (na sua melhor fase?), os anos em garrafa refinaram-no, com uma boa e agradável exuberância aromática, sobretudo com notas de frutos vermelhos. É um vinho harmonioso e com uma boa estrutura, com taninos macios, fino, sabor com notas de cereja e compota de cereja, frutos secos como arandos, hibiscos secos, bom apimentado. Delicado e com uma boa intensidade aromática final.   

segunda-feira, 8 de março de 2021

The 2018 Vintage Port

EN/PT

The 2018 Vintage Port comprehensive list, the brands, producer's and their notes

Vintage Port wine cellar, Churchill's lodge, V. N. de Gaia

    After three exciting years of extraordinary vintage Ports, beginning in 2015  that was a very good year with all the climatic characteristics of a classic vintage Port year, difficult to understand when afterwards it turned out not to be a generalized vintage Port declaration between producers. Then, after 2016 and 2017, two historic consecutive classic vintage Port years, a rare event in the long and rich history of vintage Port wine, one would expect a year with fewer vintage Port declarations and not a classic one, for commercial reasons but above all especially considering the main characteristics of the 2018 wine year (more information here: Douro, the 2018 harvest report) which was difficult and certainly different from the mentioned previous ones.

    2018 was mainly a year of Single Quinta Vintage Ports and not full house vintages, as it is a characteristic of non-classic vintage Port years.

    In summary, 2018 was an atypical, inconsistent and a very challeging year for viticulture in the Douro, that registered an irregular climate that started with a dry and cold winter extending a period of prolonged drought that came from the previous year, with some rain at the end of the season, followed by a humid spring with a lot of rain far beyond what would be desirable, which favoured mildew and powdery mildew attacks and caused vine flowering difficulties and production losses, there was a hail storm at the end of May that caused serious damage in some Cima Corgo sub-region vineyards, and then afterwards dry weather with several heat waves in the summer months, heat that was more concentrated in the month of August. There was some rain in late August, but harvest took place with sunny and dry weather, in which the soil water reserves created in spring were fundamental and also allowed longer grape maturation periods, with good conditions registered in some specific areas, vineyards or vineyard plots and in general in the Upper Douro sub-region.

    Of the 2018 declared vintage Ports, we registered 63 vintage Port brands from 42 producers.

    Some facts worth mentioning related to the wines produced this year:

  • Taylor's registered three consecutive classic vintage Ports, namely 2016, 2017 and 2018, a sequence of full house vintage Ports declared with its main brand.
  • Sogrape, one of the major groups in the sector, declared the 2018 Ferreira, Offley and Sandeman classic vintage Ports, what didn't happen the year before, 2017, the year of the great generalized classic declaration and in which these producers opted for their single quinta vintage Ports (with the exception of Offley that did not produce)
  • The Poças 2018 vintage Port, a classic vintage edition to celebrate the centenary of this house.
  • The first editions of "Bom Dia", a single quinta vintage Port by Vieira de Sousa, and the new label "Kranemann" vintage Port, that marks a new cycle of the historic property Quinta do Convento de São Pedro das Águias.
  • There were also important Port wine houses that decided not to produce vintage Port in 2018, from the start "Niepoort", and among others "Quinta Vale D. Maria" and "Van Zellers & Co.", "Quinta do Passadouro" and "Quinta de S. José".
    The main general characteristics of the 2018 vintage Ports are the small quantities produced and despite the inconsistency of the viticultural year as mentioned above, there were some very well achieved wines of great quality, with great concentration, the consequence of the extremely hot summer, but simultaneously wines with elegance, many tannins, freshness and good acidity. The specific characteristics of the year ended up being better expressed into the single quinta vintage Ports.

