quarta-feira, 19 de abril de 2023

The 2020 Vintage Port

 EN/PT

The 2020 Vintage Port wine comprehensive list: brands, producers and technical informations

Vintage Port wine cellar at Cockburn's lodge in Vila Nova de Gaia.

     2020 was not a classic Vintage Port year if there were some houses and producers that declared Vintage Port with their main brands, for many others it was not the case, who simply decided not to produce or declare Vintage Port, or declared Single Quinta Vintage Port (more about classic and non-classic or Single Quinta Vintage Ports, here). It was a year of few declarations (as we will see in the list that follows, in comparison with previous non-classic vintages), it was a divided year in which there was a lack of uniformity, see for example the case of Ramos Pinto, that declared its Single Quinta da Ervamoira Vintage Port, but the same did not happened  with its Quinta do Bom Retiro, where over ripeness prevented the grapes from reaching the Vintage Port quality.    

   It was an adverse, difficult and extremelly challeging year in the Douro region, with major drops in production, in some cases such as Graham's, it was the year with the lowest production of this century. 

    In a brief summary, in the middle of a pandemic, the viticultural year, in general was hot and dry, it was a precocious year with low productions (there was a reduction in production of 30% and even 40% in some Douro properties). Despite the rain in winter and spring, there was a set of climatic conditions that determined the final result of the harvest, there was a greater pressure from vine diseases, a severe occurence of powdery mildew and mildew in the months of April and May, which forced more treatments in the vineyards, in turn flowering was not ideal for the bunches to thrive, then the excess heat in the following  months, the lack of water and vines more exposed to stress, which resulted in the grapes ripening more quickly and a greater heterogeneity of maturation. There was an anticipation of the beginning of the harvest which was also shorter this year, to avoid dehydration and overripeness and the unbalance of the grape components. A year in which conditions determined high concentrations of sugars in the grapes that imposed the need for its control in order to achieve the possible balance in the musts. Nevertheless, there were Vintage Ports of great quality.

(more complete information about the viticultural year, here: Douro, the 2020 harvest general report)

    Of the major Port wine companies, Sogevinus was the first to declare its Vintage Ports in the 8th of March 2022 and with its four main Port wine brands, Barros, Burmester, Calém and Kopke. For Sogevinus it was a classic year despite the adverse conditions described, it believes in the excellent quality of its Vintages. Quevedo followed.

    Other data worth mentioning about the 2020 declared vintage Ports:

    The "Van Zellers & Co." 2020 Vintage Port special edition to celebrate the 400th anniversary of the family's connection to the Port wine trade and the Douro region (1620-2020). Warre's also launched a commemorative edition of the 350th anniversary of the house with a limited edition Vintage Port "Warre's Vinhas Velhas", the first Warre's Vintage Port exclusively form old vines, and the "Graham's Bicentennial edition". Churchill's declared its two Vintage Port brands, the Churchill's classic and Quinta da Gricha single quinta, presented for the firts time with a renewed image and new bottle labels. There were also novelties, such as the first limited edition of a Vintage Port made from a parcel of Lordelo's vineyard "Amphitheatrum by Quinta da Gaivosa" (Alves de Sousa). And some curiosities such as the edition of the "Bela Luz" Vintage Port, the result of the partnership between Herdade do Rocim and the omnipresent Dirk Niepoort, who also has a partnership with the producer Márcio Lopes that in 2020 resulted in the second edition of the "Proibido" Vintage Port.

    Finally, there were also important absences, houses whose decision was admittedly not to produce or declare Vintage Port from the 2020 harvest, among others, as was the case of Niepoort, Quinta do Vesúvio, Sandeman, Porto Ferreira and Offley from the Sogrape group, Croft, Quinta do Crasto and Quinta Vale D. Maria.

    We recorded a total of 56 declared Vintage Ports from 39 producers, organized as follows:

 


 
 
(our thanks to all producers who collaborated in this publication).
 

O Porto Vintage 2020.
A lista completa dos Porto Vintage 2020, as marcas, os produtores e as informações técnicas.

    2020 não foi um ano vintage clássico, se houve alguns produtores que declararam Porto Vintage com as suas marcas principais, para muitos outros não foi assim, ou optaram por não produzir ou declararam os Single quinta Vintage Ports (mais sobre Porto Vintage clássico e não clássico ou Single Quinta Vintage Ports, aqui). Foi um ano de poucas declarações (como veremos na lista aqui publicada, por comparação com anos anteriores também não clássicos), foi um ano dividido e em que faltou uniformidade nas vinhas, veja-se por exemplo o caso da Ramos Pinto, que declarou o seu Single Quinta da Ervamoira mas o mesmo já não aconteceu com a Quinta do Bom Retiro, onde a sobrematuração impediu que as uvas atingissem a qualidade vintage.

