quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Noble & Murat revisited, the 2017 Vintage Port, 2014 LBV and the Reserve Port

EN/PT
PtoPwine archive


    The challenge was to get to know the N&M portfolio news...
    Back at the Noble & Murat center of activity at Quinta do Bragão in the Pinhão river valley, on its right bank, in Celeirós do Douro, Cima Corgo Douro sub-region. A traditional wine cellar and a producer commited to viticulture and winemaking traditional methods, where we had the opportunity to get to know and taste the house exclusive recent Port wines.

    Vineyard winemakers
   The vineyards above all, the vineyards are always the most important element and are always first. In the words of António Borges Taveira (Noble & Murat manager along with Alexandre Antas Botelho) "grapes are the basis of everything, if they are not good, nothing can be extracted from them.". This is the main principle and the great concern of this producer, i.e., the respect for the vineyard and to explore the potentialities of particular terroirs, with specific characteristics and their own identity, which allows each year and each harvest to select the best vineyard expression and the best every vineyard or plot of vineyard has to offer.

    A discreet producer, confident of an accumulated experience and methods practised, with a commitment to high quality special category Port wine and the growing consistency with each new wine accompanying the successive enlargement of the house portfolio.

    Here, viticulture and winemaking are thought from the top, from the Vintage Port wine category, from top to bottom, in other words, grape selection and winemaking processes are thought of as if production was always for a Vintage Port. The low yelding old vineyards, the grape selection and the traditional winemaking processes are identical for all the Port wines produce here. The whole process of producing and vinifying Vintage and LBV Ports is precisely the same. Later, overtime and following, monitoring and assessing the wine evolution, there will be a decisive moment when the decision will be taken as to which Port wine category the wine is intended for.


                                                               PtoPwine archive
Old vineyards at Quinta do Bragão

    In the vineyard as in the cellar, the work is traditional, handcrafted

    Each vineyard is individually harvested and vinified in very small quantities. The winemaking methods are intirely traditional, the wine is fermented 100% with the grape bunch stems, that will give the final wine the so-called "green tannins", allows temperature control absorbing the heat of the must during fermentation and gives the fundamental acidity and structure to the final wine. Only natural yeasts are used ("wild fermentation"), without compromise and according to Alexandre Antas Botelho, allows to reach the terroir and the wine year dimension and the consequent authenticity and the pronouced wine character.

    The grapes are exclusively foot trodden in small granite (and schist) "lagares" (traditinal stone treading tanks) with extended teams of about 24 men which, considering the smal size of the "lagares", has a decisive influence on the final wine quality, maximizes extractions, to a fair extent and without exaggeration, contributing to the necessary wine complexity and structure. The size of the "lagares" versus the number of men is very important to the final result. After the harvest, 5 to 6 vinifications are made in these "lagares" with variable capacities, from 4.500 to 5.500 liters the largest and 2.500 to 4.000 liters the smallest, that purposely never reach its full capacity, they are filled up 50% to 60% of its total capacity.

    Fermentations are longer, to get more extraction and also for the purpose of imparting more natural alcohol to the wine and the need to add less wine brandy during fortification, and give the drier style characteristic of Noble & Murat Port wines.
    Still concerning the Port wine vinification, the must (the solid matter remaining after the "lagar" is emptied) is pressed and the resulting press wine is added to the wine that came out of the "lagar", before the fortification process with wine brandy. This press wine is another important element for the final color and structure of the wine produced, since part of the tannins and all aromas originate from the grape skins.
    This is followed by a two year period in large portuguese cheestnut wood vats ("tonéis"), the Port wine ageing wod par excellence.


PtoPwine archive
The large wood vats ("tonéis") at Quinta do Bragão and Noble & Murat winery

    The origin of the 2017 Vintage Port

    The Vineyards
    The latest Noble & Murat 2017 Vintage Port has its origin in a final blend of wines from a selection of grapes from three different old vineyards:

    1. An old vineyard from the Tedo river valley, located on Quinta de Castelo Borges (neighbouring upstream Quinta de Nápoles), with several indigenous mixed grape varieties, with no predominant variety (a field-blend);

    2. Another old vineyard from the Tedo river valley, on its right bank, located at 140 meters altitude, a vineyard exclusively from Touriga Nacional grape variety, originated from its own clone that gives it its unique characteristics;

    3. An old vineyard from Quinta do Bragão, located in the Pinhão river valley, with several mixed grape varieties with no predominant grape variety.
    (as a curiosity, "the Sandeman 1931 Vintage Bragão", was made with grapes from the current old vineyard next to the quinta main house, which is nowadays also one of Noble & Murat Port wine components).