    Below, the 2018 vintage Port alphabetical list, indicating the producers and their technical information


O Porto Vintage 2018
A lista completa dos Porto Vintage 2018, as marcas, os produtores e as informações técnicas
Port wine cellar, Ramos Pinto lodge, V.N. de Gaia
   Depois de três anos entusiasmantes de vinhos do Porto vintage extraordinários, com 2015 que foi um bom ano com todas as características de um ano vintage clássico, em que foi difícil perceber como não houve uma declaração generalizada entres os produtores. A seguir, 2016 e 2017, dois anos consecutivos de vinho do Porto vintage clássico, um caso raro na longa história do vinho do Porto vintage, seria de esperar um ano com menos declarações e não clássico, por razões comerciais, mas sobretudo consideradas as características principais do ano vitícola (informação mais completa em: Douro, o relatorio da vindima 2018), que foi um ano com muitas dificuldades para os produtores e muito diferente dos anteriores.

    2018 foi sobretudo um ano de single quinta vintage Ports, de vintages de quinta, e não de full house vintages, como é característico de anos não clássicos.

    Em resumo, 2018 foi um ano atípico, inconsistente e muito desafiante para a viticultura no Douro, com um ano climático muito irregular que começou com um Inverno seco e frio, prolongando um período de seca que vinha já do ano anterior, com chuva no final de estação, a que se seguiu uma Primavera húmida e com muita chuva, muito para além do desejável e que favoreceu os ataques de oídio e míldio, que provocou também dificuldades na floração das vinhas e quebras de produção, houve a tempestade de granizo no final de Maio que provocou estragos nas vinhas, especialmente na sub-região do Cima Corgo. Depois, tempo seco, com várias ondas de calor nos meses de Verão, mas que se concentrou mais no mês de Agosto. Houve alguma chuva no final de Agosto, mas a vindima decorreu com sol e tempo seco, em que as reservas de águas no solo acumuladas durante a Primavera foram fundamentais, e que permitiu tempos de maturação mais prolongados, com boas condições registadas em algumas zonas, vinhas ou parcelas de vinha e, em geral, em todo o Douro Superior.

    Nos Porto Vintage declarados em 2018, registamos 63 vintages de 42 produtores.

    Alguns factos dignos de destaque neste ano:
  • Na Taylor's foram três anos consecutivos de Porto vintage clássico, 2016, 2017 e 2018, numa sequência pouco comum de três full house vintage, declarados com a marca principal.
  • Um dos grandes grupos do sector, a Sogrape, assumiu 2018 como um ano clássico com os Porto vintage das marcas Ferreira, Offley e Sandeman, o que não aconteceu em 2017, o ano da grande declaração clássica generalizada, ano em que estes produtores optaram pelos seus single quinta vintage Ports (com excepção da Offley que não produziu).
  • A edição do Poças Porto vintage 2018, uma declaração clássica que celebra o centenário desta casa.
  • As primeiras edições do single quinta vintage Port "Bom Dia" do produtor Vieira de Sousa e o primeiro vintage da "Kranemann", que marca uma nova fase da histórica quinta do Convento de São Pedro das Águias.
  • Houve também importantes casas de vinho do Porto que não produziram Porto vintage em 2018, desde logo a "Niepoort" e, entre outros, "Quinta Vale D. Maria" e "Van Zellers & Co.", "Quinta do Passadouro" e "Quinta de S. José".
    Apontam-se como principais características dos vintages de 2018, as pequenas quantidades produzidas e, apesar da inconsistência do ano vitícola, houve alguns vinhos muito bem conseguidos e de grande qualidade, com boa concentração, consequência do Verão extremamente quente, mas simultâneamente, com elegância, muitos taninos, frescura e boa acidez. As características especificas deste ano acabaram por ser melhor expressas nos vintage de quinta ou single quinta vintage Ports.

    Apresentamos a lista alfabética dos Porto vintage de 2018, com indicação das casas produtoras e informação técnica associada.

 

 ©Hugo Sousa Machado

more information on previous Vintage Port declarations (links below):

mais informações sobre declarações anteriores Porto Vintage (nos seguintes links):

The 2017 classic Vintage Port - O Porto Vintage clássico 2017