    Foi um ano adverso, difícil e extremamente desafiante na região Demarcada do Douro, com grandes quebras de produção, em alguns casos, como a Graham's, foi o ano em que se registou a produção mais baixa deste século.

    Num resumo breve, em ano de pandemia, o ano vitícola caracterizou-se por um ano quente e seco, precoce e com baixas produções (houve uma redução da produção de 30% e mesmo 40% em algumas propriedades). Apesar da chuva no Inverno e Primavera, houve depois um conjunto de condições determinantes no resultado final da vindima, houve uma maior pressão das doenças da vinha, a ocorrência severa do oídio e míldio nos meses de Abril e Maio e que obrigou a mais tratamentos nas vinhas, por sua vez, a floração não foi a ideal para os cachos vingarem, depois o excesso de calor nos meses seguintes, a falta de água e videiras mais expostas e em stress, que teve como consequência o amadurecimento mais rápido das uvas e uma grande heterogeneidade de maturações. Houve uma antecipação do início da vindima, que foi também mais curta neste ano, para evitar a desidratação e sobrematuração dos cachos e o desiquílibrio dos componentes das uvas. Foi um ano propício a elevadas concentrações de açúcares, que houve necessidade de tentar controlar para conseguir o equilíbrio possível dos mostos. Ainda assim, houve Vintages de grande qualidade.

(mais informação sobre o ano vitícola, aqui: Douro, o relatório geral da vindima 2020).

    Das grandes empresas , a Sogevinus foi a primeira a declarar, a 8 de Março 2022, e com as suas quatro marcas principais de vinho do Porto, Barros, Burmester, Calém e Kopke. Para este grupo foi um ano clássico apesar das condições adversas do ano, e acredita na excelente qualidade dos seus Porto Vintage. Seguiu-se a Quevedo.

    Nos Porto Vintage 2020 declarados houve alguns dados dignos de destaque:

    A edição especial do Vintage "Van Zellers & Co.", que celebra os 400 anos da ligação da família ao negócio do vinho do Porto e à região do Douro (1620-2020). A Warre's lançou uma edição comemorativa dos 350 anos da sua fundação, com uma edição limitada do Porto Vintage "Warre's Vinhas Velhas", o primeiro vintage da Warre's exclusivamente de vinhas velhas, e ainda o "Graham's Bicentennary edition". A Churchill's declarou os seus dois Porto Vintage, o Churchill's clássico e o Single Quinta da Gricha, apresentados pela primeira vez com uma nova imagem e novos rótulos. Houve também outras novidades, como a primeira edição limitada de um Porto Vintage de parcela da vinha de Lordelo "Amphitheatrum by Quinta da Gaivosa" (Alves de Sousa), e curiosidades, como a edição do Porto Vintage "bela Luz", o resultado da parceria entre a Herdade do Rocim e o omnipresente Dirk Niepoort, com quem o produtor Márcio Lopes tem também uma parceria que resultou na segunda edição do Vintage "Proibido".

   Por fim, houve casas que optaram por não declarar Vintage em 2020, como foi o caso, entre outros, da Niepoort e Quinta do Vesúvio, Sandeman, Porto Ferreira e Offley do grupo Sogrape, Croft, Quinta do Crasto e Quinta Vale D. Maria.

    Registamos um total de 56 Vintages declarados de 39 produtores, registados na listagem que aqui se publica.

(o nosso agradecimento a todos os produtores que colaboraram nesta publicação).

Text and photos - texto e fotografias

©Hugo Sousa Machado 

 the Vintage Port wine general chronology chart

 the 2019 Vintage Port - o Porto Vintage 2019

the 2018 Vintage Port - o Porto Vintage 2018 

the 2017 classic Vintage Port - o Porto Vintage clássico 2017 

the 2016 classic Vintage Port - o Porto Vintage clássico 2016 

the 2015 Vintage Port - o Porto Vintage 2015 

the 2014 Vintage Port - o Porto Vintage 2014 

the 2013 Vintage Port - o Porto Vintage 2013 

the 2012 Vintage Port - o Porto Vintage 2012 

the 2011 classic Vintage Port - o Porto Vintage clássico 2011