    An important note, in 2017 the vineyard yields were far below than usual.

    Noble & Murat 2017 Vintage Port
   According to António Borges Taveira and Alexandre Antas Botelho, of the monitoring the wine evolution, the decision on a vintage year only became absolutely clear and unambiguous in early 2019.
    Tasted in cask sample, and meanwhile already bottled. It has a deep dark color, an exuberant aroma but with a good balance, many evident black fruit and also vegetable notes, full, concentrated and creamy, with good tannins, fresh and with a good natual acidity, and the dry style that is the producer's hallmark, especially in the aftertaste. Persistent. It will naturaly evolve over many years and it will became more complex with time in bottle.

    One more note about the dry style of these wines, and the producer's opinion that excess Port wine sweetness can hide less serious vintages, since such excess can at first give a false sense of structure. In a drier style Port wine, when the structure exists, its obvious, we can feel it, it is there.

    The Vintage Port production, especially a year with the characteristics of 2017 (see: Douro, the 2017 harvest report ), is always of very small quantities (2.500 bottles "en primeur").


PtoPwine archive

    More Noble & Murat portfolio news

    Noble & Murat 2014 Late Bottled Vintage Port 
    Tasted a cask sample and meanwhile already bottled. Was commented that 2014 was a better year than the previous 2013 (2012 was the last LBV Port produced by Noble & Murat), at some point there was the need to decide on the release of an LBV or a Vintage Port, and the decision was LBV that, however, has a Vintage Port structure, if not for the bottle label designation. As was clear during the 2014 LBV tasting, it would not be displaced the designation "Vintage", quite the opposite.
    It is a traditional style LBV, unfiltered, with a very dark color, black fruit aromas and peppery, with a very good aromatic persistence characteristic of a Vintage Port, it has a good structure and body and good acidity and a drier style, with a sweetness level below usual, good tannin persistence, a very  well made elegant LBV Port.

    Noble & Murat Reserve Port
    Bottled unfiltered, maintaining the traditional style. A Reserve Port that was made from a basis of the best 2012 LBV Port that wasn't bottled as LBV and to which other components were added to obtain the final blend. Aged about 8 years in large wood vats. It is an excellent Reserve Port and a good introduction to the house portfolio Port wine range. It was thought of as a more immediate ready to drink and versatile Port. From this point, its natural evolution in wood casks would be to a "Colheita" Tawny Port (or Single Harvest Tawny Port).
    It has a very dark red color, naturally a more open color when compared to the previous LBV and Vintage Port tasted. It was commented by António Borges Taveira that by the evolution it presents "it is a wine that is not a Tawny, but it is no longer a ruby Port". With intense fruit and floral aromatic notes, fine and fresh, with soft tannins and a drier style (medium-dry according to the IVDP report that aproved the wine) and a good persistence. Undoubtedly, serious and well designed premium Reserve Port, proving that this Port wine special category generally comprises wines with very different quality levels. 
    As written above, it was bottled unfiltered and will surely evolve in bottle for a few more years. 

    The bottle label indicates "Lot no. II/XII", as a reference to the wine year blend that originated it.


                                                 PtoPwine archive

At the 2017 Vintage Port tasting. On a hot summer afternoon it takes a frapé to keep Vintage Port at a correct temperature, between 16º to 18ºC. 

The current Noble & Murat Port wine portfolio:

Noble & Murat Reserve Port
Noble & Murat LBV Port 2012 and 2014
Noble & Murat Vintage Port:
2015 (6.600 bottles),  2016 (3.300 bottles) and 2017 (2.500 bottles "en primeur")
Noble & Murat 20 Year Tawny Port

    The main Nobel & Murat markets
   Dispite its recent history, production is currently mainly destined for export, around 60% of total production, and the main markets are the U.S. and Denmark. The remaining 40% is destined to the national portuguese market.
    The next big objective is to reach the british market.


Noble & Murat
(António Borges Taveira and Alexandre Antas Botelho)
+351 96 327 42 50
noble.murat@gmail.com


©Hugo Sousa Machado

May also interest:

Noble & Murat revisitada, o Porto Vintage 2017, o LBV 2014 e o Porto Reserva

    O desafio era conhecer as novidades do portfolio da Noble & Murat...
    De volta à Noble & Murat e ao seu centro de actividade na Quinta do Bragão, no vale do rio Pinhão, na margem direita do rio, em Celeirós do Douro, na sub-região do Cima-Corgo. Uma adega tradicional e um produtor com um compromisso assumido com métodos tradicionais de viticultura e vinificação, onde tivemos a oportunidade de ficar a conhecer as novidades do portfolio exclusivo de vinhos do Porto desta cada.

