quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

# The Port library news (.5): the book "Quinta do Vallado. 300 years in the heart of the Douro"


    Quinta do Vallado: 1716 - 2016.

    Quinta do Vallado, founded in 1716, has just celebrated 300 years of history. It is not a unique case in the Douro valley, where time is measured in decades, in centuries. Within the scope of these celebrations it was published the book "Quinta do Vallado. 300 years in the heart of the Douro" (it was also bottled the extraordinary very old Port wine "Vallado ABF 1888", which honors the ancestor of the present owners of the Quinta do Vallado, António Bernardo Ferreira I), authored by the prestigious historian of the Douro and Port wine, Prof. Gaspar Martins Pereira and with a preface by António Barreto, also the author, among other works, of the book  "Douro, Rio, Gente e Vinho"  ("Douro, River, People and Wine), and the beautiful documentary "As Horas do Douro" ("The hours of the Douro).

     In a very careful and well designed edition, with curious details such as the cover and back cover presented with a tactile roughness that imitates the roughness of the Quinta walls, in its characteristic and traditional golden ocher, this edition whose production was designed by "Omdesign" agency (which had already been responsible for another work on the same subject, the book "250 years of histories", about the Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, which we will analyze in a future publication), a bilingual edition, written in portuguese and english and profusely illustrated (with today's photographs, some leaflets, and others from various sources, archives and collections, such as the documentation consulted), along its 224 pages (hardcover, 28,5 x 28cm format) we make a trip through the history of this iconic Douro Quinta, which in many aspects is also the history of other Douro Quintas, of the Douro wine region and of Port wine.

    This trip begins with a description of the location of Quinta do Vallado, on the slopes of the Corgo river valley, near Peso da Régua, in the heart of the Douro wine region, and also with the analysis of its long history, its medieval origins, of the "Comenda de Poiares" which belonged to the Order of Hospitallers and later with the first references that appear in documents of the XVII century. Then the foundation of Quinta do Vallado in 1716, the expansion of wine production and export growth to the british market, the initial and over the next centuries development of this family business. The XIX century and the «vineyard empire» of the Ferreira's and the refoundation phase of the Quinta that followed, with the land and vineyard expansion, the modernization of houses, wineries and "lagares" and the combination of the activity of wine commercialization with the wine production activity.

    The next phase, the years of the A.A. Ferreira, Sucessores/Companhia Agrícola e Comercial dos Vinhos do Porto, from the end of the XIX century to 1993 and to the present, the Quinta do Vallado, Sociedade Agrícola, and the investment in the future with the restructuring of the quintas, the definition of the best grape varieties, the necessity and the increase of wine production, the wine commercialization, the construction of a new and modern oak casks cellar and a vinification center with the most advanced winemaking technology, the restoration of the 17th century Quinta do Vallado main building and the interior of the 1733 chapel and the bet in the Quinta do Vallado Wine Hotel.

    This future prespective is also complemented by new projects, new vineyard plantations and the construction of the Casa do Rio, at Quinta do Orgal, on the Douro river slope, in the Upper Douro region, in the area of the Côa Valley Archaeologic Park.

   We are guided by the areas, the spaces and the numerous details of the Quinta and how the rhythm of the vineyard cycle marks the activity of man, vineyards and the various types of vineyard plantation that make up the landscape (about 90%), from the very old “pilheiros” to the various types of terraces, “socalcos”, “patamares” and “vinha ao alto” vineyards, the patrimony of the grape varieties identified in the old vineyards, the olive groves, the orange grove, the kitchen garden…

    This book also presents the Quinta do Vallado DOC Douro and Port wines varied portfolio of which we highlight two very old precious Port wines, the "Vallado Adelaide Tributa very old Port", dated 1866, commemorating the bi-centenary of D. Antónia birth and the most recently bottled "Quinta do Vallado ABF 1888", coming from pre-phylloxera vineyards. This last wine is the object of interesting and detailed tasting analyzes and notes, written by several personalities linked to the wine world, João Paulo Martins, João Pires and Justin Leone.

    From the preface, by António Barreto:

"The Quinta is undoubtedly the magical place of the Douro. Perhaps the essential reality of this marvellous region. The right place with spirit, where nature, history, work, men and wine meet together.”.


©HSM


Other books:

(.4) "Quinta do Vale Meão", by Francisco Javier de Olazabal
(.3) "Douro, Rio, Gente e Vinho" ("Douro, River, People and River), by António Barreto
(.2) "Diccionário Ilustrado do Vinho do Porto", by Manuel Pintão e Carlos Cabral
(.1) "Diccionário Ilustrado do Vinho do Porto", by Manuel Pintão and Carlos Cabral


# Notícias da biblioteca (.5): o livro "Quinta do Vallado. 300 anos no coração do Douro"

    Quinta do Vallado: 1716 - 2016

    A Quinta do Vallado, fundada em 1716, acaba de celebrar 300 anos de história. Não é caso único no Douro, onde o tempo se mede em décadas, em séculos. No âmbito destas comemorações foi editado o livro “Quinta do Vallado. 300 anos no coração do Douro” (foi também engarrafado o extraordinário vinho do Porto muito velho “Vallado ABF 1888”, que homenageia o antepassado dos actuais donos da quinta, António Bernardo Ferreira I), da autoria do prestigiado historiador do Douro e do vinho do Porto, Prof. Gaspar Martins Pereira e com prefácio de António Barreto, também autor, entre outros, do livro "Douro, Rio, Gente e Vinho" e do belissímo documentário “As Horas do Douro”.