    Vinificadores de vinhas
    Antes de tudo, as vinhas. As vinhas estão sempre em primeiro lugar e são o mais importante. Nas palavras de António Borges Taveira (responsável da Noble & Murat juntamente com Alexandre Antas Botelho), "as uvas são a base de tudo, se não forem boas, não se extrai nada delas.". Este é o grande princípio deste produtor, o respeito pela vinha e a exploração das potencialidades de terroirs particulares, com características específicas e identidade própria, o que permite em cada ano e em cada colheita seleccionar a melhor expressão das vinhas e o que de melhor cada vinha ou parcela de vinha tem para oferecer. 

    Um produtor discreto, confiante na grande experiência acumulada e nos métodos praticados, com um compromisso com vinhos do Porto de qualidade e a construção crescente de uma consistência que acompanha o sucessivo alargamento das propostas do portfolio de vinhos do Porto apenas de categorias especiais.

    A produção de vinhos é pensada a partir do topo, a partir da categoria dos vinhos do Porto Vintage, de cima para baixo, isto é, vinhas, uvas, processos de vinificação e vinhos são pensados como se o vinho a produzir fosse sempre um Porto Vintage, as vinhas velhas de produções baixas, a selecção das uvas e os processos de vinificação são idênticos para todas as categorias de vinhos do Porto da casa. Todo o processo de produção dos Vintages e LBV's é exactamente igual. Depois, mais tarde, do acompanhamento e da avaliação da evolução dos vinhos ao longo do tempo, haverá um momento em que será tomada a decisão do tipo de vinho a produzir.

    Na vinha e na adega, o trabalho é tradicional, artesanal
    Cada vinha é vindimada e vinificada individualmente, em quantidades muito pequenas. Os métodos de vinificação são inteiramente tradicionais, o vinho é fermentado 100% com engaço, que confere o chamado "tanino verde", permite o controlo da temperatura, absorvendo o calor do mosto durante a fermentação e confere a fundamental acidez e estrutura. São utilizadas exclusivamente leveduras naturais ("wild-fermentation"), sem cedências, o que de acordo com Alexandre Antas Botelho, permitirá traduzir a dimensão do terroir e do ano vitícola e a consequente autenticidade e caractér do vinho.

    As uvas são exclusivamente pisadas a pé em pequenos lagares de granito (e xisto), com equipas de cerca de 24 pisadores que, considerando a pequena dimensão dos lagares, constituí uma influência decisiva na qualidade final dos vinhos, maximizando as extracções na justa medida e sem exageros, conseguindo a necessária complexidade e estrutura nos vinhos.  A dimensão dos lagares versus quantidade de pisadores é muito importante no resultado final: após a vindima são realizadas 5 a 6 vinificações nos lagares, com capacidades variáveis, 4.500 a 5.500 litros os maiores e, 2.500 a 4.000 litros os mais pequenos, sem nunca se encherem completamente, apenas até 50 a 60% da sua capacidade total.

   As fermentações são mais prolongadas, para maior extracção e com a finalidade de conferir mais álcool natural e a consequente necessidade de acrescentar menos aguardente viníca durante o processo de fortificação do vinho, e que conferem o estilo mais seco característico dos vinhos do Porto da Noble & Murat.
    Ainda na vinificação do vinho do Porto, outro factor importante é o resultado da prensagem do mosto, que é adicionado ao lote antes da fortificação com aguardente viníca. Este vinho de prensa é decisivo para a côr e para a estrutura final dos vinhos, uma vez que parte dos taninos e todos os aromas têm origem na película das uvas.
    Segue-se a fase de estágio de dois anos, em velhos tonéis de madeira de castanho português, a madeira por excelência do envelhecimento do vinho do Porto.

    A origem do Porto Vintage 2017
    As vinhas

    O mais recente  Noble & Murat Vintage Port 2017 tem origem num lote final de vinhos provenientes de uma selecção de uvas de 3 vinhas velhas diferentes:

    1. Vinha velha do vale do rio Tedo, localizada na Quinta de Castelo Borges (vizinha da Quinta de Nápoles), com várias castas de variedades autóctones misturadas ("field-blend"), sem variedade prodominante;

    2. Vinha velha do vale do rio Tedo, na margem direita do rio, localizada a uma altitude de 140 metros, uma vinha exclusivamente de Touriga Nacional, com origem num clone próprio que confere a esta vinha características especifícas;

    3. Vinha velha da Quinta do Bragão, no vale do rio Pinhão, com várias castas autóctones misturadas e sem variedade predominante. 
    (como curiosidade, o Sandeman Vintage Bragão 1931, teve origem nas uvas da actual vinha velha junto à casa da quinta, e que hoje é também um dos componentes dos vinhos do Porto da Noble & Murat).

    Noble & Murat Vintage Port 2017
   De acordo com António Borges Taveira e Alexandre Antas Botelho, do acompanhamento da evolução dos vinhos, o raciocínio sobre o ano vintage apenas se tornou absolutamente inequívoco no início de 2019.

    Provado em amostra de casco, entretanto já engarrafado. Com uma côr muito carregada, escuro. De aroma exuberante mas com bom equilíbrio, muitos frutos negros e notas vegetais. É concentrado, cheio, cremoso, com bons taninos, com boa frescura e acidez natural, e o estilo seco que é a marca do produtor, sobretudo no final de boca. É persistente. Naturalmente vai evoluír durante muitos anos e tornar-se mais complexo com o tempo de envelhecimento em garrafa.

     Um nota ainda sobre o estilo seco destes vinhos, uma vez que o produtor defende que os excessos de doçura podem esconder vintages menos sérios, dado que este excesso pode, num primeiro momento dar uma falsa sensação de estrutura. Num vinho do Porto mais seco, a estrutura quando existe, sente-se, está lá.

    A produção, especialmente de um ano com as características de 2017 (vêr: douro, o relatorio da vindima 2017  ), é sempre de quantidades muito pequenas (2.500 garrafas "en primeur").

    As outras novidades do portfolio

    Noble & Murat Late Bottled Vintage Port 2014
    Provado em amostra de casco, entretanto já engarrafado. Foi comentado que 2014 foi um ano com uma qualidade superior a 2013 (o último LBV produzido pela casa tinha sido da colheita de 2012), a determinado momento houve a necessidade de decidir o destino final do vinho, o lançamento de um Porto Vintage ou LBV. Acabou por ser um LBV que, contudo, tem o perfil e a estrutura de um Vintage, não fosse a designação do rótulo. Como foi óbvio na prova, não desmerece, muito pelo contrário, o qualificativo "Vintage".
    É um LBV de estilo tradicional, não filtrado, com uma côr escura, com aromas de frutos negros, apimentado, com muito boa persistência aromática, com boa estrutura e corpo, e com o que constituí o perfil característico da casa, isto é, boa acidez e um estilo seco, com uma doçura abaixo do habitual. Boa persistência de taninos. É um LBV elegante.

    Noble & Murat Reserve Port
   Um vinho do Porto de categoria superior, engarrafado sem filtragem, mantendo um estilo tradicional. Um Porto Reserva que é constituído pela melhor vinificação do Porto LBV de 2012 ao qual foram acrescentados outros componentes. Estagiou cerca de 8 anos em tonel. É um excelente Porto como entrada de gama e como introdução às restantes propostas da casa. Foi pensado como um vinho do Porto mais imediato, versátil e pronto a beber. A sua evolução natural com o prolongamento do envelhecimento em casco seria um Tawny Colheita.
    De um vermelho muito escuro, com uma côr mais aberta quando comparado com o LBV e Vintage. Foi comentado por António Borges Taveira que, pela evolução que apresenta, "é um vinho que não é um tawny, mas também já não é um ruby". Um vinhos com intensidade de notas frutadas e florais, fino, fresco, com taninos macios e num estilo mais seco (meio-seco, de acordo com o relatório do IVDP), com uma boa persistência, guloso. Um Porto reserva sério e bem concebido, a comprovar que a categoria "reserva" nos Vinhos do Porto, em termos gerais, compreende vinhos de uma qualidade muito díspar.
    Foi engarrafado sem colagem nem filtragem e certamente evoluirá em garrafa durante mais alguns anos.

    O rótulo indica "Lote n. II/XII", uma referência ao lote do ano que está na origem do vinho.


O portfolio actual da Noble & Murat:

Noble & Murat Reserve Port
Noble & Murat LBV Port 2012 e 2014
Noble & Murat Vintage Port:
2015 (6.600 garrafas), 2016 (3.300 garrafas) e 2017 (2.500 garrafas "en primeur")
Noble & Murat 20 Year Tawny Port

    Os principais mercados
    Apesar da história recente da empresa, actualmente a produção destina-se maioritariamente à exportação, aproximadamente 60% do total. Os principais mercados são os E.U.A., Holanda e a Dinamarca, destinando-se os restantes 40% ao mercado nacional.
    O próximo grande objectivo é o mercado britânico.


Noble & Murat
(António Borges Taveira e Alexandre Antas Botelho)
+351 96 327 42 50
noble.murat@gmail.com
©Hugo Sousa Machado

Também pode interessar:

















    
 











   



Sem comentários :

Enviar um comentário