    Numa edição muito cuidada e bem concebida, com pormenores curiosos como é o caso da capa e contracapa ser apresentada com uma rugosidade táctil que imita a rugosidade das paredes da quinta, no seu característico e tradicional ocre dourado, edição esta cuja produção e design é da responsabilidade da agência “Omdesign”, (que já tinha sido responsável por outra obra nesta temática, o livro ”250 anos de Histórias“, sobre a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, cuja análise ficará para outra publicação), numa edição bilingue, apresentada em português e inglês e profusamente ilustrada (com fotografias actuais, algumas desdobráveis, e outras provenientes de várias fontes, arquivos e colecções, assim como a documentação consultada), ao longo das suas 224 páginas (capa dura, no formato 28,5x28cm.) permite-nos uma viagem pela história desta icónica Quinta do Douro, que em muito aspectos é também comum a outras quintas históricas do Douro e também pela história do vinho do Porto.

    Esta viagem tem início na localização da Quinta do Vallado, nas encostas do vale do rio Corgo, a curta distância do Peso da Régua, no coração do Douro vinhateiro e com uma análise da sua longa história, com origens medievais, dos domínios da comenda de Poiares da Ordem do Hospital e mais tarde com as primeiras referências que surgem em documentos do séc. XVII. Depois, a fundação da Quinta do Vallado em 1716, a expansão vitícola e o crescimento das exportações para o mercado britânico, o desenvolvimento inicial e depois ao longo dos séculos seguintes, desta empresa familiar. O séc. XIX e o «império vinhateiro» dos Ferreiras e a fase de refundação da Quinta, com expansão de terras, a modernização de casas, adegas e lagares e a conjugação da actividade de comercialização de vinhos com a actividade produtiva.

    A fase seguinte, os anos da A.A. Ferreira, Sucessores/Companhia Agrícola e Comercial dos Vinhos do Porto, de finais do séc. XIX até 1993 e a fase actual, Quinta do Vallado, Sociedade Agrícola e um caminho do futuro, a reestruturação das quintas, a definição de castas, a necessidade e o aumento de produção, a comercialização dos vinhos, o investimento na construção de uma nova e moderna adega de barricas e um centro com a mais avançada tecnologia de vinificação, a recuperação do edifício setecentista da Quinta e do interior da capela de 1733 e a aposta no Hotel vínico da Quinta do Vallado.

    Esta prespectiva de futuro passa também ou é complementada por novos projectos, novas plantações de vinha e a construção da Casa do Rio, na Quinta do Orgal, na encosta do rio Douro, no Douro Superior, na área do Parque Arqueológico do Vale do Côa.

    Somos guiados e ficamos a conhecer as áreas, os espaços e inúmeros pormenores da Quinta do Vallado e como o ritmo do ciclo da vinha marca a actividade do homem, os vinhedos, os vários tipos de plantio da vinha que integram a paisagem (cerca de 90%), dos antigos pilheiros aos vários tipos de socalcos, patamares e vinhas ao alto, o património das castas identificadas nas vinhas velhas, os olivais, o laranjal, a horta...

    Este livro apresenta ainda o variado portfolio de vinhos DOC Douro e Porto da Quinta do Vallado, em que se destacam as preciosidades “Vallado Adelaide Tributa Porto muito velho”, datado de 1866, comemorativo do bi-centenário do nascimento de D. Antónia e o mais recentemente engarrafado “Quinta do Vallado ABF 1888”, provenientes de vinhas pré-filoxera. Este último é o objecto de interessantes e detalhadas análises de prova, da autoria de várias personalidades ligadas ao mundo do vinho, João Paulo Martins, João Pires e Justin Leone.

    Do prefácio, por António Barreto:

"A Quinta é certamente o local mágico do Douro. Talvez a realidade essêncial desta maravilhosa região. O lugar certo com espírito, onde se encontram a natureza, a história, o trabalho, os homens e o vinho.".



©HSM

Outros livros:

(.4) "Quinta do Vale Meão", de Francisco Javier de Olazabal
(.3) "Douro, Rio, Gente e Vinho" ("Douro, River, People and Wine"), de António Barreto 
(.2) "O Dicionário Ilustrado do Vinho do Porto", de Manuel Pintão e Carlos Cabral
(.1) "O Dicionário Ilustrado do Vinho do Porto", de Manuel Pintão e Carlos Cabral



Sem comentários :

Enviar um comentário